Proamb entrega Unidade de Energia pioneira no Estado em Nova Santa Rita

Município: Nova Santa Rita

Solenidade, ocorrida no dia 4 de julho, reuniu autoridades políticas, lideranças empresariais e profissionais ligados ao segmento CRÉDITO: EXATA COMUNICAÇÃO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Solenidade, ocorrida no dia 4 de julho, reuniu autoridades políticas, lideranças empresariais e profissionais ligados ao segmento CRÉDITO: EXATA COMUNICAÇÃO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A Fundação Proamb firmou mais um importante passo na consolidação do conceito de gestão ambiental como oportunidade de negócio ao apresentar o projeto de ampliação e modernização de sua Unidade de Energia, que opera na cidade de Nova Santa Rita. Planta-modelo e pioneira no Estado, é referência na valorização energética de resíduos sólidos industriais – ou seja, no processo de fabricar combustível derivado de resíduo.
A obra foi oficialmente entregue no dia 4 de julho, em solenidade reunindo autoridades políticas, lideranças empresariais e profissionais ligados ao segmento. Mais de 60 convidados prestigiaram o ato – reconhecido com um marco no que tange ao fomento da sustentabilidade dos processos produtivos e industriais. “Nosso grande objetivo é transformar o Rio Grande do Sul em um polo indutor de gestão ambiental. É com esse propósito que a Proamb tem trabalhado ao longo de seus 25 anos; e, movidos por esse ideal, estamos entregando essa obra, uma inovação tecnológica agora à disposição de todas as empresas gaúchas, fruto da soma dos esforços de diversos parceiros igualmente responsáveis por transformar esse sonho em realidade”, disse o presidente da fundação, Neri Gilberto Basso.
O projeto de modernização e ampliação da planta de coprocessamento da Unidade de Energia começou a ser desenhado em 2015 e teve um marco importante em 2016, quando houve a compra dos equipamentos junto à empresa austríaca Lindner-Recyclingtech GmbH, referência em tecnologia para trituração. O negócio teve o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), fundamental para realização do empreendimento – entregue cerca de seis meses antes do tempo previsto. “A Proamb está de parabéns pela eficiência. A fundação é o melhor exemplo que conheço de instituição que tenha conseguido tratar o tema da sustentabilidade como negócio, rompendo positivamente paradigmas em gestão ambiental”, disse o diretor do BRDE, Luiz Noronha.
Parte desse reconhecimento veio do compromisso da entidade em captar aliados dispostos a vencer o desafio de solucionar a problemática da destinação dos resíduos no dia a dia das empresas. Em 2010, a portaria 016 da Fundação Estadual de Proteção Ambiental  (Fepam) proibiu que materiais inflamáveis fossem dispostos em aterro – normatização rapidamente identificada como oportunidade de negócio. “Então a Proamb transformou um problema em solução. Com a Unidade de Energia de Nova Santa Rita, os resíduos industriais que poluem, quando indevidamente conduzidos, passam a virar matéria-prima, ou seja, fonte de energia para indústria cimenteira. Isso diminui significativamente o consumo de bens não renováveis, além de movimentar toda uma cadeia de emprego e renda. É um orgulho fazer parte desse projeto”, avaliou o diretor de Coprocessamento da Intercement, Francisco Leme. A cimenteira foi uma das mentoras do projeto.
A apresentação da planta de coprocessamento é expoente, também, porque sinaliza o êxito das parceiras em prol de objetivos comuns – nesse caso, uma aliança entre o terceiro setor, a iniciativa privada e os poderes públicos. “A grandiosidade desse projeto traduz a relevância da Proamb, que deve servir de exemplo para outras entidades”, disse o procurador de Fundações do Ministério Público, Keller Dornelles Clós.
Com o mesmo sentimento de orgulho por esse importante avanço consolidado na questão ambiental para o polo industrial gaúcho, a presidente da Fepam e secretária de Estado do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Ana Maria Pellini, representando o governador José Ivo Sartori na solenidade, destacou positivamente a civilidade de uma sociedade que conta com fundações tão bem estruturadas e comprometida com o avanço social. “A administração estadual entende muito corretamente a importância da questão ambiental para o desenvolvimento do Rio Grande do Sul, motivo pelo qual tem investindo na transparência de todos os processos e licenciamentos correlacionados, incentivando justamente projetos que mostrem como o meio ambiente e os negócios podem andar lado a lado. Contamos com a Proamb para assumir novos desafios no futuro próximo”, disse.
Saiba mais sobre a operação da unidade
A Unidade de Energia da Proamb, em Nova Santa Rita, é reconhecida como modelo na área de aproveitamento energético de resíduos. Isso porque opera com um sistema inovador para produção de Combustível Derivado de Resíduos (CDR) de alto rendimento, destinado ao mercado de grandes consumidores de energia. Os resíduos que podem ser coprocessados vão ao encontro da Portaria 016 da Fepam: borras de tinta e solvente, plásticos, madeiras, têxteis, serragem contaminados com óleos lubrificantes, solventes ou combustíveis. Em vez de serem depositados no meio ambiente, gerando passivos ambientais, eles são caracterizados e avaliados quanto a suas propriedades físico-químicas para atestar sua possibilidade de serem coprocessados. Após essa avaliação, inicia-se o processo industrial. O primeiro deles é a trituração. Depois, os metais são separados por um processo de extração magnética. O próximo passo é a separação pneumática, que tira qualquer impureza residual. Por fim, o material é novamente triturado e está pronto para a destinação.
Todo esse processo complexo é executado por um aparato tecnológico com capacidade produtiva de 4.000 toneladas/mês. Esse sistema está alocado em uma área de mais de 4,3 mil metros quadrados construídos, incluindo três pavilhões industriais que atendem às mais rigorosas normas de segurança em sua instalação. “São diversos os benefícios que a Unidade de Energia gera. A recuperação energética dos resíduos corta a necessidade de destiná-los em um aterro industrial, eliminando esse passivo. Além disso, a mistura que resulta desse processo é um combustível com elevado poder calorífico, que diminui em até 30% o consumo de fontes de energia não renováveis por meio da substituição térmica. Tudo isso significa menor impacto ambiental, ganhos produtivos, financeiros e muito mais eficiência na gestão ambiental”, explicou o diretor de operações da Proamb, Gustavo Fiorese, durante visita técnica ministrada aos convidados. Os interessados em conhecer mais sobre a Unidade de Energia podem contatar a Fundação Proamb pelo telefone (0xx54) 3055-8700.

 

Produção de arroz orgânico deve passar de 120 mil sacas em Nova Santa Rita

Município: Nova Santa Rita

Além do arroz livre de venenos, no assentamento Santa Rita de Cássia também se produz a semente para o cultivo da modalidade CRÉDITO: PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA SANTA RITA/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A produção de arroz orgânico em Nova Santa Rita deverá bater recorde nesta colheita. A informação é do técnico agrícola Cleomar Pietroski, que também atua junto aos produtores locais no acompanhamento do plantio. “Nossa expectativa era de repetir a safra anterior, com produção de 120 mil sacas, mas, em um assentamentos, já estamos colhendo acima do que projetamos”, disse. Pietroski refere-se à plantação no assentamento Santa Rita de Cássia, um dos três responsáveis pela produção de arroz orgânico no município. Somente nesta região, a perspectiva era de que fossem colhidos 100 sacas por hectare, dentro dos 450 hectares cultivados por 60 famílias. Com 15% da lavoura colhida, a média verificada chega a 130 sacas por hectare.
Além do Santa Rita de Cássia, os assentamentos Capela e Itapuí completam a produção da modalidade no município. Ao todo são 1.200 hectares de arroz orgânico cultivados nestes locais. O arroz orgânico é produzido sem a adição de agrotóxicos. “Trabalhamos com o manejo do solo e fazemos o controle de ervas daninhas com lâmina de água”, explica Pietroski. Todos os insumos utilizados possuem certificação de terem origem ecológica. Grande parte da venda é feita para órgãos governamentais, que a utilizam em merendas escolares, cestas básicas, entre outros projetos.
Além do arroz, livre de venenos, no assentamento Santa Rita de Cássia também se produz a semente para o cultivo da modalidade. O produtor Adão Krupinski planta a semente em 8 hectares e afirma que, ao todo, são cerca de 50 hectares plantando as sementes na região. “É uma semente produzida sem agrotóxicos, livre de venenos”, fala, na expectativa de colher também mais de 100 sacas por hectare nesta safra.
O cultivo da semente obedece à normas rígidas de controle. “Só pode ser feita após uma área ser certificada como limpa de resquícios de agrotóxicos. Por exemplo, se fosse iniciar hoje a plantação de sementes orgânicas em uma região onde houve o cultivo normal, teria que esperar pelo menos cinco anos, deixando a terra ficar limpa, para então cultivar as sementes”, explicou o agricultor. As sementes depois de colhidas, são distribuídas a partir de um centro localizado em Eldorado do Sul.
Na produção de arroz orgânico, o controle de pragas e plantas invasoras se dá pelo manejo da água, controlando invasores com afogamento ou retirada total da lâmina de água do arroz por períodos pequenos no inicio da produção do arroz. A ausência completa de venenos, adubos e ureia são características do arroz orgânico. O controle das etapas produtivas são regidas por normas nacionais e internacionais acompanhadas e certificadas por empresas credenciadas no Ministério da Agricultura.

Parceria disponibiliza internet gratuita para a região central de Nova Santa Rita

Município: Nova Santa Rita

Dez máquinas estão disponíveis para a população no núcleo de acesso digital da Biblioteca Pública Municipal CRÉDITO: PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA SANTA RITA/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A cidade está disponibilizando rede de internet gratuita na região central. Uma parceria com o governo do Estado via Procergs e prefeitura municipal garantiu a instalação de um polo do Projeto Verão Numa Boa Mais Digital no município. A rede wi-fi possui entre 3 e 4 Mb de potência e, com a parceria, os computadores do núcleo de acesso digital da Biblioteca Pública Municipal foram restaurados. São dez máquinas à disposição da população. Quem preferir acessar a rede de equipamento próprio, tem que fazer um cadastro junto à biblioteca e recebe a senha de acesso. A antena de transmissão da rede está localizada junto ao ginásio da Igreja Matriz Santa Rita. A parceria com a igreja foi oficializada com a doação de dois computadores para a casa paroquial.

O sistema de internet gratuita funciona 24 horas, sete dias por semana, num raio de 500 metros a partir do ponto de transmissão. Todo o equipamento do sinal será doado pelo Estado. No espaço também estará disponível um toten do Detran/RS, onde se pode verificar gratuitamente informações sobre veículos, infrações e habilitação. A biblioteca está localizada na rua Helio Fraga, 207, e funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. A instalação da rede foi realizada pelo Gabinete de Gestão Integrada Municipal, com a coordenação do secretário Alberto Rocha. No ato de lançamento estiveram presentes a prefeita Margarete Simon Ferretti, o presidente da Procergs, Cláudio Dutra, o assessor adjunto de Inclusão Digital do governo do Estado, Girson Barrey, e o vereador Guilherme Mota, representando a câmara municipal.

Prefeitura contrata empresa para atualizar sistema de cadastro imobiliário

Município: Nova Santa Rita

A prefeitura contratou a empresa Dueto Tecnologia para elaboração dos sistemas de georeferenciamento e atualização do cadastro imobiliário para elaboração da nova planta genérica de valores do município. O contrato, oficializado recentemente, prevê um custo de R$ 527 mil. Na ocasião, a prefeita Margarete Simon Ferretti, e o secretário da Fazenda, Luiz Fernando Heylmann, dialogaram com representantes da empresa as bases de atuação para a atualização cadastral de áreas, imóveis e habitantes da cidade.
O sistema já implantado em outros municípios gaúchos proporciona uma visão global da cidade e inclui desde a captação de imagem via satélite, cartografia, todo o trabalho de campo, digitalização de imagens até o cruzamento de dados com os setores cadastrados. Segundo Heylmann, a decisão sobre a contratação desse serviço oferecerá aos servidores municipais ferramentas que possibilitem a integração da informação. “O cadastro imobiliário multifinalitário possibilitará que mais segmentos da administração pública de Nova Santa Rita usem as informações colhidas nesse processo”, reforçou. Além disso, está sendo necessária a atualização da planta genérica de valores do IPTU que teve a sua última atualização em 2003.
Conforme o secretário da Fazenda, o ministério público de Contas apontou o município no relatório do ano de 2010 de que o valor venal para a cobrança do IPTU está defasado a tal monta que chega a ser de apenas 16% em relação ao cobrado no ITBI. Heylmann ainda destacou que esse recadastramento e todo o investimento a ser aplicado nessa contratação visa a justiça tributária, pois com as atualizações constantes é possível rever constantemente a realidade dos imóveis, fazendo com quem tem um imóvel de melhor padrão pague mais e quem tem um imóvel de menor padrão, pague menos.
A prefeita Margarete afirmou que “com essa contratação vamos dialogar muito com nossa comunidade e com a Câmara de Vereadores e que o objetivo de nossa administração é construir uma cidade melhor e com investimentos para toda a população”. O diretor da empresa Dueto Tecnologia Ltda, Rafael Sebben, essa contratação vai possibilitar a ter instrumentos de grande potencial tecnológico e atualizado ao momento em que vivemos e Nova Santa Rita vai ao encontro das recomendações do TCE gaúcho de que os municípios devem também buscar na receita própria os recursos que tanto necessitam para investir na comunidade.

Defesa Civil apresenta plano de prevenção a desastres

Município: Nova Santa Rita

Em recente reunião, a coordenadoria de Defesa Civil da cidade apresentou um plano de prevenção a desastres que está sendo elaborado pelo órgão. Na ocasião, o coordenador do cadastro imobiliário da prefeitura, Jorge Luís Stelzin, expôs o mapeamento das zonas de risco e os tipos de loteamento existentes na cidade. O empresário, Adão Santos, trouxe como sugestão o exemplo da estruturação de Sapucaia do Sul, que possui o Plano de Apoio Mútuo – PAM – entidade composta por empresários e voluntários para auxiliar os órgãos de segurança municipais no caso de desastres.
O coordenador da Defesa Civil, Paulo Scalcon, também citou o projeto More Legal, da Corregedoria-Geral de Justiça do Rio Grande do Sul, que trata sobre a regularização fundiária e o direito à moradia. “Esse é um tema importante para discutirmos, pois a maioria dos desastres acontece em áreas não regularizadas”, comentou.
Scalcon lembrou que, entre as principais atribuições, a Defesa Civil deve instruir a população sobre como proceder em casos de diferentes calamidades, realizar a desocupação do pessoal e material das áreas atingidas, proporcionar assistência aos flagelados, adotar procedimentos e praticar os atos necessários à redução dos prejuízos sofridos por particulares e entidades públicas em decorrência de calamidade, assegurar o funcionamento dos principais serviços de utilidade pública, criar condições para recuperação de moradias e estudar e executar medidas preventivas.