Programa tem como objetivo levar mais segurança às escolas de Passo Fundo

Município: Passo Fundo

Iniciativa foi apresentada à comunidade na última quinta-feira, na Escola Eloy Pinheiro Machado CRÉDITO: ALEX BORGMANN/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Iniciativa foi apresentada à comunidade na última quinta-feira, na Escola Eloy Pinheiro Machado CRÉDITO: ALEX BORGMANN/DIVULGAÇÃO/CIDADES

O Programa Minha Escola Mais Segura foi apresentado oficialmente pela prefeitura à comunidade na última quinta-feira, na Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Eloy Pinheiro Machado. A iniciativa busca trabalhar a segurança dos alunos e professores e do espaço físico da escola, com impacto direto na comunidade escolar do local. Inicialmente, serão atendidas sete escolas municipais.
Para isso, o programa promove ações práticas para desenvolver o tema em questões como educação para o trânsito, segurança individual e coletiva e conciliação de problemas enfrentados na escola. Além das ações imediatas, também será feita a instalação de câmeras de videomonitoramento a partir de 2019. “O programa que lançamos hoje vem para agregar e, junto das escolas, trabalhar a segurança e preparar os alunos para um mundo mais seguro, de tolerância e compreensão das diferenças, além de uma coisa fundamental: respeito às regras para construir uma sociedade melhor”, afirmou o prefeito, Luciano Azevedo.
As sete escolas municipais de Ensino Fundamental atendidas neste primeiro momento serão Eloy Pinheiro Machado, no bairro Leonardo Ilha; Cohab Secchi (Caic), no bairro Secchi; Jardim América, no bairro Jardim América; Guaracy Barroso Marinho, no bairro Zachia; Irmã Maria Catarina, no bairro Integração; Coronel Sebastião Rocha, no bairro Valinhos; e Georgina Rosado, no bairro Lucas Araújo. No decorrer dos trabalhos, que serão progressivos, gradativamente as demais escolas da rede municipal de ensino serão incluídas.
Para a diretora da escola Eloy Pinheiro Machado, Marinilza de Farias Santos, “o programa é muito importante e vamos fazer de tudo para que ele aconteça da melhor forma aqui em nossa escola. Educação para o trânsito e segurança são temas que precisamos trabalham na comunidade. É pela educação que começamos”.
O Programa Minha Escola Mais Segura será coordenado pelas secretarias municipais de Segurança Pública e de Educação, tendo como coorganizadores as secretarias de Obras, Planejamento e Transportes e Serviços Gerais. Além disso, o desenvolvimento do conteúdo pragmático do programa terá parcerias da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), da Brigada Militar, da Polícia Civil e do Conselho Tutelar.
Segundo o secretário de Segurança Pública João Darci Gonçalves da Rosa, é somente pela educação que será possível alcançar as metas futuras no comportamento social e no trânsito. “Este trabalho reunirá uma série de informações básicas através de palestras e atividades específicas, como a sinalização de áreas escolares, visando proporcionar um espaço mais humano, com qualidade de vida, conforto, acessibilidade e, acima de tudo, segurança”, explicou.
Entre os objetivos específicos, estão implementar um espaço na região da escola que proporcione mais segurança na mobilidade, promover atividades de incentivo à cultura de hábitos seguros, incentivar o tema de mobilidade urbana e segurança no trânsito na transversalidade curricular e aumentar a sensação de segurança pública no ambiente escolar.

Escola Georgina Rosado ganha nova biblioteca em Passo Fundo

Município: Passo Fundo

Espaço ganhou decoração especial, incluindo elementos que remetem à literatura CRÉDITO: FABÍOLA HAUCH/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Espaço ganhou decoração especial, incluindo elementos que remetem à literatura CRÉDITO: FABÍOLA HAUCH/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A leitura e a formação do leitor orientam o trabalho realizado pela equipe da direção e de professores da Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Georgina Rosado. Em função disso, um espaço muito importante está nascendo na escola: a nova biblioteca. Antes, a sala onde eram guardados os livros dividia espaço com a Sala de Recursos. Com adaptações internas, a Sala de Recursos ficou maior para atender os alunos e a biblioteca foi para outro lugar. Com o nome de Biblioteca Monteiro Lobato, a nova morada dos livros ganhou acolhimento com cores, tapetes, almofadas, quadros e painéis feitos pelos próprios alunos, além de elementos que remetem à literatura como bonecos do Visconde de Sabugosa e os óculos do Harry Potter.
Para a diretora da escola, Elizete Flores, a ideia é refletir um ambiente que liga os alunos ao mundo dos livros. “A biblioteca para a Escola Georgina Rosado é um espaço muito importante. Nossos alunos leem muito, são leitores. Isso é reflexo do ensino e do projeto da escola que formam leitores. Procuramos sempre renovar nossos livros, principalmente trazendo livros atuais, além dos clássicos”, explicou. Os livros estão separados por temáticas: fantasia, romance, clássico, infantis. Ao entrar na sala, os alunos também contam com uma prateleira em destaque que semanalmente será atualizada com livros diferentes.
A biblioteca também é um espaço lúdico e que ajuda em práticas leitoras com os alunos dos anos iniciais. “Temos um projeto, que é a Sacola Literária. Os alunos levam livros para casa, leem junto com a família e, depois, em sala de aula incentivamos que eles contem e compartilhem as histórias lidas, façam desenhos. Quando esses alunos estão nos anos finais, a leitura já é um hábito”, destacou Elizete, que ainda lembra que, na Jornada Nacional de Literatura de 2017, os alunos leram 32 livros por meio das práticas propostas.
A prefeitura de Passo Fundo, através da secretaria municipal de Educação, ajudou com parte da pintura e com os mobiliários da nova biblioteca; a outra parte da pintura, as lâmpadas e as cortinas foram feitas com recursos da própria escola. No último dia 9, durante a 43ª edição do Bairro a Bairro, realizado na Escola Georgina Rosado, no bairro Lucas Araújo, o prefeito Luciano Azevedo anunciou o investimento de R$ 600 mil para a reforma total da escola.

Obras da avenida Brasil continuam na 1ª etapa com serviços paralelos em Passo Fundo

Município: Passo Fundo

Ao todo, a obra terá quatro fases e várias etapas em cada uma delas CRÉDITO: HENRIQUE PAZUCH/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Ao todo, a obra terá quatro fases e várias etapas em cada uma delas CRÉDITO: HENRIQUE PAZUCH/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Nos últimos dias, o cronograma de trabalhos da avenida Brasil está sendo adaptado pela equipe. O motivo é a interrupção da produção de cimentos asfálticos de petróleo (CAP), anunciada pela Petrobras, devido a problemas em duas unidades. Até lá, a pavimentação está suspensa e as equipes realizam serviços paralelos como drenagem e intervenções no canteiro central e paradas de ônibus do trecho.
Em nota, foi reiterado que a disponibilidade de asfalto para a Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), que atende o Rio Grande do Sul, deve ser normalizada em breve, com previsão de retomada na segunda-feira, dia 28. Assim que normalizada a situação, a pavimentação volta. No momento, os serviços estão voltados para a retirada do basalto do canteiro central para fazer a ciclovia e o caminhódromo, de acordo com o projeto; drenagem de um trecho na calçada do Stock Center e colocação de pavimento rígido nas paradas de ônibus do trecho, que começa no trevo da BR-285, sentido bairro/centro.
Ao todo, a obra terá quatro fases e várias etapas em cada uma delas. As etapas seguintes são: 2ª etapa – rua dr. Verdi de Césaro até o trevo da BR-285; 3ª etapa – trevo da BR-285 até a rua Dr. Verdi de Césaro; e 4ª etapa – Dr. Verdi de Césaro até a avenida Rui Barbosa. O projeto geral prevê a revitalizada da principal avenida da cidade para recuperar e modernizar a infraestrutura de cerca de 5,5 quilômetros entre o trevo da BR-285 e a rua 20 de Setembro. As obras são realizadas pela empresa Bolognesi Infraestrutura Ltda., vencedora da licitação realizada pela prefeitura.
As obras estão divididas em três projetos: o primeiro abrange pavimentação, ciclovia, drenagem, acessibilidade e sinalização; o segundo compreende ampliação e substituição da rede de esgoto; e o terceiro inclui melhorias na rede de infraestrutura elétrica. O investimento total será de R$ 17 milhões, incluindo recursos da prefeitura, financiamento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e convênio com a Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan).
Na parte de pavimentação serão utilizados quatro métodos diferentes, de acordo com a situação atual do pavimento, diagnosticada nos levantamentos técnicos. Em alguns locais, por exemplo, será necessário substituir todo o pavimento, já em outros, apenas a camada de asfalto. Nos pontos de parada de ônibus, será executado pavimento em concreto para evitar deformações excessivas.
O caminhódromo e a ciclovia terão cerca de dois quilômetros de extensão, do trevo da BR-285 até a rua Rodrigues Alves, no bairro Petrópolis. Já os passeios públicos serão adequados às normas de acessibilidade em todos os trechos. A rede de infraestrutura elétrica e lógica será implementada em toda a extensão da obra e servirá, futuramente, para receber por via subterrânea a iluminação dos canteiros centrais, a rede de fibra ótica para o sistema de videomonitoramento e a rede de lógica para implantação de sistemas de informatização das áreas públicas do município. Por último, a rede de drenagem será modernizada para evitar alagamentos.

Medicina da Universidade de Passo Fundo recebe selo de qualidade do Saeme

Município: Passo Fundo

Acreditação atesta excelência do ensino médico oportunizado pela universidade CRÉDITO: GELSOLI CASAGRANDE/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Acreditação atesta excelência do ensino médico oportunizado pela universidade CRÉDITO: GELSOLI CASAGRANDE/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A cidade se consolidou como um polo de referência na área da saúde a partir da implantação da Faculdade de Medicina da Universidade de Passo Fundo (FM/UPF), em 1970. Desde então, a faculdade possibilitou a formação de profissionais que atuam no Brasil e no exterior, e tem sido reconhecida pela excelência no ensino médico. Em 2018, após um longo período de avaliação, a Faculdade de Medicina da UPF foi acreditada pelo Sistema de Acreditação de Escolas Médicas
(Saeme). Com isso, de um universo de mais de 300 escolas de Medicina no País, a faculdade da UPF se tornou uma das 13 a receber a certificação no Brasil. Se consideradas somente as privadas e comunitárias, há apenas três instituições que recebem essa acreditação, sendo a UPF uma delas.
A acreditação consiste em um selo de qualidade que é concedido pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e pela Associação Brasileira de Educação Médica (Abem). Conforme o diretor da Faculdade de Medicina da UPF, professor Gilberto Borges Bortolini, a adesão ao processo foi voluntária e reforça a intenção da unidade acadêmica em buscar a qualificação constante das metodologias e da formação que proporciona aos futuros médicos. “A avaliação oportuniza comprovar excelência em diferentes aspectos, tanto em requisitos educacionais quanto no que diz respeito ao perfil dos docentes, à qualidade da gestão e à infraestrutura disponível”, aponta ele.
O processo, segundo Bortolini, contou com várias etapas que iniciaram a partir da adesão voluntária e do preenchimento on-line de um questionário. Após essa etapa, a faculdade de Medicina realizou uma autoavaliação, por meio de uma plataforma on-line, para, então, terem início as visitas externas dos avaliadores. “Foi mais de um ano de avaliação até chegarmos ao parecer final”, conta o diretor da unidade, que recebeu duas visitas de avaliadores, os quais conheceram toda a estrutura da faculdade.
O sistema de acreditação utiliza para avaliação os indicadores de qualidade do curso e conceitua com insuficiente e suficiente as diferentes dimensões que compreendem a faculdade, desde a gestão educacional até o programa de ensino, os corpos docente e discente, e o ambiente. Para Bortolini, receber uma acreditação de um sistema como o
Saeme evidencia a qualidade de ensino oferecida, por ser um sistema independente do governo, e, além disso, o relatório final produzido pela avaliação acaba se tornando uma ferramenta de gestão.
Outro ponto fundamental sobre a acreditação, conforme o diretor, é a vantagem em relação à mobilidade internacional. “O Saeme tem seus procedimentos operacionais de acordo com os parâmetros da World Federation for Medical Education (WFME), o que permite que os alunos das escolas acreditadas tenham maior mobilidade para sua formação internacional”, destaca, ressaltando que, a partir de 2023, todos os médicos que se inscreverem para obter certificação do Educational Commission for Foreign Medical Graduates (ECMFG) – que possibilita a certificação para atuação internacional – deverão ser egressos de escolas acreditadas por esse sistema.

Alunos do Quiosque da Leitura fazem apresentação de fim de ano em Passo Fundo

Município: Passo Fundo

Na ocasião, cerca de 200 crianças que participaram das oficinas em 2017 subiram ao palco CRÉDITO: GLENDA VÍVIAN/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Na ocasião, cerca de 200 crianças que participaram das oficinas em 2017 subiram ao palco CRÉDITO: GLENDA VÍVIAN/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Com um auditório lotado, os alunos do Quiosque de Leitura Roberto Pirovano Zanatta fizeram, na noite de 13 de dezembro, a apresentação de encerramento das atividades do ano. As cerca de 200 crianças que participaram das oficinas oferecidas pelo Quiosque durante o ano de 2017 subiram ao palco do auditório do Colégio Notre Dame para apresentar o espetáculo Brasil, letras e músicas – A formação identitária do Brasil através de literatura e da música.
As apresentações foram o resultado do aprendizado durante as oficinas de teatro, violão, produção textual, canto coral e iniciação musical. A oferta dessas modalidades, e mais o xadrez, fazem parte do projeto Sábado é dia de oficina no quiosque, realizado em parceria com prefeitura, através do Núcleo do Livro da secretaria de Educação. Com o projeto, todos os sábados, manhã e tarde, são oferecidas aulas gratuitas para crianças de todas as idades.
Esta parceria entre a prefeitura, através da secretaria de Educação, e Instituto Roberto Zanatta, responsável pelo Quiosque, é muito importante para oferecer outras ferramentas de ensino para o público infantil de Passo Fundo, segundo o secretário de Educação, Edemilson Brandão. “Este é um projeto que começou tímido, com poucas crianças, e hoje está com dificuldades para atender a toda a procura. Com o passar dos anos, tomou uma dimensão muito grande, graças ao empenho de toda a equipe ligada ao Quiosque e à parceria do Instituto Roberto Zanatta”, destaca.
Raquel Pirovano, diretora do instituto, lembra que se trata de uma entidade sem fins lucrativos e que oferece oportunidades para as crianças. “Através dessa parceria com a Secretaria de Educação, conseguimos atender, neste ano, 205 crianças, das mais variadas realidades e regiões da cidade”, comenta. Raquel ressaltou, ainda, que a apresentação de encerramento foi uma forma de mostrar o que é trabalhado durante as oficinas.
O investimento no futuro das crianças representa o que há de primordial em uma sociedade, segundo o vice-prefeito, João Pedro Nunes. Para ele, o projeto desenvolvido entre a prefeitura e o instituto é o que essa nova geração precisa: outras formas de aprender. “Eu me sinto orgulhoso e feliz de ser vice-prefeito de uma cidade que se preocupa tanto com as pessoas, onde existem pessoas que se preocupam com os outros”, ressalta.
Proporcionar atividades para crianças e adolescentes, tendo como pano de fundo a leitura, é o principal objetivo das oficinas oferecidas pelo Quiosque de Leitura Roberto Pirovano Zanatta. Com parceria da prefeitura, neste ano, o projeto ofereceu turmas de teatro, xadrez, iniciação musical – com canto coral e violão, produção textual e inglês musical.