Espaço Arte do Doce encanta visitantes na Fenadoce, em Pelotas

Município: Pelotas

Local conta a história  dos povos que formaram Pelotas e  como cada um contribuiu para a tradição doceira CRÉDITO: RAFAEL TAKAKI/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Local conta a história dos povos que formaram Pelotas e como cada um contribuiu para a tradição doceira CRÉDITO: RAFAEL TAKAKI/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Uma recepção especial espera cada visitante que chega à 26ª Fenadoce, que se estende até 17 de junho. Africanos, alemães, portugueses, italianos, franceses: há etnias de todas as partes que ajudaram a consagrar Pelotas como a capital do doce. O espaço Arte do Doce, projetado pelo artista Plástico Madu Lopes, é, pelo segundo ano, a grande atração da Fenadoce. Na última quinta-feira, dia 31 de maio, centenas de pessoas aproveitaram o feriado, passearam pela feira e conferiram o espaço com os artistas que dão as boas-vindas ao público.
Entre o público, o espaço é unanimidade. A pelotense Ana Maria Vasconcellos, de 75 anos, disse estar encantada. “O espaço ficou com a característica da Fenadoce: alegre”, afirmou Ana Maria, que, todos os anos, visita a feira pelo menos três vezes por semana. “Temos que valorizar o que é nosso”, salientou. O passeio pela 26ª Fenadoce, no caso de Dario Neto e Fernanda Muller, é uma comemoração. O casal reside em Porto Alegre e sempre quis conhecer Pelotas. Fernanda contou que resolveu tirar uma semana de férias e fizeram as malas para a cidade como presente de 26 anos de casamento. “Estamos encantados não só com os doces, mas também com os pelotenses”, confidenciaram.
Durante todo o dia, as bilheterias da 26ª Fenadoce estiveram abertas, com isenção do valor do ingresso aos visitantes. A medida foi tomada pela organização da feira, solidária à situação de greve dos caminhoneiros por todo o País. O estacionamento esteve com o valor reduzido de R$ 10,00.
O Espaço Arte do Doce conta a história dos povos que formaram Pelotas e como cada um contribuiu para a tradição doceira. É uma homenagem às etnias que desenvolveram o município. Artístico, o local foi pensado por Madu Lopes para ser um ambiente lúdico e interativo, ambientado na antiga Pelotas: uma cozinha típica para a produção dos doces, uma confeitaria e muita arte e animação. É com esse ambiente que o público chega à feira. O espaço ainda valoriza os artistas da região, já que conta com profissionais locais para a representação das etnias.
Neste ano, quatro novos personagens foram adicionados ao grupo e completam o time: Joaquim e Manuel (portugueses); as doceiras Eugênia (portuguesa) e sua filha Mafalda; Bernadette (francesa); Antonella (italiana) e sua filha Giovanna; Olga (alemã) e sua filha Ema; Nadia, Jana, Dalila, Mestre Zô e Zuri (africanos); o poeta Antônio das Rosas; e a cantora pelotense Dulce.

Fenadoce 2018 é lançada oficialmente em Pelotas

Município: Pelotas

Evento tem como tema Nosso mundo mais doce e vai trabalhar no fortalecimento da tradição doceira do Sul do Estado CRÉDITO: GUSTAVO MANSUR/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Evento tem como tema Nosso mundo mais doce e vai trabalhar no fortalecimento da tradição doceira do Sul do Estado CRÉDITO: GUSTAVO MANSUR/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A prefeitura recebeu, na noite da última quinta-feira, dia 17, convidados para o lançamento oficial da 26ª Feira Nacional do Doce (Fenadoce), que acontece de 30 de maio a 17 de junho. Neste ano, a feira traz o tema Nosso mundo mais doce, que visa resgatar a união entre todos, caracterizando uma das marcas da construção de Pelotas, formada pela união entre vários povos.
A magia da noite ficou por conta da apresentação dos personagens do Espaço Arte do Doce, parte integrante da Fenadoce Cultural, um ambiente encantado que propõe uma viagem pela tradição doceira de Pelotas, combinando pinturas, esculturas, mobiliários e objetos que retratam etnias com suas doces contribuições, interpretados por um elenco composto por atores, bailarinos e músicos. Além dos personagens do ano passado – Joaquim e Manuel (portugueses); as doceiras Eugênia (portuguesa) e sua filha Mafalda; Bernadette (francesa); Antonella (italiana) e sua filha Giovanna; Olga (alemã) e sua filha Ema; Nadia, Jana e Dalila (africanas) -, quatro novos personagens foram apresentados ao público – dois confeiteiros africanos: Mestre Zô e Zuri (Belo); o poeta Antônio das Rosas e a cantora pelotense Dulce.
A prefeita Paula Mascarenhas destacou em sua fala o reconhecimento do conjunto histórico e da tradição doceira pelotense pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como Patrimônio Cultural do Brasil, ocorrido na última semana. “Estou muito emocionada de fazer parte desse momento de um reconhecimento inédito para a cidade, fruto de um trabalho coletivo de muitos anos. Isso realmente tocou meu coração pelotense”, disse.
O Conselheiro da CDL Pelotas, Max Teógenes Michels, destacou a força da Fenadoce em levar o nome da cidade para além das fronteiras e contribuir com a manutenção da tradição doceira da região. Também participaram do evento a Corte 2018, formada pela rainha Sara Carolina Silva Dias e as princesas Júlia Moura de La Rocha e Laura Feijó da Silva. Ao fim, os convidados receberam como lembrança um papel semente e vasinhos para plantar a semente, em alusão à campanha de estímulo às atitudes mais doces.
Entre as áreas e as atrações da Fenadoce 2018 estão a tradicional Cidade do Doce, com cerca de 42 docerias e mais de 200 tipos de doces; o Espaço Arte do Doce, em homenagem a cultura doceira; a Multifeira e Festival de Moda, com tudo em moda e artesanato; Quatro Shows Nacionais; Estância Princesa do Sul, com shows e danças tradicionalistas; Praça de Alimentação com 14 lancherias e quatro restaurantes; Parque de Diversões; Feira de Agricultura Familiar com 62 estandes; Fenadoce Cultural, com 747 apresentações artísticas locais; Festival de Gastronomia e um Ciclo de Negócios.
Os visitantes da feira ainda têm a chance de provar doces que possuem um selo de procedência, que garante a fabricação pelotense e a qualidade dos produtos. Ao todo, são 15 doces tradicionais certificados: pastel de Santa Clara, ninho, bem-casado, olho de sogra, panela de coco, beijinho de coco, quindim, amanteigado, fatia de Braga, camafeu, trouxas de amêndoas, broinha de coco, queijadinha, papo de anjo e doces cristalizados. O processo de certificação se iniciou em 2015 e já abrange 14 docerias.
Saiba mais detalhes
Feira Nacional do Doce –
Fenadoce 2018
Data: de 30 de maio a 17 de junho de 2018
Local: Centro de Eventos
Fenadoce (avenida Presidente Goulart com a BR-116)
Horário: de segunda a quinta-feira, das 14h às 22h; sexta-feira, das 14h às 23h; sábados e feriados, das 10h às 23h; domingos, das 10h às 22h
Ingresso: de segunda a sexta-feira, R$ 10,00; sábados, domingos e feriados, R$ 12,00
Estacionamento: R$ 15,00 por veículo
Valor do doce: R$ 4,00
Site: www.fenadoce.com.br | Facebook: www.facebook.com/fenadoce

Fenadoce deste ano é lançada oficialmente na prefeitura de Pelotas

Município: Pelotas

Cerimônia de lançamento aconteceu na noite da última quinta-feira, dia 18 de maio CRÉDITO: NAURO JÚNIOR/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Cerimônia de lançamento aconteceu na noite da última quinta-feira, dia 18 de maio CRÉDITO: NAURO JÚNIOR/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A Feira Nacional do Doce – Fenadoce 2017, que acontece de 31 de maio a 18 de junho no município, foi oficialmente lançada em cerimônia que aconteceu na noite da última quinta-feira, dia 18 de maio, no saguão da prefeitura de Pelotas. O evento recebeu patrocinadores, apoiadores e imprensa para uma pequena amostra das novidades para a 25ª edição da feira.
Além de agradecer aos patrocinadores e apoiadores por estarem ao lado da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) da cidade em mais um ano, o conselho gestor do órgão, representado na fala da conselheira Vanisse Krause, destacou a importância de levar o lançamento oficial da feira para o prédio da prefeitura. “Escolher esse local tem um sentido especial que remonta nossa história. A prefeitura é onde tudo começou, e esse gesto expressa o compromisso da feira com a valorização do patrimônio histórico e cultural de Pelotas”, ressaltou Vanisse. Ela lembrou que, na atual conjuntura política e econômica, “realizar a Fenadoce é um ato de coragem. A CDL aceitou o desafio de reinventar e de disseminar o potencial de Pelotas, por isso agradecemos a todos que nos ajudam a transformar a feira em realidade”.
A prefeita Paula Mascarenhas salientou a força que o nome da Fenadoce dá ao município. “Essa feira é a nossa vitrine para o Brasil e para o mundo”, afirmou. Honrada pela escolha da organização de lançar o evento na prefeitura, ela falou sobre a expectativa de vivenciar a sua primeira Fenadoce como prefeita. “Quando me perguntam o que espero, sempre digo: vai ser a melhor Fenadoce de todas, porque a melhor é sempre a próxima, graças à capacidade dessa equipe de fazer um evento tradicional parecer sempre novo”, elogiou ela.
Ao fim da cerimônia, os grandes personagens da feira brindaram o público encenando As doceiras e suas histórias. Cada um representando as etnias que constituem a cultura doceira (alemã, portuguesa, africana, italiana e francesa), eles convidaram o público para conhecê-los melhor a partir do dia 31 de maio e, juntos, homenagear as mãos que levam o nome do doce de Pelotas para todos os cantos do mundo. O lançamento foi prestigiado também pelos representantes dos patrocinadores e apoiadores da Fenadoce 2017: Sicredi, Gelei, Banrisul e governo do Estado do Rio Grande do Sul, Caixa Econômica Federal, Deltasul, Net, Claro, Ecosul e Farmácias São João.
A Fenadoce 2017 homenageia as doceiras e a história de Pelotas com o tema Doce, a nossa grande história. Neste ano, a ambientação da feira foi produzida pelo artista plástico Madu Lopes, que criou um mundo mágico para destacar as doceiras de várias etnias que há séculos chegaram ao município e iniciaram a tradição doceira. Em um ambiente lúdico, essa representação da história ganhará forma no espaço Arte do Doce, onde os personagens irão interagir com os visitantes.
Entre as novidades deste ano, estão o aplicativo Formi Go!, a Fenadoce é Show, o Festival de Moda Fenadoce, o espaço Arte do Doce, entre outras, além das atrações já consolidadas, como o espaço Wombo Combo, o Festival de Gastronomia, a Feira de Agricultura Familiar, a promoção Seu Ingresso Vale Mais, a Gincana Cultural Escolar e a Fenadoce Cultural.

 

Expoarroz atraiu grande público entre os dias 9 e 11 de maio em Pelotas

Município: Pelotas

Evento debateu tecnologias, nutrição, produção e fomentar negócios para o setor CRÉDITO: MARCEL STREICHER/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Evento debateu tecnologias, nutrição, produção e fomentar negócios para o setor CRÉDITO: MARCEL STREICHER/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A Expoarroz 2017, ocorrida de 9 a 11 de maio no município, reuniu a cadeia produtiva do arroz para debater tecnologias, nutrição e produção e fomentar negócios para o setor. O volume total de negócios da Expoarroz superou a expectativa inicial, chegando a
R$ 81 milhões, segundo a organização da feira. Durante os três dias, cerca de 14.100 mil pessoas visitaram o Centro de Eventos de Pelotas, onde a feira aconteceu. A Rodada Internacional promovida pela Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) através do projeto Brazilian Rice, registrou US$ 13,4 milhões de negócios projetados para o próximo ano, número recorde que fortalece o setor orizícola de todo o País.
“É um número de negócios que nos surpreende quando colocado dentro da realidade econômica atual”, ressalta Fernando Estima, coordenador da Expoarroz 2017. As negociações foram intensas durante toda a feira e ainda podem aumentar ao longo dos próximos meses. O evento contou com mais de 100 estandes de empresas de todo o País, apresentado máquinas, serviços e demais produtos para a cadeia. Avaliando o evento, Estima demonstrou satisfação em ver que, mesmo em um ano de turbulência econômica e política, o setor orizícola respondeu positivamente e ajudou a consolidar o evento. “Todos envolvidos no setor já colocam a Expoarroz na agenda anual, e essa é a principal crença em um evento como esse: reunir todos os agentes da cadeia em um mesmo local”, declarou. Segundo ele, a feira ainda colaborou para movimentar a cidade, apresentando reflexos positivos na rede hoteleira.
A Rodada Internacional de Negócios Abiarroz e Apex-Brasil, através do Projeto Brazilian Rice, contou com seis compradores internacionais, que também realizaram visitas técnicas nas indústrias de arroz da região, e 19 exportadores, a rodada promoveu 100 reuniões. Segundo o gerente de projeto do Brazilian Rice, a presença dos compradores internacionais leva o produto brasileiro ainda mais longe, já que eles podem comprovar a qualidade e competência das indústrias do País. Já a Sessão de Negócios da Regional Sebrae Sul do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) em Pelotas reuniu seis empresas âncoras e 28 fornecedoras com o foco em Tecnologia de Informação (TI).
A presença de visitantes internacionais chamou atenção durante toda a feira. Para Estima, isso comprova a consolidação da Expoarroz, já que as visitas aconteceram de forma espontânea. “Muitas das empresas que estão aqui enviaram convites aos seus compradores internacionais e eles realmente compareceram porque a feira já entrou também na agenda internacional de grandes empresas”, explica. Para o técnico superior orizícola do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga) em Pelotas Igor Kohls, que acompanhou o estande do instituto, a grande virtude do evento foi contemplar todos os públicos. “Diferente do último ano, percebi que tanto o pequeno produtor quanto o empresário da grande indústria passou por aqui”, observou ele. Kohls também destacou as palestras do fórum. “Neste ano, muitas pessoas participaram, interagiram nas palestras, isso foi muito positivo”, declarou.
Fórum teve a participação de 3,5 mil pessoas
A troca de conhecimentos e debates sobre temas como a tributação do arroz, o sistema hidroportuário do arroz gaúcho, a pós-colheita e a industrialização foram destaques no Fórum Internacional O Arroz na Segurança Alimentar, que reuniu 3,5 mil pessoas no auditório principal da feira. Os painéis e seminários foram promovidos pelas entidades apoiadoras do evento, como o Irga, a Superintendência do Porto do Rio Grande, o Laboratório de Grãos (LabGrãos) da Universidade Federal de Pelotas (Ufpel) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Clima Temperado.
Na Carreta-Auditório da Associação Gaúcha de Supermercados (Agas), foram promovidos lançamentos de livros, softwares e também do Grupo de Armazenagem com Precisão do LabGrãos. O espaço recebeu ainda uma capacitação do Irga às merendeiras da rede municipal de ensino como uma das ações do Provarroz.
A feira tem patrocínio master do Irga e do governo do estado do Rio Grande do Sul. Também são patrocinadores Tecon Rio Grande, Vetorial Net, Ameropa, Sicredi, Delta Plastics e Porto do Rio Grande.

 

Fenadoce ultrapassa 2 milhões de doces vendidos em Pelotas

Município: Pelotas

24ª edição da feira registrou mais de 270 mil visitantes e, além da comercialização de doces, contou com atrações culturais e produtos da agricultura local CRÉDITO: MARCEL STREICHER/DIVULGAÇÃO/CIDADES

24ª edição da feira registrou mais de 270 mil visitantes e, além da comercialização de doces, contou com atrações culturais e produtos da agricultura local CRÉDITO: MARCEL STREICHER/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A 24ª Fenadoce, que se encerrou no último domingo, dia 12 de junho, contabilizou mais de 270 mil visitantes e mais de 2 milhões de doces vendidos. No ano em que a feira celebra seus 30 anos, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Pelotas, organizadora do evento, avalia os números de forma positiva, pois manteve o evento com inovações e, principalmente, com foco na cultura e na gastronomia do município e da região. Além do fluxo de visitantes e doces comercializados, a Fenadoce oportunizou a visita gratuita de 35.200 alunos e professores da rede pública de ensino da região e recebeu mais de 450 excursões, que levaram ao evento mais de 15 mil pessoas.
“Foi uma feira construída com várias mãos no sentido de buscar inovação e estratégias para integrar diversos públicos. Foi assim que reunimos o tradicionalismo na Estância; os jovens no espaço Wombo Combo; os produtores rurais com a Feira da Agricultura Familiar; além de todas as empresas prestadoras de serviço, que têm grande participação nesse processo, e as doceiras, que são razão de ser da Fenadoce. É esse espírito de cooperatividade que entendo ser fundamental para a realização da feira em 2017, que acontece de 31 de maio a 18 de junho”, afirma Adilson Lucas Buroxid, executivo da CDL Pelotas. Para Carlos Umberto Delevati, conselheiro gestor da CDL Pelotas, os objetivos iniciais de manter a feira qualificada e melhorar em relação ao ano anterior foram atingidos. “Mais do que olhar os números, estamos celebrando iniciativas que se solidificaram, como o espaço Wombo Combo, sucesso absoluto com os jovens, e o Festival de Gastronomia, que promoveu a interlocução com vários setores da cidade”, avalia Delevati. Ele ressalta, ainda, que, para 2017, já estão sendo planejadas melhorias no estacionamento e na praça de alimentação, sempre com o intuito de promover ainda mais segurança e conforto para todos.
A presidente da Associação dos Produtores de Doces de Pelotas, Maria Helena Jeske, avaliou as vendas de doces e a edição de forma positiva. “Tudo fluiu muito bem, a organização da feira está de parabéns novamente por conseguir melhorar diversos setores”, exalta Maria Helena, que também cita outro ponto importante: “É um evento que ajuda muitas pessoas e entidades e gera muitos empregos, posso falar por experiência própria”.
Festival valorizou culinária regional
O Festival de Gastronomia da Fenadoce levou chefs renomados para a cidade, divulgou o potencial do polo gastronômico regional e promoveu atividades por toda a cidade. Foram registradas 26 palestras e aulas-show no Fórum Gastronômico; três sessões de filmes com 160 espectadores; 124 cozinheiras participantes do seminário de alimentação escolar; 230 pessoas no Seminário de Gastronomia e Pesquisa; 220 no Seminário de Saúde; além de demais seminários, palestras, oficinas, exposições e do jantar comemorativo aos 30 anos da Fenadoce.
A coordenadora do festival, Jussara Dutra, destaca a valorização que a atividade dá para a gastronomia e os produtores locais, a diversidade de público e o alcance de temáticas importantes, como o reaproveitamento dos alimentos. Jussara já pensa no próximo ano: “O maior desafio é de realmente seguir trabalhando com força a criação de um polo gastronômico regional a partir de Pelotas”.
Turismo e cultura também marcaram o evento
Parceiro da Fenadoce e promotor do turismo interno regional, o Sebrae/RS teve em seu estande um dos destaques deste ano. A decoração ofereceu um fundo temático para os visitantes tirarem fotografias, o que chegou a formar fila. A gestora regional de projetos e turismo do Sebrae/RS, Jussara Argoud, ressalta que o objetivo de despertar no público o desejo de conhecer o Rio Grande do Sul já foi atingido. “O roteiro Morro de Amores, em Morro Redondo, já está dando certo, visto que as pousadas e cafés coloniais estão lotados para as próximas semanas”, conta. O Sebrae/RS, além de apostar no turismo da Costa Doce e região, também foi um colaborador para eventos da feira, como o Festival de Gastronomia, quando levou a chef de cozinha Regina Tchelly para o Disco Xepa.
A cultura também esteve presente na Fenadoce, com 447 apresentações. A Fenadoce Cultural mobilizou todas as vertentes: música, dança, teatro e circo. Desde cantores conhecidos do público, vencedores de prêmios, novatos, ou associações e projetos sociais que quebram barreiras através da cultura, o evento reuniu as diferenças e transformou todos em artistas.
Na Mostra Artística Escolar, um projeto desenvolvido entre as escolas da região, houve 68 apresentações de música e dança. A coordenadora cultural da Fenadoce Adriane Silveira explica que a construção da programação começou em setembro de 2015 e buscou sempre acolher a todos que procurassem a Fenadoce. “Nós tentamos ser democráticos e inclusivos. Todo mundo teve um espaço nos nossos palcos, e creio que tanto os artistas quanto a organização saíram muito felizes com isso”, afirma Adriane.
Feira contou com tradicionalismo, agricultura e espaço pop
Com um novo espaço e a proposta de oferecer um dia da semana para um CTG diferente poder apresentar as suas atividades à comunidade, a Estância Princesa do Sul ganhou autonomia na 24ª Fenadoce. Agora localizada na rua com um espaço próprio, coberto e amplo, a Estância firma o compromisso da Fenadoce com a cultura gaúcha. Para a patroa do CTG Sinuelo do Sul, Vera Lúcia Machado, a iniciativa foi uma demonstração de respeito aos tradicionalistas. “Foi muito bom, principalmente porque agora as prendas têm um local para se arrumarem com privacidade e os CTGs também conseguem se organizar melhor. Espero que, para o próximo ano, permaneça e melhore ainda mais esse novo espaço”, afirma Vera Lúcia.
Outro espaço que recebeu ampliação nesta edição foi a Feira da Agricultura Familiar. Com parceria entre a secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), a Emater e a Embrapa/RS, a feira contou com 30 expositores, sendo sete artesãos, uma floricultura e 22 agroindústrias de alimentos. De acordo com o coordenador regional da SDR, Darci Cunha, todas as expectativas foram superadas, inclusive com relação à qualidade dos produtos, que se manteve em alto nível até o último dia. “Vendemos em apenas três dias o equivalente ao valor que se havia vendido durante toda a Feira da Agricultura em 2015”, explica. A estimativa inicial, segundo ele, era vender cerca de R$ 200 mil, sendo que o número já estava em R$ 300 mil um dia antes de o evento encerrar.
Nesta edição, houve ainda a criação de um espaço próprio para a cultura pop. Foram 19 dias intensos entre fantasias de cosplay, exposição de action figures, gravações de youtubers, campeonatos de videogame, passos de dança no videogame e até mesmo interação com grafiteiros: um espaço de todos e para todos. Segundo o coordenador do Wombo Combo, Renan Martinez, o espaço provou que a feira pode, sim, integrar desde o público jovem até o idoso”. Para ele, “o espaço se sustentou e, com certeza, aumenta a responsabilidade para o próximo ano”.