Cia Caixa do Elefante propõe uma reflexão sobre a percepção do tempo em novo espetáculo

Município: Dois Irmãos, Morro Reuter, Novo Hamburgo, Porto Alegre

Turnê de Ensaio Sobre o Tempo percorrerá quatro cidades até o próximo dia 31 CRÉDITO: FABIANA LAZZARI/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A Cia Caixa do Elefante Teatro de Bonecos estreia o espetáculo Ensaio Sobre o Tempo, que conjugará teatro de animação, dança e ilusionismo para apresentar, de forma poética, reflexões sobre a noção e percepção do tempo em nossa sociedade, inspiradas em escritos teóricos de Henry Bergson, Ítalo Calvino, Heidegger e Santo Agostinho. A primeira temporada teve início no último sábado, dia 8, em Morro Reuter, e ainda passará por Novo Hamburgo, Dois Irmãos e Porto Alegre. Neste ano, a Caixa do Elefante completa 23 anos de trajetória e conta com o patrocínio da Petrobras, através da seleção no Petrobras Cultural para manutenção de companhias de teatro. O processo de criação coletivo do grupo está presente no novo espetáculo.

Ensaio Sobre o Tempo foi desenvolvido a partir do encontro intenso entre os artistas talentosos e experientes, que trabalharam em regime de residência artística no Espaço de Convívio Artístico Vale Arvoredo, localizado em meio à mata nativa da Serra Gaúcha. Desta imersão, surgiram propostas criativas e um instigante resultado.

Com direção de Paulo Balardim, a montagem traz uma sensível atuação da atriz Carolina Garcia. A companhia buscou a parceria de Élcio Rossini para a composição da cenografia, figurino e iluminação, além da assessoria do mágico Eric Chartiot para ilusionismo e do físico Flávio Pohlmann Livi para pesquisa. A concepção dos bonecos e adereços ficou a cargo de Mário de Ballentti, com o auxílio de Marcos Nicolaiewsky. A trilha sonora é assinada por Carlos Badia.

Na ficção, há um andarilho perdido num espaço indeterminado que encontra objetos, os quais vão reativando suas memórias e ganhando corpo. Paulo Balardim explica que presente e passado se confundem, enquanto atriz e os bonecos se mesclam para produzir sentimentos. “O sentimento de finitude, a memória como forma de reviver o passado e a imaginação como projeção de futuro são inspirações para as cenas. Nosso trabalho incorpora recursos do teatro de animação e busca elaborar imagens poéticas sobre essas questões”, ressalta o diretor.

A trilha sonora conduz como narrativa os eventos que se sucedem, numa ordem não linear. E o espaço da cena acaba criando uma dimensão onírica. O espetáculo foi contemplado pelo Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz e recebeu o financiamento do Fundo de Apoio à Cultura (FAC/RS) e do Fundo Municipal de Produção Artística e Cultural de Porto Alegre (Fumproarte).

Confira as datas e locais dos próximos espetáculos:

Novo Hamburgo: Dias 15,16 e 17 de março, às 20h e às 21h, no Espaço Cultural Entre Linhas – av. Dr. Maurício Cardoso, 905, térreo. Entrada franca

Dois Irmãos: Dias 21, 22 e 23 de março, às 20h, no Curto Arte – Teatro Adriano Schenkel – av. São Miguel, 830, sala 4 – Centro. Ingressos: R$ 10 antecipado e R$ 15 no dia.

Porto Alegre: De 27 a 31 de março, às 19h e às 21h, na Terreira da Tribo – rua Santos Dumont, 1186. Entrada franca.