Pasta de educação tem cinco projetos classificados no Prêmio Gestor Público de 2012

Município: Igrejinha

A secretaria de municipal de Educação inscreveu cinco projetos no Prêmio Gestor Público de 2012, promovido pelo Sindifisco – Sindicato dos Servidores Públicos da Administração Tributária do Estado do Rio Grande do Sul, que, neste ano, abre-se para experiências positivas em educação. Recentemente, a secretaria recebeu a visita de avaliadores que vieram conferir em loco a qualidade dos projetos inscritos. Os resultados da premiação serão divulgados no mês de novembro.

Com a aprovação dos avaliadores, os cinco projetos classificados são Projeto de Autonomia Financeira nas Escolas Municipais de Igrejinha, Projeto da Contravenção à Educação, Projeto de Educação Emocional Amigos do Zippy, Projeto Cemae – Centro Municipal de Atividades Educacionais – Aprender, uma Alternativa de Educação em Turno Integral e Projeto Ceaak – A Educação Ambiental Como uma Política Pública em Ação.

O Projeto de Autonomia Financeira nas Escolas Municipais de Igrejinha é uma iniciativa que busca incentivar as escolas a definir ações, elaborar e executar seus projetos educativos, responsabilizando-se pela aplicação dos recursos públicos recebidos pelas instituições. O Projeto da Contravenção à Educação é uma ação que reaproveita os materiais de máquinas caça-níqueis, apreendidas pela Justiça, transformando-os em objetos de valor educativo, como móveis infantis, e baús para armazenamento de materiais. Já o Projeto de Educação Emocional Amigos do Zippy é desenvolvido em todas as turmas do 2º ano e objetiva fortalecer emocionalmente crianças pequenas para que tenham condições de dar conta de situações conflitantes no decorrer de sua vida. O quarto selecionado foi o Projeto Cemae, que atende de forma educativa e segura alunos de 6 a 12 anos, no turno inverso ao das aulas regulares, oferecendo oficinas nas mais diferentes áreas. E, por fim, está o Projeto Ceaak, que oferece, no Centro de Educação Ambiental Augusto Kampff, meios para uma reflexão coletiva sobre o ser humano, suas relações consigo e com os outros, a fim de sensibilizá-lo para a busca da qualidade de vida e o equilíbrio ambiental.

Semana da Cidadania 2012 acontece de 1 a 7 de setembro

Município: Igrejinha

Começa neste sábado, dia 1 de setembro, a Semana da Cidadania 2012, evento promovido pela prefeitura através da secretaria municipal de Educação. A primeira atividade será o 5ºDesafio Matemático, que acontecerá no Ginásio de Esportes, com início às 8h, do qual os anos finais do ensino fundamental de todas as escolas do município poderão participar.

Ainda no mesmo dia, 1 de setembro, e com o mesmo público-alvo, só que às 8h30min, acontecerá o 5º Soletrando, na câmara de vereadores. Na parte da tarde, do mesmo dia acontece a 1ª Caminhada Cívica pela Cidadania, às 15h, na avenida Presidente Castelo. Nos dias 1 e 2 de setembro, sábado e domingo, ocorre a 2ª Gincana Municipal de Igrejinha, cujas atividades se iniciam às 9h, na Fundação Cultural. Já nos dias 4 e 6 de setembro, terça e quinta-feira, ocorre a Mostra Pedagógica da Educação Infantil, Etapas creche e pré-escola, na parte da manhã e da tarde, nas salas de reuniões da secretaria de Educação.

O Encontro de Líderes Escolares será realizado no dia 5 de setembro, quarta-feira, das 7h15min às 18h, no Parque de Eventos Almiro Grings. Poderão participar desse evento líderes do 6º ao 9º ano, e alunos das redes municipal, estadual e particular. E, encerrando a programação da Semana da Cidadania 2012, acontece, no feriado do dia 7 de setembro, sexta-feira, às 13h, na Sociedade União de Cantores de Igrejinha, o Campeonato de Xadrez, do qual poderão participar estudantes e comunidade igrejinhense.

Consumismo e sustentabilidade foram abordados em seminário de Educação Ambiental

Município: Igrejinha

“A escola precisa trabalhar o tema sustentabilidade na busca de se diminuir o apelo ao consumo”, declara a secretária de Educação, Liége Brusius, na abertura do VIII seminário municipal e V Estadual de Educação Ambiental, ocorrido na semana passada. Ela falou sobre o excesso do consumo, enfatizando que se faz necessária a conscientização de que os recursos não são apenas para essa geração, mas também para as gerações futuras. Em concordância com Liége, Lala Deheinzelin, especialista mundial em economia criativa e desenvolvimento sustentável, abordou o assunto Educação de Competências para o Desenvolvimento Sustentável, salientando a necessidade de se “aprender a usar o que se tem disponível, e não ficar eternamente querendo ter mais”.

A palestrante – que também é criadora e coordenadora do Movimento Internacional Crie Futuros e assessora sênior da Unidade Especial de Cooperação Sul, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento -, afirmou que, hoje em dia, a sociedade em geral não sabe usar o que tem. Ela ainda elogiou Igrejinha, pois achou a cidade muito bonita e comentou que as maiores possibilidade ambientais são nos municípios menores.

O evento foi realizado pela secretaria municipal de Educação – SME -, organizado pelo Centro de Educação Ambiental Augusto Kampff – Ceaak -, e teve como tema O Papel da Educação Ambiental na Busca por Futuros Desejáveis. Além de palestras com mestres e doutores da área, a programação contou com um espaço para a troca de conhecimentos referentes às iniciativas ambientais bem sucedidas já realizadas por várias entidades da cidade, como o departamento de Meio Ambiente e escolas.

Últimas semanas para participar da Campanha da Solidariedade

Município: Igrejinha

A Campanha da Solidariedade está em sua reta final. As doações de leite, roupas de bebê e objetos de higiene pessoal só poderão ser entregues até o próximo dia 31 de agosto.  A secretaria de Desenvolvimento Social e Habitação é a realizadora da campanha que iniciou em julho e dispõe de 47 pontos de coleta. As doações serão destinadas às famílias com em situação momentânea de vulnerabilidade socioeconômica. Os pontos de coleta estão espalhados pela cidade, nos bairros Figueira, Garibaldi, Bom Pastor, Vila Nova, Viaduto, XV de Novembro, Moinho e no Centro, além dos loteamentos Morada Verde e Acácias.

Cidade recebe projeto que será referência para o Sul do País

Município: Igrejinha

Igrejinha foi a escolhida dentre as cinco cidades do Rio Grande do Sul mapeadas como áreas emergenciais de risco, pelo Serviço Geológico do Brasil – CPRM – para receber um projeto piloto que servirá de referência para a região Sul do País.  O Ministério das Cidades solicitou à Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Ufrgs – que indicasse um município para ser realizado um mapeamento de risco bastante detalhado, indicando movimento de massas e enchentes. Segundo o engenheiro civil Luiz Bressani, professor associado de Geotecnia da LAGEOTec de Porto Alegre, Igrejinha foi selecionada devido não somente às suas necessidades, como também devido à sua infraestrutura, ao levantamento de aerofotos, já existente, à sua equipe técnica, e ao envolvimento da comunidade. Ele ressalta a importância da base de dados técnicos já obtidos pela Defesa Civil da cidade. “Aqui (Igrejinha), há problemas de áreas suscetíveis a deslizamentos de terra e enchentes, mas há qualidade técnica em base de dados existentes na prefeitura”. Ele ainda complementa. “Muitas vezes chegamos a municípios que não têm nada, mas aqui já vamos sair de um patamar alto, de um nível muito bom de trabalho e isso deve ser reconhecido”.

Bressani informa que o trabalho está sendo iniciado e que há uma previsão de conclusão para março de 2013. Conforme sua experiência, os primeiros relatórios devem sair em seis meses.  Ele explica que serão analisados dois grandes problemas, enchentes e escorregamentos, através de registros históricos, mapas de inundação, e mapeamento geológico/geotécnico, a partir disso, será possível fazer a definição das áreas passíveis de urbanização, ou seja, áreas com risco reduzido, que poderão ser liberadas para expansão urbana e vetores de desenvolvimento urbano. Segundo o Ministério das Cidades e legislação em vigor, estas são as bases para a formulação do plano diretor.

A respeito da viabilidade financeira do projeto, Bressani explica que não terá custos e que se pretende buscar recursos do Ministério das Cidades e também de órgãos de fomento como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPQ – e da universidade federal através do LAGEOTec, laboratório do qual alguns professores envolvidos no projeto fazem parte.