Olericultura é assunto deDia de Campo em Sananduva

Município: Sananduva

Atividade ocorreu na propriedade da família Martini, na comunidade de Linha Gaúcho CRÉDITO: EMATER-RS/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Atividade ocorreu na propriedade da família Martini, na comunidade de Linha Gaúcho CRÉDITO: EMATER-RS/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Mais de 130 agricultores estiveram reunidos na última quinta-feira, dia 18 de maio, na propriedade da família Martini, na comunidade de Linha Gaúcho, que sediou o Dia de Campo sobre Olericultura. O objetivo do evento foi, além de incentivar a produção, abordar questões técnicas de produção e discutir sobre os entraves da atividade. “Buscamos mostrar as possibilidades e as dificuldades da atividade. A produção de alimentos é uma opção crescente para o produtor e o hortigranjeiro é uma boa alternativa, principalmente quando se produz fora do período sazonal, como acontece nessa propriedade, com a produção de tomates”, destacou o técnico da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) de Sananduva, Osmar Miotto. Ele reforçou a importância da propriedade como exemplo de sucessão familiar e de aplicação de políticas públicas, já que o proprietário adquiriu as terras por meio do Banco da Terra e conseguiu instalar irrigação por meio de um projeto junto à secretaria estadual da Agricultura, Pecuária e Irrigação.
A família Martini, de dois irmãos e filhos, tem nos hortigranjeiros o carro-chefe da produção, além da produção de soja e suínos. “Há 21 anos trabalho nessa atividade, comecei com alface, tomate e pimentão, por último cenoura e beterraba”, disse o produtor Dilson Martini, que apresentou a estação sobre comercialização, juntamente com o engenheiro agrônomo e assistente técnico regional da Emater, Ivan Guarienti. Na estação também foram abordados os alimentos mais consumidos e o aumento da procura pelos produtos semi-processados, como legumes descascados, cortados e embalados.
Na estação sobre enxertia de tomate, o jovem produtor Marcelo Martini e o técnico da Emater, Marcos Galetti, falaram sobre as vantagens dessa técnica, como melhorar a qualidade dos frutos, aumentar a produtividade, minimizar as doenças, ampliar o período da colheita, melhorar o aproveitamento de água e nutrientes, entre outras. Na oportunidade, o produtor fez uma demonstração prática de enxertia. Manejo de tomates em estufas foi a estação apresentada pelos engenheiros agrônomos da Emater Virgínia Viero e Rodrigo Batistella. Eles abordam os benefícios que o cultivo protegido faz à cultura como, por exemplo, a formação de um microclima favorável, distribuição da produção, melhor controle em relação à pragas e doenças.
Na estação sobre manejo de solos e fertilidade para cenoura e beterraba os engenheiros agrônomos da Emater Cibeli Bones e Amauri Pivotto, explicaram sobre a escolha da área, a análise e o preparo do solo, os corretivos e fertilizantes usados nas culturas e os momentos de serem realizados. O Dia de campo também contou com a estação sobre máquinas e tecnologias de aplicação, apresentada por representantes da Cereais Camozzato.