Alunos do Quiosque da Leitura fazem apresentação de fim de ano em Passo Fundo

Município: Passo Fundo

Na ocasião, cerca de 200 crianças que participaram das oficinas em 2017 subiram ao palco CRÉDITO: GLENDA VÍVIAN/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Na ocasião, cerca de 200 crianças que participaram das oficinas em 2017 subiram ao palco CRÉDITO: GLENDA VÍVIAN/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Com um auditório lotado, os alunos do Quiosque de Leitura Roberto Pirovano Zanatta fizeram, na noite de 13 de dezembro, a apresentação de encerramento das atividades do ano. As cerca de 200 crianças que participaram das oficinas oferecidas pelo Quiosque durante o ano de 2017 subiram ao palco do auditório do Colégio Notre Dame para apresentar o espetáculo Brasil, letras e músicas – A formação identitária do Brasil através de literatura e da música.
As apresentações foram o resultado do aprendizado durante as oficinas de teatro, violão, produção textual, canto coral e iniciação musical. A oferta dessas modalidades, e mais o xadrez, fazem parte do projeto Sábado é dia de oficina no quiosque, realizado em parceria com prefeitura, através do Núcleo do Livro da secretaria de Educação. Com o projeto, todos os sábados, manhã e tarde, são oferecidas aulas gratuitas para crianças de todas as idades.
Esta parceria entre a prefeitura, através da secretaria de Educação, e Instituto Roberto Zanatta, responsável pelo Quiosque, é muito importante para oferecer outras ferramentas de ensino para o público infantil de Passo Fundo, segundo o secretário de Educação, Edemilson Brandão. “Este é um projeto que começou tímido, com poucas crianças, e hoje está com dificuldades para atender a toda a procura. Com o passar dos anos, tomou uma dimensão muito grande, graças ao empenho de toda a equipe ligada ao Quiosque e à parceria do Instituto Roberto Zanatta”, destaca.
Raquel Pirovano, diretora do instituto, lembra que se trata de uma entidade sem fins lucrativos e que oferece oportunidades para as crianças. “Através dessa parceria com a Secretaria de Educação, conseguimos atender, neste ano, 205 crianças, das mais variadas realidades e regiões da cidade”, comenta. Raquel ressaltou, ainda, que a apresentação de encerramento foi uma forma de mostrar o que é trabalhado durante as oficinas.
O investimento no futuro das crianças representa o que há de primordial em uma sociedade, segundo o vice-prefeito, João Pedro Nunes. Para ele, o projeto desenvolvido entre a prefeitura e o instituto é o que essa nova geração precisa: outras formas de aprender. “Eu me sinto orgulhoso e feliz de ser vice-prefeito de uma cidade que se preocupa tanto com as pessoas, onde existem pessoas que se preocupam com os outros”, ressalta.
Proporcionar atividades para crianças e adolescentes, tendo como pano de fundo a leitura, é o principal objetivo das oficinas oferecidas pelo Quiosque de Leitura Roberto Pirovano Zanatta. Com parceria da prefeitura, neste ano, o projeto ofereceu turmas de teatro, xadrez, iniciação musical – com canto coral e violão, produção textual e inglês musical.

Projeto de visitação ao Espaço Cultural em Passo Fundo recebeu 900 alunos

Município: Passo Fundo

Atividade tem o acompanhamento de professores e guias das secretarias de Cultura e de Educação CRÉDITO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PASSO FUNDO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Atividade tem o acompanhamento de professores e guias das secretarias de Cultura e de Educação CRÉDITO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PASSO FUNDO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Uma ação que busca incentivar o conhecimento de um dos locais onde está grande parte da história do município Assim é o Projeto Visitação ao Espaço Cultural Roseli Doleski Pretto, que, neste ano, reuniu mais de 900 alunos de 32 escolas. A iniciativa começou após as revitalizações que mudaram completamente o complexo que, além de guardar a memória da história da cidade, é um patrimônio cultural. A visita é realizada com o acompanhamento dos professores e também por guias integrantes das secretarias de Cultura e de Educação, que revelam a história de cada prédio histórico e sua importância para a cidade.
“Para termos uma ideia, no mês de março, quando abrimos o sistema para realizar a agenda das visitas, ficamos totalmente preenchidos já na segunda semana, gerando uma fila de espera. Além disso, é evidente a aceitação do roteiro por parte dos alunos e professores, pois a visitação possibilita abordar temas de forma interdisciplinar pelos alunos, enriquecendo o trabalho do professor nas suas escolas de origem”, disse a coordenadora do Núcleo do Livro, Leitura e Literatura do município, que organiza as atividades da Biblioteca Municipal, Suzana Einloft.
Criado a partir da Lei nº 4.097, de 24/12/2003, em homenagem à artista plástica Roseli Doleski Pretto (in memoriam), o Espaço Cultural Roseli Doleski Pretto compreende as instalações do Teatro Municipal Múcio de Castro, Museu de Artes Visuais Ruth Schneider (Mavrs) e Museu Histórico Regional (MHR), Biblioteca Pública Municipal Arno Viuniski, Academia Passo-Fundense de Letras e Instituto Histórico de Passo Fundo (IHPF).
Roseli Doleski Pretto, com formação em Desenho e especialização em Arte, Teorias e Métodos pelo Instituto de Artes da Universidade de Passo Fundo (UPF), foi desenhista, pintora, gravadora, e atuou como professora da Faculdade de Artes e Comunicação da UPF até o ano de 2002. Seu trabalho e legado está vinculado à Coordenação da Jornada Nacional de Literatura desde sua primeira edição. Seu principal envolvimento foi nas atividades paralelas, integrando a literatura às demais expressões da arte. Suas marcas sempre foram o seu entusiasmo e sensibilidade, que a moveram em todos os momentos de preparação das jornadas, criando cartazes de divulgação, cenários de fundo de palco, angariando recursos para a realização do encontro literário. Roseli idealizou e coordenou o Museu de Artes Visuais Ruth Schneider e o Museu Histórico Regional de Passo Fundo de 1996 a 2002, quando faleceu. No ano de 2003, foi homenageada com o Espaço Cultural Roseli Doleski Pretto, por sua atuação na área cultural da cidade.

Produtores participam de Dia de Campo sobre Hortaliças em Passo Fundo

Município: Passo Fundo

Atividade foi realizada na propriedade de Vilson Terres e Vanderlei Cézar Lea CRÉDITO: VANESSA ALMEIDA DE MORAES/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Atividade foi realizada na propriedade de Vilson Terres e Vanderlei Cézar Lea CRÉDITO: VANESSA ALMEIDA DE MORAES/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Mais de 650 produtores de 65 municípios estiveram em Passo Fundo na última quinta-feira, dia 30 de novembro, na localidade de Bela Vista, participando do Dia de Campo sobre Hortaliças, realizado pelo terceiro ano consecutivo, na propriedade de Vilson Terres e Vanderlei Cézar Leal. O evento contou com seis estações técnicas, estandes de empresas parceiras e produtos da agricultura familiar. O Dia de Campo sobre Hortaliças foi promovido pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), pela prefeitura – por meio da Secretaria municipal do Interior -, pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Cresol e Sicredi, com apoio de diversas empresas e entidades.
Os agricultores participantes puderam conferir nas estações técnicas diversas informações, tecnologias e novidades ligadas à produção de hortaliças. A Bayer apresentou o Programa Integrado de Manehjo Bayer HFF com foco em produto biológico. O Instituto Federal do Rio Grande do Sul mostrou, por meio dos canteiros, tecnologia de aplicação em hortaliça. A AgroLife falou sobre tecnologia vegetal. Os representantes da Isla trouxeram uma gama de diferentes hortaliças, entre pepinos, tomates, abóboras e beterraba. A Hortipasso apresentou em sua estação sistemas hidropônicos e semihidropônicos para morango e tomates. Já os engenheiros agrônomos da Emater Rodrigo Batistella e Virgínia Crestani Viero mostraram o cultivo do morango em ambiente protegido.
De acordo com o gerente regional da Emater, Oriberto Adami, o contexto da produção de hortaliças na região está dento do planejamento da instituição. “Foi um evento que começou com o foco de atender uma demanda municipal e, hoje, tornou-se difusão de conhecimento para todo o Estado”, avaliou. O secretário municipal do Interior, Antônio Bortolotti, que representou o prefeito Luciano Azevedo, destacou a importância do evento como local de transmissão de conhecimento e ressaltou a importância do agricultor como produtor de alimentos.
Para o engenheiro agrônomo da Emater de Passo Fundo e um dos idealizadores do Dia de Campo, Alessandro Davesac, o resultado tem sido melhor a cada edição. “Tivemos um excelente evento, promovido a muitas mãos, contamos com a participação do público e das empresas parceiras que acreditaram na importância do Dia de Campo”, avaliou. Ele destaca que, em Passo Fundo, de 5% a 8% do que se consome é produzido na cidade. Portanto, segundo ele, o mercado é promissor. Conforme o agricultor de São João da Urtigam Joel Moterle, que há cerca de 10 anos está na atividade, o evento foi muito bom. “A gente é carente de informação. Nada melhor do que ver a atividades e as experiências na prática para conseguir melhorar na nossa propriedade”, disse.

Programa oportuniza ingresso de alunos no Ensino Superior em Passo Fundo

Município: Passo Fundo

Neste ano, a procura pelo Tô Dentro registrou mais de 300 inscrições para as 200 vagas disponíveis CRÉDITO: JOÃO HENRIQUE PAZUCH/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Neste ano, a procura pelo Tô Dentro registrou mais de 300 inscrições para as 200 vagas disponíveis CRÉDITO: JOÃO HENRIQUE PAZUCH/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Escolher uma profissão não é tarefa fácil para muitos adolescentes que pensam em seguir os estudos, assim como conseguir uma boa nota no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e a aprovação em vestibulares quando a escolha do curso é decidida. Os motivos podem ser diversos, mas o principal ainda é a falta de oportunidade em conseguir uma boa preparação. Pensando nisso, a prefeitura oferece, desde 2013, o Programa Tô Dentro, um curso preparatório gratuito para quem busca abrir as portas do Ensino Superior.
Apenas neste ano, a procura pelo programa registrou mais de 300 inscrições para as 200 vagas disponíveis. Após um ano de muito estudo, revisão de conteúdos para as provas e orientação dos professores para dar segurança aos alunos, muitos já comemoram a aprovação. Com ingresso garantido para os cursos de Artes Visuais e de Moda, Leonardo de Faria Chaves, de 21 anos, conta o que o Tô Dentro representa em sua vida. “O Programa Tô Dentro foi um grande idealizador dos meus estudos, porque antes eu não tinha uma metodologia de como proceder para começar a estudar. Então foi um norteador, que acarretou na minha aprovação nos cursos de Moda e de Artes Visuais. O curso possibilitou esclarecimento de inúmeras formas, seja das áreas de conhecimento de domínio ou não. Sem a disponibilidade do curso pela prefeitura, talvez eu não tivesse a aprovação na universidade”, ressalta Chaves.
Acompanhando as turmas desde o início, a coordenadora da Universidade Popular, Márcia Leida, afirma que é gratificante a conquista dos alunos. “A maioria dos nossos alunos não teria condições financeiras de fazer um curso preparatório. A receptividade nas aulas são ótimas, e a relação com os professores é de confiança. Ficamos felizes com os resultados e por poder ajudar estes estudantes a conquistar um lugar no Ensino Superior”, destaca. Caloura de Fisioterapia, Letícia de Moraes Pereira, de 16 anos, fala da importância de oportunidades. “É um curso muito importante e que deveria sempre existir, pois ajuda os adolescentes que não têm condições. Ajuda muito mesmo! Foi o curso que me deu mais coragem para fazer as provas. No início, eu sentia que não estava preparada nem para fazer o Enem”, comenta.
Aprovada nos cursos de Medicina Veterinária e de Direito, Natali Gross da Silva, de 17 anos, está feliz com o resultado. “Foi uma experiência grande e importante em minha vida. Valeu a pena! Os professores foram excelentes e queridos. Aqui, aprendi um conhecimento que não tive muito na escola. Estou muito realizada!”, finaliza. O Programa Tô Dentro é uma iniciativa da prefeitura. É desenvolvido pela secretaria de Educação, através do Núcleo de Educação de Jovens e Adultos da Coordenadoria da Universidade Popular. O objetivo é preparar gratuitamente os alunos que desejam obter aprovação na prova do Enem e ter acesso ao Ensino Superior de forma gratuita, total ou parcial.

Escola de Hackers forma novos alunos em programação em Passo Fundo

Município: Passo Fundo

Formatura foi realizada no auditório do Iceg da UPF e contou com cerca de 100 alunos CRÉDITO: JOÃO HENRIQUE PAZUCH/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Formatura foi realizada no auditório do Iceg da UPF e contou com cerca de 100 alunos CRÉDITO: JOÃO HENRIQUE PAZUCH/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Desde de 2014, o município desenvolve o Programa Escola de Hackers, que surgiu como uma iniciativa inédita no Brasil de ensino de programação de computadores e robótica para estudantes das escolas municipais. Na última quarta-feira, dia 22, aproximadamente 100 alunos se formaram pela iniciativa, que tem o objetivo de formar hackers, ou seja, pessoas que desenvolvem habilidades e técnicas em qualquer área, sendo movidas pela criatividade para melhorar o mundo com sua atuação.
A formatura foi realizada no auditório do Instituto de Ciências Exatas e Geociências (Iceg) da Universidade de Passo Fundo (UPF), onde alunos de cada uma das quatro frentes do programa receberam a entrega de certificados e medalhas. O projeto, que nasceu com a Escola de Hackers para alunos do Ensino Fundamental (do 6º ao 9º ano), apresenta dois desdobramentos: o Berçário de Hackers, voltados para crianças da Educação Infantil (de cinco e seis anos), a fim de trabalhar com noções básicas de lógica de programação; e a Escola de Hackers Avançada, criada para os participantes que obtiveram destaque na Escola de Hackers, com foco em desenvolver habilidades na área de robótica. Desde o início do ano, também se iniciou a Academia White Hat, voltada para a terceira idade.
A white hat Iara Marília Canabarro Teixeira, de 73 anos, comentou sobre sua experiência. “Para mim, foi maravilhoso. É uma experiência diferente. Acostumamos a só ler e-mail e
Facebook, com o programa aprendemos a fazer alguma coisa a mais. Eu amei criar quadros e desenhos, além do trabalho de raciocínio desenvolvido. Ultimamente, não prestamos mais tanta atenção nas coisas, então foi bom prestar mais atenção e desenvolver a memória. Consegui fazer um cartão de Natal lindo e colorido, coisas que nunca tinha feito nesses 73 anos. É uma maravilha!”, ressaltou.
Entre todas as escolas participantes, a Escola Padre José de Anchieta ganhou o troféu de destaque pelo desempenho e diversos requisitos avaliados. Já a distinção de melhor hacker foi para o aluno da Escola de Hackers Avançada, Flávio Daniel Barancelli Montemezzo, de 11 anos. “Foi muito bom! Na Escola de Hackers Avançada aprendemos a programar, então a parte que eu mais gostei foi a de criar nosso próprio jogo”, observou. O Programa tem a intenção de oportunizar um espaço para o desenvolvimento de competências na área de programação de computadores e de raciocínio lógico-matemático para estudantes de escolas municipais. Entre seus objetivos, busca criar alternativas de utilização para os laboratórios de informática das escolas públicas, proporcionar atividades que visam ao desenvolvimento de processos criativos, sistemáticos e colaborativos de aprendizagem e, por fim, fomentar o interesse em torno das áreas de informática e matemática.
A coordenação é realizada pelo servidor do Núcleo de Tecnologia da secretaria de Educação, João Martins, sendo ligada à Coordenadoria de Inovações Educacionais da pasta. Para ele, o projeto vem em um processo de evolução. “A prefeitura está presente com todo o apoio. Em todas as modalidades, a avaliação é positiva; a comunidade vem aceitando esse projeto e estamos muito felizes.” O secretário de Educação, Edemilson Brandão, lembra que “a Escola de Hackers é referência educacional no Rio Grande do Sul. Formamos pessoas não para serem usuárias, mas protagonistas no uso da tecnologia”, disse.
Para o idealizador da Escola de Hackers, o professor doutor Adriano Canabarro Teixeira, a linguagem do século XXI é a programação de computadores. “A expressão máxima de inclusão digital é você programar computadores, e não ser programado por eles. Este programa vem desde 2014 e tem formado pessoas para pensar computacionalmente e programar computadores. Agradecemos muito a prefeitura por viabilizar as pessoas que fazem de fato o programa acontecer junto com UPF”, afirmou.
Participaram da Escola de Hackers, nas quatro modalidades, a Escola de Educação Infantil Cantinho Feliz e as escolas de Ensino Fundamental Arlindo Luiz Osório, Benoni Rosado, Cohab Sechi, Dom José Gomes, Frederico Ferri, Leão Nunes de Castro, Padre José Anchieta, Santo Agostinho, Senador Pasqualini e Urbano Ribas. Ainda. A terceira idade também marcou presença. A Escola de Hackers é um programa de governo da prefeitura em parceria com a UPF. A ideia surgiu no Grupo de Estudo e Pesquisa em Cultura Digital na Educação da UPF, projeto que migrou para o município.