Safra de uva na Serra gaúcha pode ser acima da média histórica

Município: Serra Gaúcha

Condições climáticas foram fundamentais para bons resultados em 2016/2017 CRÉDITO: KATIA MARCON/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Condições climáticas foram fundamentais para bons resultados em 2016/2017 CRÉDITO: KATIA MARCON/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Se as condições climáticas continuarem favoráveis, a atual safra de uva na Serra gaúcha deverá chegar a 790 mil toneladas, conforme estimativas da Emater, um volume 10% acima da média histórica e 160% superior à safra passada, que foi de apenas 304 mil toneladas. “No quesito qualidade, embora as frequentes precipitações e baixa insolação a partir de dezembro tenham afetado a sanidade (podridões) e a concentração de açúcares (graduação) das variedades superprecoces (Vênus, Concord, Pinot Noir, Chardonay), as de ciclo precoce, médio e tardio ainda podem ter essa situação revertida”, projeta o presidente da Emater-RS, Clair Kuhn.
Com exceção da Niágara, as demais cultivares, principalmente a Isabella e a Bordô, que representam mais de 50% da área cultivada na Serra, apresentam carga acima das suas médias. As condições climáticas foram fundamentais para a boa safra de 2016/2017. O engenheiro agrônomo da Emater Enio Ângelo Todeschini explica que o frio intenso e contínuo ocorrido da última semana de abril até o final de setembro caracterizou o melhor inverno das últimas décadas, tanto em quantidade quanto em qualidade, viabilizando uma excelente brotação de gemas vegetativas, tanto no número quanto na uniformidade dos brotos. Conforme registros da Embrapa Uva e Vinho, de Bento Gonçalves, houve um acúmulo de 530 horas de temperaturas abaixo de 7,2 graus necessário para que a planta possa superar o estágio de latência quantidade bem acima da média dos últimos 35 anos, que é de 410 horas, e muito além das 145 horas do último ano.
Além disso, as geadas de outubro e novembro foram de baixa intensidade, por isso não afetaram o desenvolvimento e produtividade da cultura. Somente na segunda quinzena de outubro, época em que a maioria das variedades passa por uma das suas fases mais críticas, que é o florescimento, foram registrados altos volumes de chuvas em dias consecutivos, o que provocou o abortamento de flores/bagas, porém, isso pouco afetou o potencial produtivo, pois as que permaneceram compensaram pelo calibre (diâmetro) e peso. “Fora esse fato, a primavera apresentou ótimas condições para o desenvolvimento e sanidade dos parreirais, refletindo-se em baixo número de aplicações fitossanitárias”, avalia Todeschini. “Devido aos baixos estoques de produtos da safra passada (vinho, suco, espumantes) e ao incremento do consumo neste ano, motivado pelas condições típicas do inverno, o panorama é de valorização da uva, evidenciado pela precoce e forte procura do produto”, finaliza o presidente Kuhn.

 

Bento e Garibaldi celebram o início da colheita da uva

Município: Serra Gaúcha

Expectativa é que as cidades da Serra gaúcha recebam 200 mil visitantes. CRÉDITO: GILMAR GOMES/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Expectativa é que as cidades da Serra gaúcha recebam 200 mil visitantes.
CRÉDITO: GILMAR GOMES/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Começou oficialmente a temporada da colheita de uva, conhecida como Vindima, nos parreirais da Serra gaúcha. E a cidade de Bento Gonçalves celebra a data com a 7ª edição do evento Bento em Vindima que segue até 13 de março e espera receber nesse período cerca de 140 mil visitantes.

O secretário de turismo de Bento Gonçalves, Gilberto Durante, explica que a iniciativa foi criada com o intuito de movimentar o turismo no município durante o verão, e a expectativa é de crescimento para este ano. “Para 2016, esperamos um incremento de 5% em relação ao ano anterior”, calcula.

Com o intuito de receber melhor o turista, o município realizou diversas obras financiadas pelo ministério do Turismo, entre elas a de sinalização turística, no valor de R$ 195 mil, para a construção do centro de informações ao turista, no valor de R$ 97 mil, e restauração do pórtico na entrada da cidade, que recebeu investimento de R$ 390 mil.

Bento Gonçalves conta com 35 meios de hospedagens para o turista descansar e possui diversas atrações que envolvem o principal produto deles, a uva. Há diversas vinícolas e roteiros, como o Caminhos de Pedra (rota dos antigos colonos italianos) e a rota das Cantinas Históricas.

Durante o evento Bento em Vindima, há uma programação especial que envolve a atividade de colher e pisar as uvas – relembrando como era feito o processo pelos colonos. Também é possível participar de piquenique nos parreirais, jantares harmonizados, cursos de degustação de vinhos, espumantes, geleias e sucos, além de passeios ciclísticos em meio aos parreirais. Há ainda a opção de realizar a colheita da uva à noite e participar da Maratona do Vinho, no dia 14 de fevereiro. “É um período muito especial, quando comemoramos o resultado do trabalho anual de milhares de agricultores que se dedicam ao cultivo da fruta, e também é a oportunidade perfeita para participar das diversas experiências que a colheita da uva possibilita”, conclui o secretário.

A maior parte dos turistas que vão a Bento Gonçalves também visitam Garibaldi, a capital dos espumantes, que fica há 15 minutos de carro. O município de Garibaldi também comemora a colheita da uva com uma programação especial.

Em Garibaldi, a programação da vindima já está na terceira edição. O município, que produz 14 mil litros de vinhos e espumantes por ano, espera acolher 60 mil visitantes nesta temporada.

Segundo a secretária de Turismo e Cultura, Ivane Fávero, a organização do evento aumentou a procura pelo município na baixa estação. “Conseguimos incrementar este período e aumentamos a ocupação dos hotéis para 50%, sendo que antes ficava em torno de 30%”, comemora. Garibaldi também recebeu recursos do ministério do Turismo para obras na Estrada do Sabor, no valor de R$ 487,5 mil, Mirante Bela Vizzione (R$ 146 mil) e obras do pórtico (R$ 40 mil).

A programação Veraneio em Vindima de Garibaldi também já começou e envolve pacotes diferenciados em hotéis, com atividades ligadas à uva, além do roteiro Estrada do Sabor, que envolve turismo rural, piquenique, colheita e pisa da uva e shows típicos. Ainda segundo Ivane, a maior parte dos turistas no município são do próprio Estado, seguidos pelos visitantes de São Paulo, Rio de Janeiro e outros estados do Sul. Confira a programação em: www.turismogaribaldi.com.br e www.turismobento.com.br.

 

Esporte terá destaque entre as atividades do Dia do Vinho

Município: Serra Gaúcha

Atrativos da Região Uva e Vinho podem ser visitados em trilhas ecológicas, percursos de bicicleta e corridas por entre os vinhedos CRÉDITO: JONATHA JUNGE/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Já começaram as atividades de celebração ao vinho que irão movimentar a Serra Gaúcha, a região da Campanha, a capital Porto Alegre, e o Roteiro do Vinho de São Roque, em São Paulo. Os organizadores do evento oferecem, além de opções gastronômicas, turísticas e vitivinícolas, ações esportivas entre os dias 22 de maio e 7 de junho, no Dia do Vinho 2015. Os apaixonados por bicicleta, corrida e trilhas ecológicas já podem anotar na agenda para garantir presença em cada uma das atividades.
Com inspiração em grandes corridas realizadas nas regiões vitivinícolas de países como Estados Unidos, França, Alemanha, Espanha e Portugal, o Caixa Wine Run Brasil levou no sábado, dia 23, os participantes por uma viagem pelo Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha. O objetivo é integrar o esporte e o vinho como um estilo de vida, agregando valores e transformando o circuito em um evento de entretenimento esportivo. Neste ano, o percurso mudou, e teve saída do varejo do grupo Suvalan, passando pela Rota Cantinas Históricas e seguindo pelo Vale Aurora, com chegada no campo Capela das Almas. Foram 21 km de trajeto, entre pisos de asfalto, terra e calçamento, realizados em dupla ou individualmente, conforme faixa etária.
Entre pedaladas e paisagens de tirar o fôlego, o Que Tal de Bike? é umprojeto de enlouquecer os apaixonados pelas magrelas. Organizado pela rede de hotéis Dall’Onder, possibilita uma aproximação com a natureza e os atrativos turísticos de Bento Gonçalves e região. A experiência pode ser vivida por quatro roteiros, divididos em diferentes níveis. As pedaladas podem ser realizadas em qualquer dia da semana, mediante agendamento prévio. A idade mínima para participação é de 14 anos. A inscrição dá direito a bicicleta, capacete, veículo de apoio, seguro de vida, condutores capacitados segundo normas da Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura (Abeta), retorno ao hotel em translado e parada para o lanche que inclui frutas, suco, água, sanduíches e iogurte.
Na Pedalada Cultural, o visitante faz uma viagem entre os Caminhos de Pedra, para conhecer os locais onde a história, gastronomia e arquitetura dos imigrantes italianos permanecem vivas no dia a dia de seus descendentes. Divididos em Pegando Leve, Esquentando o Pedal e Suando a Camisa, os percursos possuem quatro, seis e oito horas de duração, respectivamente, atingindo 7 km, 14 km e 27 km. Entre os principais atrativos estão a Casa do Tomate, Casa Righesso, Vinícola Strapazzon, Casa Vanni, Casa da Erva-Mate, Cave Geisse e Vinícola Don Giovanni. Já a Pedalada Enoturística é realizada em meio a vales e parreiras, abraçando desde pequenas propriedades rurais até vinícolas renomadas. No final, claro, há ainda a degustação de um bom vinho. Com 10 km (Pegando Leve) e 27 km (Suando a Camisa), há visitas na Vinícola Larentis, Cogumelos da Serra, Vinícola Pizzato e Famiglia Tasca.
O roteiro Pedalada Ecológica é realizado entre descidas e subidas em estrada de terra, com momentos de aventura nos municípios de Nova Roma do Sul e Pinto Bandeira, no Vale do Rio das Antas. Com dificuldade 5, há passagem por Vinícola Valmarino, Rio das Antas, Cachoeirão, Ponte de Ferro, Pinto Bandeira e Cave Geisse. A hospitalidade ganha destaque nas casas das famílias Mariani e Vaccaro, além da Vinícola Don Laurindo, Osteria Della Combiana, Vinhos Bettú e Vinícola Peterlongo.
Localizada às margens do rio das Antas, próximo à ponte em arcos na rodovia RSC-470, entre Bento Gonçalves e Veranópolis, a Casa Bucco é a pedida para os amantes da natureza. Logo na chegada é possível encontrar a tipicidade italiana no pórtico e nos muros de pedra e nas construções por toda a extensão da propriedade. A destilaria está envolta em mata, penhascos e rio, em um ambiente calmo, tranquilo e excelente para quem quer descansar.
A visita contempla um tour especial pelo alambique, com explanação do processo de elaboração da cachaça artesanal, além de degustação e acesso ao varejo. A trilha ecológica dura cerca de três horas e leva os visitantes ao pomar, com a oportunidade de comer frutas diretamente da planta. No canavial é possível conhecer e provar a matéria-prima para a cachaça: a cana-de-açúcar. O visitante será acompanhado por guias especializados através de paisagens e experiências inesquecíveis.
Realizado pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), pela secretaria estadual da Agricultura, Pecuária e Agronegócio e pelo Sindicato dos Hotéis Restaurantes Bares e Similares Região Uva e Vinho (SHRBS), o Dia do Vinho é resultado do Projeto Eventos Integrados e Integradores, fomentado pelo Ministério do Turismo. A lei que instituiu o Dia do Vinho no Rio Grande do Sul no primeiro domingo de junho de cada ano foi promulgada em 12 de dezembro de 2003.
A edição 2015 do evento tem apoio das prefeituras municipais de Antônio Prado, Bento Gonçalves, Caxias do Sul, Farroupilha, Flores da Cunha, Garibaldi, Monte Belo do Sul, Pinto Bandeira e Veranópolis, além da Associação Farroupilhense de Produtores de Vinhos, Espumantes, Sucos e Derivados (Afavin), Associação dos Produtores de Vinhos de Pinto Bandeira (Asprovinho), Sindicato da Indústria do Vinho, do Mosto de Uva, dos Vinagres e Bebidas Derivados da Uva e do Vinho do Rio Grande do Sul (Sindivinho-RS), Roteiro dos Vinhos de São Roque/SP, Vinhos da Campanha Gaúcha, Atuaserra, Bento Convention Bureau, Caxias do Sul Convention & Visitors Bureau, Phoenix Eventos e Verallia.

Estudos endossam os benefícios da uva para a saúde

Município: Serra Gaúcha

Dados comprovam que a fruta é aliada na prevenção de doenças, na redução de peso e da gordura abdominal. Os ganhos também se estendem ao consumo moderado de vinho e de suco 100% CRÉDITO: IMPRENSA IBRAVIN/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Os benefícios da uva nunca estiveram tão em evidência. Uma série de estudos realizados nos últimos anos comprova que o consumo moderado da fruta e seus derivados garante mais qualidade de vida a crianças e adultos. Não é por acaso que a uva é considerada a superfruta da saúde. O suco de uva 100% como aliado para perder barriga foi a boa-nova anunciada recentemente. Depois de comprovar os benefícios da bebida para o coração, redução de colesterol, prevenção do câncer e melhora da memória, uma pesquisa realizada pelo Centro Universitário Metodista (IPA), de Porto Alegre, indicou que o consumo regular do suco elaborado com 100% fruta, sem adição de açúcar, contribui para a redução da gordura abdominal.
Coordenado pela biomédica Caroline Dani e pela bioquímica Cláudia Funchal, o estudo iniciado em 2009 já foi publicado em revistas científicas e quebra paradigmas ao comprovar que uma bebida doce e saborosa pode ser aliada para dietas em seres humanos. Caroline, que estuda os benefícios do suco desde 2004, explica que os ratos submetidos à dieta hiperlipídica (rica em gordura) com suco de uva tiveram um aumento de peso e de gordura na região abdominal inferior ao grupo que recebeu a mesma alimentação e água. Já os animais com a mesma alimentação e que ingeriram água tiveram ganho de massa e de gordura. A biomédica lembra que estudos anteriores já comprovaram a ação dos componentes da uva e, por consequência, do suco 100%, para a proteção do fígado e do coração, redução da pressão arterial, melhora na capacidade cognitiva, sistema nervoso central e proteção contra os radicais livres, prevenindo doenças neurodegenerativas como o Alzheimer e o câncer.
Caroline também coordenou outra pesquisa no IPA na qual idosos que tomaram suco de uva 100% por 30 dias reduziram circunferência abdominal e peso, além do índice de massa corporal (IMC), colesterol total e colesterol ruim. Não houve alteração nos níveis de glicose nem nos de triglicerídeos. Durante o estudo, os voluntários incluíram no cardápio dois copos de suco de 400 ml cada por dia, divididos em duas porções de 200 ml cada, durante um mês, mantendo seus hábitos. Os benefícios do suco de uva 100% não param por aí. Uma pesquisa da Universidade Estadual do Rio de Janeiro realizada com triatletas da Marinha comprovou que um copo da bebida antes e outro depois dos treinos auxilia nos resultados.
Os benefícios se estendem também para o vinho. O cardiologista Jairo Monson, estudioso dos assuntos relacionados a vinho e saúde, afirma que o consumo moderado da bebida, especialmente as variedades tintas, fazem bem ao sistema cardiovascular, previnem câncer, inibem em até 80% o crescimento do HIV, além de ser a bebida mais favorável para os obesos e diabéticos. “Instituições que são muito severas nos seus critérios científicos, como o FDA (Food and Drug Administration), AHA (American Hart Association), SBH (Sociedade Brasileira de Hipertensão Arterial) e NSA (National Stroke Association) reconhecem que as pessoas que não têm contra-indicação à ingestão de bebidas alcoólicas e que bebem vinho com moderação, regularmente e durante as refeições, têm benefícios para a saúde”, destacou Monson, autor do livro Vinho é Saúde! 50 Respostas para Entender por que a Bebida de Baco Pode Fazer Bem.
Outro estudo, coordenado pela Dra. Regina Vanderlinde, pesquisadora do Laboratório de Referência Enológica (Laren) e professora da Universidade de Caxias do Sul (UCS), concluiu que, em relação às variedades, os vinhos Merlot apresentaram maiores concentrações de resveratrol. O teor máximo entre todas as amostras analisadas foi encontrado em um Merlot brasileiro (15,9 mg.L-1). O maior teor médio de resveratrol também foi encontrado nos Merlot brasileiros (8,73 mg.L-1), diferenciando-os dos teores médios dos vinhos dos outros países que não apresentaram diferença estatística entre si – argentinos (1,71 mg.L-1), chilenos (2,64 mg.L-1) e uruguaios (4,93 mg.L-1).
“Os teores médios de resveratrol encontrados nos vinhos brasileiros são superiores aos encontrados em outros países sul-americanos. A variedade Merlot apresentou valor médio mais elevado das estudadas. Os teores de resveratrol nos vinhos brasileiros pressupõem propriedades benéficas à saúde mais elevadas que os vinhos de outros países”, resume Regina. O resveratrol é um polifenol presente na fruta e que faz bem ao organismo. Sua concentração nas uvas e vinhos varia de acordo com a variedade, origem geográfica, ação de patógenos e processos de fermentação.

Ator Selton Mello começa a filmar seu novo longa-metragem na região

Município: Serra Gaúcha

Gravações do longa se iniciaram na semana passada, na estação da Maria Fumaça, em Garibaldi, e em um dos vagões do trem que faz o tradicional passeio na região CRÉDITO: TARCILA JACOB/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Até o próximo dia 29 de maio, uma equipe de mais de 150 pessoas, entre artistas, técnicos e produtores, estará imersa na Serra Gaúcha para rodar O Filme da Minha Vida, terceiro longa-metragem dirigido por Selton Mello. O filme é baseado no livro Um Pai de Cinema, de Antonio Skármeta, autor chileno de obras belas e delicadas como O Carteiro e o Poeta. O roteiro adaptado foi realizado a quatro mãos por Selton Mello e Marcelo Vindicatto, mesma dupla que escreveu O Palhaço e Feliz Natal.
Ambientado no Sul do Brasil na década de 60, com magníficas paisagens e uma linda história de reestruturação de uma família, o filme mostra o processo de amadurecimento do jovem Tony (Johnny Massaro), sua relação estreita com a mãe, a ausência do pai – o francês Nicolas (Vincent Cassel), seus anseios e dilemas, seus amores. Um rito de passagem da juventude para a maturidade. Selton Mello também atuará no longa – ele faz Paco – o amigo fanfarrão de Tony e da família. As filmagens acontecem nas cidades de Cotiporã, Veranópolis, Bento Gonçalves, Garibaldi, Farroupilha, Monte Belo do Sul e Santa Tereza.
“Depois da experiência luminosa com O Palhaço, passei um bom tempo matutando qual seria o meu próximo passo no cinema. Rascunhei coisas novas, originais, procurei algo que me instigasse e nada me arrebatou. Eis que um dia Skármeta entrou em contato comigo e Vânia Catani, produtora e minha parceira. Seu desejo era que o livro Um Pai de Cinema fosse realizado no Brasil. Achei que era um trote, depois percebi que não, ele realmente estava ali com um desejo claro e achava que a pessoa que deveria fazer a transposição das páginas de seu livro para a tela do cinema era eu”, revela Selton.
O filme é uma coprodução com a MGM International por meio da Lei do Audiosivual/Ancine, tem o patrocínio da Brasil Kirin por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro e conta com investimentos do Fundo Setorial do Audiovisual/Ancine por meio do BRDE e da Rio Filme. Tem o apoio de Giordani Turismo e prefeituras de Bento Gonçalves, Garibaldi, Farroupilha, Santa Tereza, Cotiporã e Veranópolis. A distribuição é da Europa Filmes/MGM.
As gravações do longa começaram recentemente na estação da Maria Fumaça, em Garibaldi, e em um dos vagões do trem, que faz tradicional passeio cultural da região da Uva e Vinho. Tanto a estação quanto o vagão foram adaptados para voltar aos anos 60, época do filme. “O cenário é típico dos trens de locomoção da época. O vagão tem bancos originais, revestimento em madeira, cortinas, acessórios e pintura da década”, explica Bruna de Souza, responsável pelo marketing da Giordani Turismo, empresa que opera a Maria Fumaça e que executou o projeto de restauração, sob coordenação do diretor de arte do filme, Cláudio Amaral Peixoto. Após as filmagens, o vagão restaurado será incorporado ao passeio de Maria Fumaça.