Escolas inovadoras de Viamão realizam workshop visando registrar práticas

Município: Viamão

Atividade ocorreu no dia 14 de novembro, no auditório do Centro de Formação Walter Graf CRÉDITO: PREFEITURA MUNICIPAL DE VIAMÃO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Atividade ocorreu no dia 14 de novembro, no auditório do Centro de Formação Walter Graf CRÉDITO: PREFEITURA MUNICIPAL DE VIAMÃO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Elas têm o DNA da inovação em sua essência e contam com práticas pedagógicas diferenciadas, que inspiram outras escolas da rede municipal de Viamão. Nove escolas com potencial inovador, localizadas nas zonas rurais e urbanas da região, foram convidadas para fazer parte do Projeto Aurora, que, desde o início de 2016, oferece ações formativas aos representantes de cada escola e assessores da secretaria. O projeto surgiu como um desdobramento da atuação da Fundação Telefônica Vivo em Viamão com o intuito de ampliar a proposta de inovação educativa que, até então, ocorria apenas na Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Zeferino Lopes de Castro por meio do programa Inova Escola.
Assim, o Projeto Aurora, iniciativa da secretaria municipal de Educação (SME) com o apoio da Fundação Telefônica Vivo e parceria técnica do Instituto Tear, tem o objetivo de assessorar as escolas que já realizavam práticas diferenciadas na missão de estruturar seus projetos pedagógicos em um modelo que faça sentido para a realidade de cada instituição. “Nosso intuito é criar condições e instrumentalizar a equipe da secretaria e os professores envolvidos por meio de metodologias e ferramentas inovadoras para que o município estabeleça uma cultura de inovação que possa ser ampliada,” explica a gerente de projetos do Instituto Tear, Rubia Medeiros.
Na última terça-feira, dia 14, a SME promoveu o 9º workshop de Mediadores – Registros e Práticas, no auditório do Centro de Formação Walter Graf, com a participação de representantes das nove escolas inovadoras Aurora. O workshop foi realizado pelo Instituto Tear de Inovação (ITI). Durante a formação, que aconteceu nos períodos da manhã e tarde, foi trabalhado métodos para produzir bons registros (sejam estes no formato de textos, fotos ou vídeos), com o objetivo de postagens em redes sociais. No final do evento, foi apresentada uma nova plataforma onde serão publicados os registros produzidos pelos professores.
Nas formações que antecederam o 9º workshop foram desenvolvidos técnicas e conceitos para aproximar os mediadores, gestores e coordenadores pedagógicos para se ter um alinhamento único na escola. Também foi proporcionado no último mês um intercâmbio entre os mediadores, onde os mesmos trocaram experiências. De acordo com a assessora das Escolas Inovadoras, Cleonice Sörgen, todas as combinações, ajustes, trocas de experiências e mensurações de resultados são propícias para desenvolver a inovação.
A partir de um planejamento estratégico definido no início do ano, o Instituto Tear elege uma metodologia, como o Design Thinking, por exemplo, e as ferramentas que serão trabalhadas nas reuniões semanais com as assessorias técnicas. A cada 15 dias, ocorrem os encontros entre os assessores e os educadores representantes de cada escola para trabalhar essas ferramentas e definir as ações. “Esse educador, chamado de mediador, tem o papel de levar as discussões e definições estabelecidas nas reuniões para o grupo de professores da escola e retornar com possíveis dificuldades e desafios”, conta Rubia.
A troca entre educadores e assessores é considerada parte tão essencial para o fluxo do projeto, que o secretário municipal de Educação, Carlos Bennech, optou por deixar uma equipe de quatro assessores da SME direcionados exclusivamente ao atendimento dessas escolas. O secretário, que assumiu a gestão este ano, explica a decisão como um reforço do compromisso da secretaria de Educação em ampliar o desenvolvimento do projeto na rede de escolas de Viamão. “Temos feito uma jornada pedagógica inovadora junto à Fundação Telefônica Vivo e o Instituto Tear. Nossa expectativa é apropriarmo-nos cada vez mais do tema e dar continuidade ao projeto que tem o aluno como protagonista e está fazendo tão bem para a comunidade escolar”.
Para a assessora técnica da secretaria, Cleonice Sorgen, a mudança estratégica permitiu acompanhar as escolas mais de perto e melhorou o relacionamento com os professores. “Muita vezes, a secretaria é vista como fiscalizadora e hoje a gente consegue perceber que há uma aproximação muito maior com os educadores e eles também estão mais motivados”, relata a profissional, que acompanha as escolas desde 2013. “Cada escola tem sua individualidade, mas há várias práticas diferenciadas que ainda não foram exploradas em outras instituições de ensino do município. O mais importante é ter a gestão pública e os parceiros lado a lado nessa caminhada para que aos poucos possamos inserir o conceito da inovação educativa em todo o município”, conclui Cleonice.