Edição do Projeto Uma Noite no Arquivo atrai 150 pessoas em Caxias do Sul

Município: Caxias do Sul

Apresentações musicais e visitas guiadas integraram a atividade CRÉDITO: CAROLINE SANTI PEGORARO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Apresentações musicais e visitas guiadas integraram a atividade CRÉDITO: CAROLINE SANTI PEGORARO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

O Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami recebeu cerca de 150 pessoas no último sábado, dia 1. A terceira edição do Projeto Uma Noite no Arquivo contou com apresentações do coro cênico Encanta, da banda Rota Lunar e do Vocal Sem Batuta. Visitas guiadas e projeção de filmes antigos originais em película também incrementaram a programação.
Nas visitas guiadas, servidores do arquivo apresentaram aos visitantes as particularidades e curiosidades da documentação e rotina de trabalho de cada unidade da instituição. Para a diretora do espaço, Neisi Coelho Zorzi, o evento possibilitou que as pessoas conhecessem mais sobre o acervo do arquivo histórico. “Atividades assim também despertam nos visitantes a curiosidade de voltar ao espaço, aproximando, assim, a comunidade do arquivo”, disse.
A acadêmica de História Geovana Erlo acompanhou todas as atividades. Para ela, eventos como Uma Noite no Arquivo valorizam o patrimônio cultural da cidade, do Estado e do País. “A comunidade presente em um espaço de memória significa que o conhecimento histórico não está restrito à academia. Isso é fundamental para nossa percepção como sujeitos históricos, que também produzem e reconhecem histórias”, defendeu.
O Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami preserva o acervo documental de origem pública, recolhidos de órgãos da administração municipal, e de origem privada – documentos de instituições e famílias recebidos por meio de doações e/ou aquisição. Além do trabalho de descrição, guarda e preservação, o arquivo desenvolve pesquisas e publicações com o objetivo de divulgar o conteúdo de seu acervo e contribuir para o conhecimento da história do município.
As ações desenvolvidas desde 1976 contribuíram significativamente para que a instituição se tornasse referência nacional e internacional em matéria de preservação e acesso às fontes de pesquisa, principalmente em relação aos temas referentes à imigração e ao povoamento da Região Nordeste do Rio Grande do Sul. O arquivo histórico é aberto ao público em geral com horário de funcionamento das 10h às 16h. Horário alternativo para pesquisa também pode ser solicitado, mediante agendamento.