Sistema de tratamento de esgoto doméstico é apresentado em evento em Rio Pardo

Município: Rio Pardo

Expoagro Afubra pode ser conferida até esta quinta-feira, no Rincão Del Rey CRÉDITO: EMATER-RS/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Expoagro Afubra pode ser conferida até esta quinta-feira, no Rincão Del Rey CRÉDITO: EMATER-RS/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A fim de possibilitar a destinação correta dos resíduos de uma propriedade rural, no espaço Casa da Emater-RS na Expoagro Afubra, extensionistas estão mostrando, na parcela do saneamento ambiental, o tratamento dos resíduos do banheiro através do sistema fossa-filtro-sumidouro. Conforme a extensionista social da Emater Carini Paschoal de Souza, nesse sistema os dejetos que saem do vaso sanitário passam por uma fossa séptica, onde acontece o primeiro tratamento, seguindo para um filtro físico com areia e brita para o tratamento com bactérias anaeróbicas e, depois, para o sumidouro, sendo infiltrados no solo. “Dessa forma, os resíduos são tratados a ponto de poderem voltar para o meio ambiente sem impacto”, salienta Carini.
Ela também explica que está sendo sugerido o uso de bananeiras em cima do sumidouro, pois essas plantas, além de possibilitarem a retirada de água mais rapidamente do local, também produzem um fruto que pode ser consumido pela família. Os agricultores interessados na adoção desse sistema podem procurar os escritórios municipais da Emater, que irão orientar na construção.
Além do destino correto dos resíduos do banheiro, evitando a contaminação ambiental, que traz risco à população, também estão sendo apresentado no local o processo de vermicompostagem, para reutilização de materiais orgânicos; o embelezamento dos arredores das propriedades; o reaproveitamento de pneus e o descarte correto das embalagens de agrotóxicos, materiais eletrônicos, medicamentos vencidos e não utilizados e óleo de cozinha. Este produto, assim como outras gorduras produzidas nas propriedades, como o sebo animal, pode ser utilizado para a produção de sabão. A receita de sabão de álcool, bem como amostras do produto, é distribuída pelos extensionistas. A Expoagro Afubra 2017 pode ser conferida até esta quinta-feira, dia 23 de março, no Rincão Del Rey. A entrada é gratuita.

 

Equilíbrio do solo contribui para aumento na produtividade da soja em Rio Pardo

Município: Rio Pardo

Prática auxilia no fornecimento de nutrientes ao vegetal CRÉDITO: ALLTECH CROP SCIENCE/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Prática auxilia no fornecimento de nutrientes ao vegetal CRÉDITO: ALLTECH CROP SCIENCE/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Consequência de práticas como a monocultura, o desequilíbrio do solo é um problema enfrentado por produtores de diversas regiões do País e tem impactado no resultado final da produtividade das lavouras. No Rio Grande do Sul, que responsável por 15% da produção total de soja no Brasil, tratamentos biotecnológicos auxiliaram na reversão deste quadro dando sustentabilidade ao sistema produtivo.
No município, o produtor Marcelo Franque explica que a incidência de nematoides levou à mortalidade de grande parte de sua plantação. Com a utilização de soluções naturais para equilíbrio biológico do solo, as mudanças foram expressivas na área de aplicação. “Foi muito visível. Na faixa em que utilizamos o produto, a planta se desenvolveu melhor. Comparando com a área de testemunha, a produtividade da soja melhorou aproximadamente 50%”, conta Franque.
Segundo o engenheiro agrônomo Fransérgio Batista, gerente técnico especialista em grãos da Alltech Crop Science, a produtividade é impactada diretamente pelo equilíbrio do solo por meio de microrganismos benéficos. “Você vai voltar o mais próximo possível da condição original desse solo. Quando você introduz novamente esses microrganismos, você diminui naturalmente as doenças e automaticamente isso resulta em produtividade”, explica Batista. O especialista destaca, ainda, que a prática auxilia no fornecimento de nutrientes ao vegetal e, em alguns casos, na indução de resistência do cultivo. “Você tem variadas interações positivas entre estes microrganismos benéficos e as plantas. Muitos deles, por exemplo, fornecem nitrogênio e fósforo para o vegetal de forma gratuita. Em outras situações também trabalham nas plantas através da indução de resistência”, afirma.
Para Franque, o manejo do solo está entre os grandes desafios do ciclo de produção da safra. “Às vezes, o produtor vê os indícios e não dá muita atenção. No fim acaba tirando muito da média. É importante a busca para solucionar porque depois que toma conta é difícil reverter”. Batista ainda complementa explicando que, a médio e longo prazo, o equilíbrio do solo é o que vai garantir sustentabilidade ao negócio do produtor.