Cursos de Ciências Biológicas de URI Erechim realizam viagem de estudos

Município: Erechim

Grupo visitou Jardim Paleobotânico e Museu Paleontológico da cidade CRÉDITO: URI ERECHIM/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Grupo visitou Jardim Paleobotânico e Museu Paleontológico da cidade CRÉDITO: URI ERECHIM/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Os acadêmicos dos cursos de Ciências Biológicas – Licenciatura e Bacharelado da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) Erechim participaram, no último dia 6, da viagem de estudos ao município de Mata, no Rio Grande do Sul. A atividade faz parte do conteúdo programático da disciplina de Paleontologia I, e oportunizou que os acadêmicos conhecessem um dos mais importantes sítios paleontológicos do mundo.
O grupo, acompanhado pelo professor Rodrigo Fornel, ministrante da disciplina, visitou o Jardim Paleobotânico de Mata, com dezenas de troncos de árvores fossilizados pelo processo de silicificação, em geral coníferas, parentes dos pinheiros atuais. “Estes lenhos fósseis levaram milhões de anos para serem formados, sendo este material datado do Período Triássico, por volta de 200 milhões de anos”, explicou o professor.
Outro local visitado foi o Museu Municipal Daniel Cargnin que, além de troncos silicificados de grandes árvores pré-históricas, conta também com fósseis de vertebrados e invertebrados. O amplo acervo tem exemplares encontrados no Rio Grande do Sul, mas também apresenta peças de outros locais do Brasil e do exterior.
O professor Fornel avaliou a viagem como uma grande oportunidade de alinhamento prático ao conteúdo abordado em sala de aula. “Esta viagem de estudos possibilitou uma maior aproximação com os conceitos vistos em sala de aula, como os processos de fossilização, a ideia de patrimônio paleontológico e a diversidade do registro fóssil do sul do Brasil. Além disso, este riquíssimo registro fóssil nos ajuda a contar um pouco da evolução da vida na Terra”, destacou.

Espetáculo Afro-Brasileiro integra Projeto Etnias e Culturas na URI Erechim

Município: Erechim

Vários grupos se apresentaram na ocasião, destacando arte, cultura e religiosidade CRÉDITO: URI ERECHIM/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Vários grupos se apresentaram na ocasião, destacando arte, cultura e religiosidade CRÉDITO: URI ERECHIM/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A etnia afro-brasileira foi a atração da última semana na Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) Erechim, dentro do Projeto URI 25 Anos – etnias e culturas: o que nos une, uma iniciativa dos departamentos da universidade e das associações étnicas e culturais de Erechim e da região Alto Uruguai. A programação foi desenvolvida entre os dias 27 de fevereiro e 3 de março.
Além da exposição Afro-Brasileiros no Alto Uruguai – cultura e religiosidades, que aconteceu no Espaço Cultura Viva, a comunidade acadêmica e regional teve a oportunidade de participar de vários momentos de trocas de experiências e conhecimentos. Na sexta-feira, 2 de março, jovens de escolas da rede pública municipal e da Escola de Educação Básica da URI participaram da exibição e discussão de videodocumentários e de uma oficina de Hip-hop – Cultura afro contemporânea, coordenada por Deivissom Camargo e Lilian Yasmin. A atividade, que aconteceu nos turnos da manhã e da tarde, contribuiu para a compreensão de aspectos relacionados com esta cultura, que surgiu nos guetos nova-iorquinos, nos Estados Unidos, na década de 1970. O hip-hop é um empreendimento coletivo e abarca manifestações artísticas nos campos da música (rap), das artes visuais (grafite) e da dança.
À noite, aconteceu a mesa-redonda História regional, cultura, religiosidade e racismo no Brasil, que contou com a participação da comunidade regional, grupos étnicos locais, professores e grupos de acadêmicos dos cursos de Ciências Contábeis, Pedagogia, Psicologia e do curso técnico em Enfermagem da universidade. A atividade foi conduzida por representantes do Movimento Étnico Cultural dos Negros de Erechim (Mene): Maurício Oliveira, Elisa Pilotto, André Fabrício Ribeiro e Monique Rosset. O momento permitiu a reflexão sobre a importância da cultura na constituição do País e da região.
A programação da Etnia Afro-brasileira encerrou na noite do último sábado, dia 3, com o espetáculo artístico, por meio do qual os grupos responsáveis pelas atividades fizeram uma apresentação dinâmica e alegre, interagindo com o público que lotou o salão de atos. Os grupos Mene; Kilombagem Suburbana; Griôs; Grupo Afrodescendentes de Aratiba (Afro Ara); Grupo de Capoeira Associação de Capoeira Angola Cultura Popular (Grupo ACACP); e Grupo de Capoeira Povo de Angola destacaram, por meio de danças, apresentações e cantos, a importância da cultura, arte, religiosidade e história do povo afro-brasileiro.
O Projeto URI 25 Anos – etnias e culturas: o que nos une se iniciou no ano passado. A primeira atração foi da etnia italiana, no dia 26 de agosto, com o show Vinho, história e magia. No dia 21 de outubro, a atração foi a etnia alemã, com o espetáculo Os sonhos são mais fortes. A etnia polonesa fez sua apresentação no dia 18 de novembro com o espetáculo Cultura, amor e história. A programação prevê, ainda, uma integração de todas as etnias, através de um jantar, no dia 28 de abril, nas comemorações do centenário do município de Erechim.

Seminário de Formação Continuada mobiliza professores da URI Erechim

Município: Erechim

Adriano Vieira, da UPF, analisou as metodologias ativas   CRÉDITO: URI ERECHIM/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Adriano Vieira, da UPF, analisou as metodologias ativas CRÉDITO: URI ERECHIM/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A primeira semana de atividades letivas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) Erechim, logo após o período de férias, foi marcada pela realização do Seminário de Formação Continuada. Foram dois dias de programação, que envolveram todo quadro docente da instituição. A iniciativa apresentou, através de palestras e oficinas, subsídios sobre os mais variados temas da educação. O evento foi aberto na segunda-feira, dia 26 de fevereiro, às 8h, com a conferência do Pró-Reitor de Ensino da URI, professor Arnaldo Nogaro, que falou sobre o ensino por competências.
No mesmo dia, o seminário reservou espaço para as seguintes oficinas pedagógicas: O uso de softwares na docência, com o professor Neilor Tonin; O ensino, a pesquisa e a extensão no currículo universitário, com Luci Mary Duso; A acessibilidade em sala de aula, com os professores Antônio Iponema Costa, Jacqueline Enricone e Andréia Ceni; Como fazer a interdisciplinaridade, com a professora Márcia dos Santos Caron; Planejamento de ensino e aprendizagem colaborativa, com a professora Franciele Fátima Marques; Avaliação educacional, com o professor Arnaldo Nogaro; Gestão da sala de aula, com os professores Felipe Biasus e Vera Anzolin; e As ferramentas do Google para o ensino/aprendizagem, com o professor Carlos Antônio da Silva.
No dia 27 de fevereiro, o seminário contou com a presença da professora Neusí Berbel, da Universidade Estadual de Londrina (UEL), que falou sobre os fundamentos e as aplicações da metodologia da problematização. À tarde, a professora falou sobre as metodologias ativas para os professores ligados às áreas de Ciências Biológicas, Ciências da Saúde, Ciências Sociais Aplicadas e Ciências Humanas. Além disso, os professores das áreas de Engenharias e Ciência da Computação, Ciências Exatas e da Terra e Ciências Agrárias participaram de um encontro sobre metodologias ativas com o professor Adriano José Hertzog Vieira, da Universidade de Passo Fundo (UPF).

Curso de Agronomia da URI Erechim promove Tarde de Campo das Agrárias

Município: Erechim

Iniciativa fez parte da disciplina de Extensão Rural e ocorreu no campus II da universidade CRÉDITO: URI ERECHIM/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Iniciativa fez parte da disciplina de Extensão Rural e ocorreu no campus II da universidade CRÉDITO: URI ERECHIM/DIVULGAÇÃO/CIDADES

O curso de Agronomia da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) Erechim (turma 2014) promoveu, no último dia 2, a sexta edição da Tarde de Campo das Agrárias. Os acadêmicos apresentaram estudos sobre a irrigação por aspersão, refúgio, inoculação e tratamento de sementes e agricultura de precisão. A iniciativa buscou, mais uma vez, estabelecer, na prática, a interdisciplinaridade do curso.
A irrigação por aspersão foi mostrada pelos acadêmicos Jakson May, Angélica Kamanski, Daiana Bevilaqua, Ricardo Santolin e Talis Malacarne. Eles salientaram que fornecer uma quantidade adequada de água às plantas, aliada a outras operações, contribui de forma mais efetiva para o aumento da produtividade das culturas. O trabalho sobre refúgio foi apresentado por Álvaro Ceni, Cátia Tonieto, Fernanda Freitas, Giovani Gomes e Ricardo Zambiazi. O sistema tem como função produzir insetos que sejam suscetíveis às proteínas inseticidas e que se acasalam com insetos resistentes.
A terceira temática tratou da inoculação e tratamento de sementes e foi apresentada por Ana Luisa Gayger, Diogo Canova, Fabrício Foiatto, Heliur de Develatti, Jéssica Backes e Luam Bampi. O tratamento de sementes é basicamente a aplicação de defensivos nas sementes com a função de protegê-las de doenças e pragas. Por fim, a quarta temática foi sobre agricultura de precisão, que consiste na tecnologia de aplicação de defensivos, foi apresentada pelos alunos Alexandre Luft, Charles Rörig, Günter Riesembeck, Josiele Zacharczuk, Matheus Giacomoni e Vanderlei Veiguel. A Tarde das Agrárias fez parte da disciplina de Extensão Rural, ministrada pelo professor Julio Cesar Brancher, e contou com o apoio de várias empresas ligadas ao agronegócio: Alfa, Kesoja, Lavoro, Pioneer, Stara, Paludo, Hidroplan e Caitá Supermercados.

Vestibular de Medicina da URI Erechimcomeçará a receber inscrições

Município: Erechim

Candidatos podem se inscrever de 11 de dezembro de 2017 a 16 de janeiro de 2018 CRÉDITO: URI ERECHIM/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Candidatos podem se inscrever de 11 de dezembro de 2017 a 16 de janeiro de 2018 CRÉDITO: URI ERECHIM/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Começa no próximo dia 11 de dezembro o período de inscrições para o processo seletivo do Curso de Medicina da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI). Os candidatos terão até o dia 16 de janeiro de 2018 para realizar as inscrições, que deverão ser feitas pelo site uricer.edu.br/medicina. O vestibular será realizado no dia 21 de janeiro. Os candidatos irão concorrer às 55 vagas através da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e uma prova de redação a ser realizada na própria universidade. O início das aulas está previsto para o dia 27 de fevereiro, quando começa o período letivo do primeiro semestre.
O documento do Ministério de Educação autorizando a abertura do curso de Medicina pela URI Erechim foi publicado pelo Diário Oficial da União na manhã de 29 de novembro, pela secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior, através da Portaria N° 1.216. A notícia, esperada com muita expectativa pela universidade, por lideranças de Erechim e região, bem como toda comunidade regional, vem completar as comemorações dos 25 anos da instituição, completados no dia 19 de maio deste ano.
O curso de Medicina da URI vai ter uma carga horária total de 8.480 horas, distribuídas em 12 semestres letivos, sendo os 4 últimos destinados ao Internato Médico. As aulas teóricas serão desenvolvidas no Prédio 10 do Campus I, que vai abrigar a estrutura necessária para sua implantação.
Além disso, no Prédio 11, estão localizados os laboratórios de práticas multidisciplinares, recentemente adaptados para acolher os alunos e contam com uma infraestrutura moderna, ampla, com equipamentos e modelos anatômicos novos, visando privilegiar a integração de conteúdos em abordagens interdisciplinares. As mensalidades do curso de Medicina serão de R$ 6.200,00. No entanto, esses valores são também para investimentos no hospital e na realização de cursos de capacitação. Além disso, o curso irá disponibilizar 10 bolsas 100% para alunos com menos renda.