Lavouras de canola e cevada seguem com bom desenvolvimento no Rio Grande do Sul

Município: Estado

Produtores de canola estão monitorando a lavoura, trabalho fundamental para evitar perdas por pragas e doenças CRÉDITO: TEREZINHA MARIZA VILK/DIVULGAÇÃO/CIDADES

As atuais condições meteorológicas têm beneficiado as lavouras de canola e cevada no Rio Grande do Sul, conforme informações recentes divulgadas pela Emater. Os dias têm se apresentado com boa luminosidade e temperaturas adequadas, possibilitando um bom desenvolvimento das plantas. A canola está em floração, período considerado crítico, pois a cultura não tolera geada. No momento, os produtores estão realizando o monitoramento da lavoura, trabalho fundamental para evitar perdas por pragas e doenças.
Já as áreas de cevada implantadas no Norte do Estado se encontram em fase de perfilhamento, com bom stand de lavouras, decorrente das boas condições climáticas dos últimos períodos. Segundo dados do informativo conjuntural elaborado pela Emater, pela atual condição de campo, estima-se que a produtividade seja muito boa, podendo ficar acima das três toneladas por hectare.

Safra de trigo está se normalizando, beneficiada pelas baixas temperaturas

Devido à ocorrência de chuvas mais regulares, à boa radiação solar e à aplicação de adubação nitrogenada em cobertura, realizada com mais frequência pelos produtores, o aspecto geral das lavouras de trigo está se normalizando, porém ainda com atraso na evolução. Atualmente, a cultura encontra-se em pleno perfilhamento, com apenas 2% das lavouras em início de floração. Esta fase está sendo beneficiada pelas baixas temperaturas. No momento, o que está preocupando os triticultores é o preço, que continua em queda e sem liquidez, pois o mercado está sendo abastecido pelas importações e influenciado pela proximidade da colheita do Paraná. Na semana, a saca de 60 kg teve nova queda no preço médio pago ao produtor, que passou para R$ 27,62, menos 1,07% em relação ao preço anterior.

Condições climáticas aumentam a qualidade da safra na citricultura gaúcha

Município: Estado

Umidade do solo e do ar e a ocorrência de temperaturas baixas, com as primeiras geadas, intensificam a coloração típica das frutas cítricas, com casca mais lisa e brilhante, propiciando um aspecto mais atraente CRÉDITO: ORLANDO PASSOS/DIVULGAÇÃO/JC

As condições climáticas estão bastante favoráveis para a manutenção da sanidade dos citros e para o refinamento da qualidade das frutas. Apesar de dificultar as práticas nos pomares, a elevada umidade do solo e do ar e a ocorrência de temperaturas baixas, com as primeiras geadas, intensificam a coloração típica das frutas cítricas, com casca mais lisa e brilhante, propiciando um aspecto mais atraente. De acordo com o informativo conjuntural recente elaborado pela Emater, o frio também interfere na propagação de fitopatias, como a pinta preta, uma das grandes preocupações dos citricultores nos períodos mais quentes, e torna menos intensos os prejuízos causados pela mosca das frutas. No geral, é alta a carga de frutas nas plantas na atual safra de citros, que apresentam arqueamento e até mesmo quebra de ramos onde o raleio foi feito com menor severidade.

Em locais de mesoclima mais quente, como nos vales de grandes rios, já começou a maturação e o início da colheita da bergamota da cultivar montenegrina. Assim, ocorre o incremento na oferta de citros no mercado, com constante e tênue queda na valoração. Na Região da Campanha, intensifica-se a colheita nos pomares de bergamotas e laranjas, principalmente das cultivares precoces, com produtividade acima do esperado. No Vale do Rio dos Sinos, há uma queda significativa da produção, causada pela incidência de moscas das frutas, bicho furão e pinta preta, devido à falta de controle. No Planalto Médio, as bergamotas da cultivar satsuma já foram colhidas, e as cultivares ponkan e caí estão em colheita. Os frutos para a safra 2015 estão desenvolvendo-se com um tamanho um pouco menor do que o normal.

Plantio do trigo atinge 3% da área prevista para o Rio Grande do Sul

Município: Estado

Conforme dados da Emater, a região de Ijuí é a que mais avançou no plantio do trigo, atingindo 8% de um total projetado de 331 mil hectares para esta safra CRÉDITO: KÁTIA MARCON/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A Emater passa a monitorar, a partir da próxima semana, quinzenalmente, as condições das lavouras de trigo e sua evolução, acompanhando as condições meteorológicas durante o ciclo da cultura. O excesso de umidade no solo registrado com as chuvas dos últimos dias, não foram favoráveis para o plantio das lavouras localizadas na parte Norte do Estado, impedindo o avanço da área semeada, que alcança apenas 3% no Estado. Na safra passada, nesta mesma época, o percentual chegava a 5%. De acordo com o informativo conjuntural da Emater,

Secretaria estadual de Cultura e AES Sul lançam Prêmio Empreendedor Cultural

Município: Estado

Com a finalidade de fomentar iniciativas inovadoras e sustentáveis, democratizando o acesso ao financiamento de projetos culturais e contribuindo com o desenvolvimento de comunidades, o Prêmio Empreendedor Cultural deve movimentar a Economia Criativa em 120 municípios do Rio Grande do Sul. O prêmio tem o patrocínio da AES Sul, por meio do financiamento do Pró-Cultura – secretaria estadual da Cultura. Uma parceria inédita entre os setores privado e público. A realização é da Cida Cultural, com o apoio de uma rede de prefeituras municipais, entidades e lideranças comunitárias.

Nesta primeira edição serão destinados R$ 400 mil a projetos culturais nos segmentos de música, literatura, artes cênicas (teatro, dança e circo), e artes visuais, que, utilizando tecnologias sociais, contribuam para estimular a atividade cultural local, promovendo o desenvolvimento humano, econômico e social, fomentar empreendimentos inovadores, orientados a gerar benefícios para a comunidade de forma estruturante, democrática e sustentável, estimular a cooperação entre empreendedores culturais, lideranças comunitárias, poderes públicos municipais e a iniciativa privada, ativar redes de conhecimento e colaboração entre agentes culturais e sociais do estado, além de semear cultura de paz e respeito ao meio ambiente e à diversidade cultural.

Conforme destaca o diretor-geral da AES SUL, Antonio Carlos de Oliveira, “o princípio do prêmio é o de que um empreendimento cultural pode contribuir significativamente para o desenvolvimento sustentável de uma região – tanto permitindo que comunidades possam produzir e apreciar arte e exercer suas manifestações culturais como inovando em jeitos de empreender (transversalidades) que ativem desenvolvimento humano, aprendizado comunitário, emancipação econômica, colaboração, intercâmbio de conhecimento, cultura de Paz e consciência socioambiental.”

As inscrições estarão abertas até o dia 3 de setembro de 2012 através do portal www.empreendedorcultural.com.br. Na plataforma online serão disponibilizados o regulamento, cronograma, formulário de inscrição e as atualizações do processo. Poderão se inscrever todos os produtores culturais com cadastro habilitado no Sistema Pró-Cultura RS, pessoas jurídicas da sociedade civil organizada, de 120 municípios do Rio Grande do Sul. Os projetos serão analisados e selecionados por especialistas de notório saber, a partir dos seguintes critérios: relevância cultural e artística e adequação às finalidades do Prêmio (listadas acima). Serão priorizadas as propostas que gerarem benefícios e oportunidades a comunidades. Os projetos contemplados serão divulgados em dezembro e receberão recursos entre R$ 15 mil e R$ 40 mil.