Eventos movimentam o município e atraem visitantes a Ilópolis

Município: Ilópolis

Rota Cicloturística das Ervateiras reuniu ciclistas do Estado CRÉDITO: TURISMATE ILÓPOLIS/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Rota Cicloturística das Ervateiras reuniu ciclistas do Estado CRÉDITO: TURISMATE ILÓPOLIS/DIVULGAÇÃO/CIDADES

No dia 9 de abril, o município recebeu a comunidade regional para um evento que marcou a reinauguração da Praça Itália. O local recebeu melhorias na iluminação, paisagismo, brinquedos e espaços de lazer. Na ocasião, também foi inaugurada a academia de saúde. Diversas atrações marcaram o dia, como mateada, brinquedos do Sesc, oficinas de leitura e de tatuagem e apresentações culturais, em parceria com Sesc e Lume Eventos. Diversas autoridades locais e regionais prestigiaram a solenidade, que ainda foi marcada pela assinatura de importantes decretos, como o que reconhece a erva-mate árvore símbolo do município e ingrediente obrigatório na merenda escolar. Outro documento oficializado se refere à promoção da cultura do chimarrão, a fim de que esta possa ser incentivada e valorizada cada vez mais.
Para muitas autoridades que fizeram pronunciamentos, o evento é um marco para a cadeia produtiva da erva-mate. O prefeito Olmir Rossi destacou a importância do ato, que, segundo ele, eleva ainda mais a importância do produto. “Nosso povo tem qualidade de vida e, hoje, estamos oficializando e tornando público que nossa árvore símbolo é a erva-mate, bem como que nossos alunos sejam beneficiados com esse alimento tão nutritivo, tornando obrigatória a sua presença na merenda escolar”, afirmou o prefeito.
O objetivo de fazer com que a erva-mate torne-se símbolo do município, de acordo com Rossi, é valorizar e proteger a planta, que tem função social, cultural e econômica na região. Conforme a secretária de Turismo, Desporto e Lazer, Ariana Maia, a decisão foi tomada em conjunto com demais secretarias municipais e vai ao encontro de um desejo da população, bem como da própria história dos munícipes. Ariana explica que o nome da cidade “deriva de Ilex paraguariensis (erva-mate) e de polis, que, em grego, significa cidade. Temos, assim, a cidade da erva-mate. Ou seja, é muito natural que nossa árvore símbolo fosse justamente estaplanta que tanto nos beneficia”.
Erva-mate deverá fazer parte da merenda escolar
Quanto à presença da erva-mate na merenda escolar, ficou definido que, pelo menos uma vez por semana, os alunos da rede municipal vão encontrar no cardápio alimentos como bolo, biscoitos, massas, pães, suco e chá, entre outros itens, que contenham o produto. Segundo a secretária de Educação e Cultura, Silvia Pessatto Perin, um teste de aceitabilidade foi feito, obedecendo os padrões estipulados pelo MEC. “O conceito ótimo alcançou 75% no teste aplicado a 250 alunos”, explicou. Conforme Silvia, as receitas testadas e aprovadas se inspiram no livro 365 Dias com a Erva-mate, lançado durante a Turismate, em 2015. De acordo com a secretária, as merendeiras e demais profissionais envolvidos devem receber treinamento, além do fato de os editais de compra de merenda escolar da prefeitura privilegiarem alimentos enriquecidos com erva-mate. “Essa medida vai agregar mais nutrição à alimentação das nossas crianças e adolescentes”, disse o prefeito Rossi ao falar sobre o decreto.
Na ocasião, Rossi ainda assinou decreto municipal que visa ao estímulo do consumo da erva-mate, tanto no chimarrão quanto através de outros alimentos. O objetivo é aumentar o debate e o conhecimento em torno deste alimento saudável e, assim, difundir ainda mais esta cultura. Para isso, parcerias e programas devem ser criados e firmados a fim de capacitar profissionais e desenvolver atividades educativas acerca do alimento, que é produzido nas 800 propriedades rurais de Ilópolis.
Mais de 160 ciclistas participam da 2ª edição da Rota Cicloturística das Ervateiras
A comissão organizadora da 2ª edição da Rota Cicloturística das Ervateiras, que ocorreu na cidade nos dias 9 e 10 de abril, comemora os resultados do evento. Conforme a secretária de Turismo, Desporto e Lazer, Ariana Maia, mais de 160 ciclistas participaram dos dois dias do circuito. Promovido com apoio das ervateiras Amizade, Diamantina, Ecomate, Fonte do Mate, Lago Verde, Marsango, Rei Verde, Safra, Seiva do Mate, Serrena e Ximango e com a organização técnica de Jean Finkler e Vicente Lima, a rota esteve dividida em duas modalidades. No primeiro dia, os participantes menos experientes puderam percorrer cerca de 10 quilômetros pelas ruas centrais do município. O trajeto contou inclusive com a participação de crianças. Já no dia 10, atletas de todo Estado e do Paraná prestigiaram a segunda edição da Rota Cicloturística das Ervateiras.
A partida aconteceu às 9h, na praça Itália, no Centro do município. Dali, os ciclistas seguiram trajetos com paradas nas ervateiras. Os participantes podiam escolher entre o trajeto de 24 quilômetros ou 37 quilômetros. Conforme Ariana, o objetivo da ação é estimular a prática do esporte, aliado com a saúde. “A prática do cicloturismo ganha cada vez mais adeptos, e nossa cidade tem belezas naturais e uma bela geografia, que encantam os participantes. Além de conhecerem nosso município e nossas ervateiras, ainda podem se beneficiar com o consumo de alimentos saudáveis que são feitos com erva-mate. Assim, unimos esporte, lazer e saúde”, destacou.
Os amigos Alcides Capelari e Antonio Carlos Furtado, de Caxias do Sul, pedalaram na Rota das Ervateiras pela primeira vez. Eles contam que ficaram sabendo do evento através das redes sociais dos grupos que participam. Furtado começou a pedalar depois da aposentadoria, em virtude de uma depressão, e relata que sua saúde melhorou. O amigo Capelari também incentiva a prática e diz que iniciou no pedal por incentivo dos filhos. “Eu estou muito mais saudável e nem precisei operar os joelhos, uma indicação médica que recebi antes de entrar para o esporte”, relata.
O casal Carol Schmidt, de 29 anos, e Samuel da Luz Stumpf, de 22, também de Caxias do Sul, deram um incentivo a mais aos participantes. Deficientes visuais, os dois participaram do trajeto longo. Para poderem pedalar, Stumpf foi criativo. Adaptou uma bicicleta para que ele e a namorada pedalassem juntos. Na frente, em outra bicicleta, segue um guia, com uma sineta, para que Samuel possaseguir o som. Amigos fazem a escolta e mantêm uma distância segura para que o casal possa seguir o trajeto. “Em Caxias, dependemos muito de ônibus, e a bicicleta nos traz uma sensação de liberdade. Na dificuldade, a gente aprende”, disse Stumpf, que complementou dizendo que considera o esporte uma filosofia de vida.