Agricultoras familiares do Sul do País reúnem-se na cidade

Município: Constantina

Vindas de diferentes pontos do Sul do Brasil mas unidas por um mesmo propósito, cerca de 6 mil mulheres mostraram sua força e representatividade no 1º Encontro das Agricultoras Familiares da Região Sul, realizado na cidade recentemente. O evento foi promovido pela Fetraf-Sul, com organização do Coletivo de Mulheres. A presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Bela Vista da Caroba, Cecília Ladi Erthal, foi uma das 29 mulheres do município do sudoeste do Paraná. Foram aproximadamente 600 quilômetros de estrada para se unir à luta pelos direitos das mulheres trabalhadoras rurais. “Um dos motivos que nos leva a participar destas mobilizações são os nossos direitos. A gente sabe que, se nos organizarmos e participarmos, conseguiremos alcançar nossos direitos. Assim com já conseguimos diversas conquistas na área da previdência, esperamos também alcançar outros”, afirma Cecília.

Entre as reivindicações apresentadas no encontro está a efetivação do salário maternidade de seis meses para as trabalhadoras rurais. “É muito importante participar e compartilhar dessas lutas. Isso não vai servir apenas para mim, mas para muitas mulheres. Estar grávida de quatro meses, e saber que posso ter esse benefício de seis meses de auxílio de maternidade, é muito importante para mim”, comenta a agricultora Carimi Fernanda de Oliveira Diniz, que está grávida do primeiro filho.

Campanha prorrogada

Apoiadora da iniciativa, a Emater, através de seu diretor técnico Gervásio Paulus, realizou a entrega de quase 22 mil assinaturas, coletadas em abaixo-assinado através dos escritórios municipais. A proposta é que este número seja ampliado. “Todas as conquistas recentes das mulheres foram a partir da sua organização e luta, principalmente na questão da previdência. Esta luta é mais do que justa, pois garante às mulheres rurais o direito ao auxílio maternidade”, salientou o diretor, ao destacar que a Emater está contribuindo com a entrega das assinaturas coletadas em todos os municípios do Estado.

O abaixo-assinado é uma ferramenta de reivindicação e diversas entidades estão envolvidas. De acordo com a coordenadora do Coletivo de Mulheres da Fetraf-Sul, Cleonice Back, a meta é coletar 500 mil assinaturas até março do próximo ano. “Hoje, infelizmente, as mulheres agricultoras familiares somente têm quatro meses de licença maternidade. Lançamos uma campanha de assinaturas, no mês de março deste ano, e resolvemos ampliar até março de 2013, para termos força nessa reivindicação e nos outros direitos previdenciários que a gente defende. O abaixo assinado está disponível nos sindicatos e nos escritórios municipais da Emater, e no site da federação”, enfatiza Cleonice.