Programa de Giruá é um dos escolhidos para livro Boas Ideias Mudando Vidas

Município: Giruá

Grupo de Apoio Psicossocial a Criança e ao Adolescente está entre os 12 projetos vencedores do Prêmio Gestor Público selecionados para a obra. CRÉDITO: PREFEITURA MUNICIPAL DE GIRUÁ/DIVULGAÇÃO/CIDADES

O Grupo de Apoio Psicossocial a Criança e ao Adolescente que oferece acompanhamento completo para pessoas em condições de risco e vulnerabilidade social já foi bastante premiado pelo Prêmio Gestor Público (PGP) e agora está em um livro que conta com os melhores projetos da história da premiação. A solenidade do 13º Prêmio Gestor Público, realizada no último dia 11, contou com uma novidade. Em homenagem aos 12 anos do prêmio, o Sindifisco-RS e a Afisvec lançaram, na abertura do evento, o livro Boas Ideias Mudando Vidas. A publicação apresenta 12 projetos vencedores do PGP, desde 2002, que continuam sendo executados atualmente e apresentaram evolução. O livro contém 228 páginas com histórias, relatos, fotografias e resultados alcançados por essas iniciativas municipais.

O município está entre os escolhidos pelas atividades pioneiras e inovadoras realizadas com o Grupo de Apoio Psicossocial a Criança e ao Adolescente (GAP), na secretaria de Promoção Humana. O programa foi reconhecido com o Troféu Famurs 35 anos, em 2011, uma das mais importantes graduações do Prêmio Gestor Público, com o qual já foi laureado 5 vezes, inclusive nesse ano, em que recebeu Menção Honrosa pela continuidade do programa.

Para o Prefeito Fabiam Thomas, a participação nesse livro representa a consagração total do GAP e cria um selo de qualidade muito robusto sobre o projeto. Nesses 12 anos de PGP, quase duas mil iniciativas de municípios gaúchos passaram pela análise da comissão avaliadora, formada por auditores-fiscais da receita estadual. “Estar entre os 12 escolhidos para compor essa publicação representa uma grande honra para Giruá”, comemorou Fabiam.

O prefeito afirmou que quem garante os bons resultados desse projeto é a equipe que deve ser parabenizada indistintamente: “Agradecemos a primeira-dama Carolina Konzen Thomas, que recebeu a missão de idealizar o GAP em 2010, a secretária Silvane Figueiredo, que continua coordenando os trabalhos atualmente, a equipe técnica e também de estrutura e limpeza, que dão as condições necessárias para que essa clínica montada pelo governo municipal seja a referência que é”, destaca Thomas.

Ainda conforme o prefeito, todos os projetos da cidade estão no mesmo nível de qualidade do GAP, mas a forma como ele foi compreendido pelos técnicos realmente mostra que é uma das melhores iniciativas do Estado. Ele acredita que a participação no livro renderá muitos frutos no futuro, uma vez que publicação irá rodar o Brasil e todos poderão conhecer melhor esse trabalho ou até usá-lo como referência para construção de novos projetos em benefício de pessoas de diferentes regiões.

Conheça um pouco do trabalho realizado pelo GAP

O Grupo de Apoio Psicossocial a Criança e ao Adolescente, por meio de sua equipe multiprofissional, composta por duas psicólogas, duas assistentes sociais e uma psicopedagoga, presta aproximadamente 7 mil atendimentos anuais. O trabalho do GAP é voltado para pessoas em condições de risco e vulnerabilidade social. As crianças e adolescentes podem ser encaminhados de várias formas: pelo Ministério Público, Poder Judiciário, conselho tutelar, escola, indicação médica ou demanda espontânea, que é quando a própria família pede ajuda para a secretaria de Promoção Humana.

Através de agendamento prévio das atividades, atualmente mais de 150 crianças e adolescentes são atendidos por semana na Casa da Família. São realizadas avaliações e atendimentos clínicos, individuais e em grupos, reuniões e encaminhamentos para a rede de apoio de casos que necessitam de tratamento médico.

Os beneficiários permanecem em acompanhamento até que a demanda pela qual foram encaminhados seja sanada. Semestralmente, todos os casos são avaliados em reuniões com os profissionais envolvidos no tratamento. A intenção é perceber se houve evolução do quadro inicial, para que as altas ou encaminhamentos sejam efetivados.

Além desse trabalho, a equipe realiza visitação às famílias e às escolas, onde são realizadas palestras educacionais para os pais e avaliação do comportamento em grupo das crianças e adolescentes atendidos pelo programa.

Para a coordenadora do GAP, Adriana Beck, o serviço prestado pela equipe tem o objetivo maior de garantir pleno direito nas áreas da saúde, educação e assistência social para as crianças em condições de risco e vulnerabilidade. Ainda segundo ela, a partir desse contato com diferentes realidades, fica evidente a importância da família e de suas funções na constituição do sujeito e também da tarefa de acompanhar de perto o desenvolvimento das crianças.