Programação diversificada atrai cerca de 100 pessoas ao Ordovás, em Caxias do Sul

Município: Caxias do Sul

Exposição, show e sessão de autógrafos marcaram a noite de 13 de abril CRÉDITO: RÓGER RUFFATO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Exposição, show e sessão de autógrafos marcaram a noite de 13 de abril CRÉDITO: RÓGER RUFFATO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

O Centro de Cultura Ordovás proporcionou uma noite recheada de atrações no último dia 13 de abril. Cerca de 100 pessoas participaram do vernissage da exposição Seres Imaginários, da artista plástica paulistana Kira Luá, e ainda prestigiaram o lançamento do livro A árvore de colher estrelas, do escritor Elvio Gonçalves. Para fechar a noite, a banda Disco, formada pelos músicos Fernando Lusa e Diego De Toni, subiu ao palco do Zarabatana Café para apresentar um repertório de covers, releituras e músicas autorais.
Na Galeria de Arte, no escuro, apenas com a luminosidade da luz negra, a artista plástica Kira interagiu com o público ao levar para o círculo de pessoas duas de suas criações, pintadas com tinta neon. Embalado pelo som que compôs o ambiente da performance, o público brincou, reproduziu sons e mergulhou na imaginação da artista.
“Foi muito legal a interação do público caxiense. Já expus em outras cidades e estados e cada lugar tem uma resposta diferente. Essa foi a primeira vez, por exemplo, que o público interagiu com sons. O legal da arte é isso. É proporcionar esses momentos de fruição e mostrar que ela não precisa ser uma coisa estanque. Pode ganhar movimento”, defende a criadora de Seres Imaginários.
No fim de semana do dia 28 de abril, Kira realizará duas atividades paralelas à exposição, também no Ordovás. Uma visita guiada para o público em geral ocorrerá às 18h. Já o público infantojuvenil, acima dos sete anos, terá uma oficina de criatividade a partir das 15h30min, com duas horas de duração. As atividades têm vagas limitadas, e os interessados devem se inscrever até o dia 25 de abril.
A visita guiada à exposição é gratuita, com inscrição pelo e-mailuniartes@caxias.rs.gov.br. A participação na oficina de criatividade custa R$ 15,00 e os responsáveis devem informar o nome das crianças pelo e-mail kira.artes@gmail.com. Menores deverão ter acompanhamento dos responsáveis. A professora Dionéia Aparecida Corrêa Neto Balbinot, de 56 anos, conferiu todas as atrações da noite. “Vim para visitar a exposição e acabei surpreendida positivamente. Aqui no Centro de Cultura, respiramos arte, interação. Adorei a programação”, comenta.

Abertura da série Concertos Didáticos lota Casa da Cultura em Caxias do Sul

Município: Caxias do Sul

Cerca de 350 alunos e professores acompanharam apresentação da Orquestra Municipal de Sopros CRÉDITO: RÓGER RUFFATO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Cerca de 350 alunos e professores acompanharam apresentação da Orquestra Municipal de Sopros CRÉDITO: RÓGER RUFFATO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Alunos das escolas Presidente Vargas e Ramiro Pigozzi vibraram e interagiram com o maestro Fernando Berti e os músicos da Orquestra Municipal de Sopros na tarde de 10 de abril. Eles participaram da primeira apresentação da série Concertos Didáticos de 2018, que oportuniza o contato com a música a jovens estudantes. Na ocasião, cerca de 350 alunos e professores lotaram o Teatro Pedro Parenti.
Em 2017, o Concertos Didáticos abrangeu 13 escolas municipais e estaduais, além do Centro de Atendimento em Semiliberdade (Casemi/Fundação de Assistência Social – FAS-RS), que se inscreveram para participar do projeto. Foi um total aproximado de mil espectadores. “Essa é uma série pela qual temos muito carinho, pois temos a certeza da sua relevância no desenvolvimento dessas crianças e adolescentes na medida que oportuniza uma imersão e inserção nesse ambiente rico que é o da música. Trabalhamos com uma didática que possibilita o entendimento por parte dos espectadores sobre os elementos que compõem uma orquestra e seu funcionamento. O resultado final é sempre de muita satisfação”, comenta o maestro e diretor artístico, Fernando Berti.
A professora da Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Ramiro Pigozzi, Silvia Regina Rech, levou os alunos do 5º ano para participarem da atividade e se surpreendeu. “É muito legal. São poucas as oportunidades de contato oferecidas com essa dinâmica explicativa. Quem sabe não está aqui, sentado na plateia, algum talento escondido que pode ser despertado a partir desse primeiro contato? A música é muito importante para abrir horizontes”, pontua.
As próximas apresentações estão marcadas para os dias 17 de maio, 5 de junho, 19 de julho, 7 de agosto, 13 de setembro, 9 de outubro e 22 de novembro, no Teatro Pedro Parenti da Casa da Cultura. As sessões ocorrem em dois horários, às 10h e às 15h, e o agendamento pode ser feito pelo telefone (0xx54) 3901-1316, com a Unidade de Música da secretaria municipal de Cultura (SMC).

Universidade de Caxias do Sul integra rede de incentivo na área da Biotecnologia

Município: Caxias do Sul

SulBiotec é uma instância de articulação e intercâmbio de conhecimento com foco em produtos, processos e serviços inovadores CRÉDITO: CLAUDIA VELHO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

SulBiotec é uma instância de articulação e intercâmbio de conhecimento com foco em produtos, processos e serviços inovadores CRÉDITO: CLAUDIA VELHO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A Universidade de Caxias do Sul (UCS) é uma das integrantes da Rede de Biotecnologia da Região Sul (SulBiotec), formalizada no mês de março. A iniciativa dos programas de pós-graduação de excelência em Biotecnologia das universidades federais do Paraná (UFPR), de Pelotas (Ufpel), do Rio Grande do Sul (Ufrgs), de Santa Catarina (UFSC) e da UCS tem o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Com um portfólio inicial de mais de 50 laboratórios e grupos de pesquisa em Biotecnologia, o objetivo da Rede SulBiotec é promover a articulação de um ambiente fértil para a colaboração e o intercâmbio de conhecimento a partir de parcerias com foco em produtos, processos e serviços biotecnológicos inovadores. A rede, que reúne universidades, institutos de pesquisa e empresas, dará suporte à geração de produtos e patentes em áreas como alimentos, saúde humana e animal, cosméticos, engenharia, meio ambiente, biocombustíveis e biologia marinha.
Um dos pioneiros a integrar o projeto, o Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia da UCS (Ppgbio-UCS) tem como foco linhas de pesquisa nas áreas de saúde humana e animal, bem como agroindústria (ambiental e vegetal). A UCS e as demais instituições fundadoras assumem a coordenação administrativa da rede, que já vem agregando outras universidades e tem a participação de empresas como a caxiense Dillon Biotecnologia, integrante do Conselho Fiscal.
Coordenador do Ppgbio-UCS e do Laboratório de Produtos Naturais e Sintéticos, o professor Sidnei Moura e Silva é o gestor administrativo da SulBiotec e seu articulador na universidade. Ele reforça a dedicação do grupo à formação da rede, lembrando que as tratativas para seu desenvolvimento datam de cerca de quatro anos atrás. “Diferente das outras redes estabelecidas nas regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste do País, nas quais o intuito predominante é acadêmico, com o objetivo da formação de profissionais qualificados na área, a Rede SulBiotec volta-se à interação entre a pesquisa e o setor produtivo em incentivo ao empreendedorismo”, explica. Segundo o professor, a carreira acadêmica está entre as poucas opções para pesquisadores (doutores e mestres) no Brasil, e a rede consiste em uma possibilidade para os egressos se tornarem empreendedores que impulsiona, ao mesmo tempo, o desenvolvimento tecnológico regional. “A rede é inovadora e dentro de pouco tempo estará cumprindo seus objetivos e avançando”, anuncia o professor Moura.
Rede contará com site e escritório físico
O site da rede atuará como um banco de negócios, que conjugará intenções e soluções de empresas e institutos de pesquisa. Em um nível superior, afirma o professor Sidnei Moura, a proposta é promover inovação como resultado das conexões e dos vínculos estabelecidos entre as empresas e os centros de pesquisa. Isso com vistas à geração de empreendedores, já que a estrutura de tecnologia voltada à pesquisa científica possibilitará ao aluno estruturar e consolidar seu negócio. Para as empresas já estabelecidas, será possível, além de usufruir de serviços terceirizados, identificar linhas de pesquisa voltadas ao desenvolvimento de novos produtos que ampliem seu portfólio e apresentar demandas que incitem abordagens diferenciadas.
Além da atuação dentro das universidades, a SulBiotec contará com um escritório em Florianópolis e com a atuação itinerante de seus diretores junto às organizações, que intensificará o contato. O diretor-executivo da rede é o professor João Antonio Pêgas Henriques, membro integrante da Academia Brasileira de Ciências e professor do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia da UCS.
Integrantes do Ppgbio-UCS, graduandos, mestrandos, doutorandos, empresas e interessados no projeto podem saber mais a partir do site da rede. O coordenador ainda indica a visita ao primeiro Congresso SulBiotec, que será realizado entre 8 e 10 de agosto deste ano, em Canela, e que vai difundir informações e buscará integrar empresas, futuros empreendedores, centros de pesquisa e órgãos de fomento.
A Rede Brasil-Biotec, instituída pela Portaria nº 1.078, de 27 de fevereiro de 2018, propõe, entre outros objetivos, uma integração de esforços para o desenvolvimento tecnológico da Biotecnologia brasileira. A formalização da criação da SulBiotec, que integra a rede Brasileira, ocorreu no dia 7 de março de 2018, na assembleia de fundação da Associação da Rede SulBiotec.

Secretaria de Trânsito de Caxias do Sul testa novos contadores digitais

Município: Caxias do Sul

foto caxias

Verba para a aquisição dos equipamentos veio através do pagamento de multas CRÉDITO: ADRIANO CHAVES/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A secretaria de Trânsito, Transportes e Mobilidade (Smttm) testou os novos contadores digitais que apontam o tempo de travessia para os pedestres, em ação realizada no final da tarde da última quinta-feira, dia 22. Os marcadores foram instalados na esquina das ruas Os Dezoito do Forte com Moreira César. A verba para a aquisição dos equipamentos veio através do pagamento de multas de trânsito. Essa é a primeira sinaleira deste tipo no município.
Para o titular da Smttm, Cristiano de Abreu Soares, essa é uma novidade importante. “Precisamos fazer esse teste com a comunidade para verificarmos se o pedestre acolhe a utilização do equipamento, se percebe que é importante para ele. Esse é um cuidado trazido pelo Inova Mobilidade, um programa municipal, com foco no pedestre, para ajudar quem está a pé a administrar melhor o tempo de travessia”, explica. Conforme o secretário, o fato dos equipamentos serem fruto de recursos vindos de multas de trânsito mostra a preocupação em transformar uma atitude negativa em mais segurança para condutores e pedestres.
Para as estudantes de Fisioterapia Aline Rodrigues, Gabriela Haupt e Caroline Bonatto, as sinaleiras com temporizador foram uma surpresa. Ao chegarem para a aula da faculdade, depararam-se com os novos equipamentos. “Por ser uma área com grande fluxo de pessoas, muitas delas com deficiência física, essa sinalização é muito importante”, destacaram. Conforme o titular da Smttm, os tempos foram estipulados de forma a garantir segurança para o pedestre e o fluxo necessário para os motoristas, conforme o perfil de cada rua. Na Os Dezoito do Forte, o tempo de travessia é de 35 segundos, superior a ruas como a Sinimbu. Na Moreira César, essa diferença sobe para 45 segundos.
A Smttm seguirá monitorando o comportamento dos pedestres com relação à novidade, para definir se fará a compra de mais contadores digitais a serem fixados em outros cruzamentos da cidade. Quem quiser enviar um retorno para a unidade pode entrar em contato pelo e-mail smttm@caxias.rs.gov.br, ou enviar uma mensagem pela fanpage da prefeitura: www.facebook.com/prefeituradecaxias.
Além de avaliarem a recepção às sinaleiras, agentes da Escola Pública de Trânsito (EPT), da Fiscalização de Trânsito e membros de Centros de Formação de Condutores (CFCs) distribuíram materiais educativos com dicas de segurança na ação desta quinta-feira. A iniciativa faz parte do mês nacional dedicado à conscientização da segurança e respeito aos pedestres.
Por meio do Inova Mobilidade, a prefeitura fez investimentos e implantou novos projetos para garantir travessias mais seguras e uma melhor convivência no trânsito para todos. As recentes instalações de semáforos na cidade são acompanhadas de botoeiras, responsáveis por pausar o trânsito para a travessia de quem está a pé. Além disso, desde o início do mês, agentes da Smttm estão em cruzamentos para orientar os pedestres e incentivar o uso correto de equipamentos, como semáforos e faixas de segurança.
A Smttm também instalou cerca de 100 placas de orientação junto aos semáforos em 10 cruzamentos da área central da cidade. Ainda, houve implantação de um tempo exclusivo para a travessia de pedestres no cruzamento da rua Bento Gonçalves com a Feijó Júnior, em São Pelegrino. Além disso, foi instalado um novo semáforo na rua Santos Dumont, no bairro Nossa Senhora de Lourdes, próximo a uma escola infantil.
Departamento de Proteção e Bem-Estar animal promove mutirão de vacinação no canil municipal
O departamento de Proteção e Bem-Estar Animal da secretaria municipal do Meio Ambiente (Semma) promoveu um mutirão de vacinação no canil municipal na última quarta-feira, dia 21. As doses são da vacina polivalente, de aplicação anual, que protegem contra oito tipos de doenças causadas por vírus, como leptospirose, cinomose e parvovirose. As injeções foram feitas por uma equipe de 14 pessoas: 11 veterinários da prefeitura e três voluntários que auxiliaram no controle dos animais.
Para garantir que todos recebessem a dose, as equipes se dividiram em quatro grupos. Cada animal foi identificado por leitura ou implantação de microchip, a fim de monitorar a imunização. Ao todo, foram compradas 1,4 mil vacinas, totalizando um investimento de R$ 25 mil. A verba é oriunda de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), no qual uma multa ambiental é convertida na compra de benfeitorias, como essas doses.
“Contamos com uma equipe de veterinários para fazer a aplicação e também observar os animais nas 24 horas que sucedem a vacina. Essa imunização é muito importante para o canil, uma vez que um caso de doença poderia gerar um surto devido ao número de cachorros”, explica a veterinária e diretora do departamento, Marcelly Paes Felippi. Além disso, as vacinas demonstram o cuidado da prefeitura com os animais abrigados, sempre visando à adoção. “O cão que é adotado no canil municipal sai vacinado, microchipado, castrado e vistoriado por um veterinário. Está pronto para conviver com uma família, que além de ter um animal bem cuidado, ganha um amigo”, destaca a diretora.
Quem quiser adotar um cão ou gato do canil municipal pode se cadastrar na campanha Adote por Amor. Basta acessar o site da prefeitura e preencher o formulário da campanha, disponível no link Proteção Animal. Com os dados em mãos, a Semma entra em contato com o adotante a fim de identificar o cão ou gato mais adequado. Desde o início da campanha, lançada em 2017, mais de 250 animais já foram adotados.

Feira Sem Fronteiras expõe criatividade de artesãos em Caxias do Sul

Município: Caxias do Sul

Escultura de elefante é a mais vendida pelos senegaleses Ousmane e Malick Ndiaye CRÉDITO: ADRIANO CHAVES/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Escultura de elefante é a mais vendida pelos senegaleses Ousmane e Malick Ndiaye CRÉDITO: ADRIANO CHAVES/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A Feira Sem Fronteiras retomou as atividades no último domingo, dia 11, na Praça das Feiras. O evento atrai cerca de 150 expositores de artesanato e alimentação para a comunidade. Na primeira edição de 2018, os artesãos ofereceram produtos voltados para a Páscoa. Além disso, dois cães do canil municipal foram adotados em mais uma edição da Campanha Adote por Amor.
A criatividade em transformar peças descartadas em diferentes produtos é uma das principais marcas dos participantes da Feira Sem Fronteiras. Isabel Carneiro, de 53 anos, é exemplo disso: a artesã trabalha com reaproveitamento de materiais em uma oficina de economia solidária no bairro Mariani, onde acolhe idosos e crianças. Calças jeans doadas por brechós viraram bolsas com forro feito de tecido utilizado em guarda-chuvas. Materiais que sobram da indústria têxtil garantem a fabricação de tapetes. Até cordinhas utilizadas em banners são transformadas em centro de mesa. “O espaço e a clientela da feira são muito bons. Tudo que utilizamos é reaproveitado e o sustento da casa vem desse trabalho”, salienta.
A integração cultural é outro aspecto que já virou tradição no evento. Os senegaleses Ousmane e Malick Ndiaye fazem esculturas em madeiras africanas como ébano e baobá. A mais vendida, de longe, é a de elefante. “As pessoas compram porque acreditam que dá sorte”, percebe Ousmane. A banca também vende esculturas de macacos, tigres, leões, hipopótamos e tartarugas, bem como carrancas e imagens de africanos. Ousmane foi o primeiro africano a participar da Feira Sem Fronteiras, onde comercializa desde a primeira edição. “Aqui é muito bom, porque é uma oportunidade para todos: tanto para vender os produtos quanto para as pessoas conhecerem a nossa cultura”, explica.
O trabalho artesanal de Eduardo Henzel, eletricista de 57 anos, é feito como hobby. Ele desenvolve luminárias e abajures em canos de PVC. As esculturas são feitas lixando o plástico, deixando áreas mais densas e outras onde a luz consegue penetrar mais facilmente. Cada obra demora de seis a oito horas para ficar pronta. “A Feira Sem Fronteiras ajuda a divulgar o nosso trabalho. Muitas vezes as pessoas não compram na hora, mas entram em contato mais tarde para fazer uma encomenda”, comenta.
A feira contou ainda com outras opções de produtos feitos para decoração, peças em materiais recicláveis, MDF, pinturas e esculturas. Na parte de alimentação, havia bancas com comidas veganas, geleias, biscoitos, acarajé e fondue, com destaque para o fast food colombiano e venezuelano, oferecendo, entre outros produtos, arepas (massa de pão feita com milho moído) com recheio de carne e frango.
A feira foi lançada em maio de 2017 e ocorre sempre no segundo domingo do mês, na Praça das Feiras. A ação é uma opção de renda para trabalhadores autônomos, que vendem mercadorias com procedência. Além disso, promove a integração de diferentes culturas.
O projeto é coordenado pelo gabinete da primeira-dama, Andrea Marchetto Guerra, e pelas secretarias municipais do Urbanismo, da Cultura, do Turismo, do Governo e do Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Emprego, em parceria com o Centro de Atendimento ao Migrante (CAM). A próxima edição da Feira Sem Fronteiras será no dia 8 de abril. Interessados em expor podem entrar em contato com a secretaria municipal do Urbanismo, pelo telefone (0xx54) 3218-6000.