Unidade de Pronto Atendimento completa um ano em Caxias do Sul

Município: Caxias do Sul

Prefeito Daniel Guerra visitou o local na última quarta-feira CRÉDITO: ADRIANO CHAVES/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Prefeito Daniel Guerra visitou o local na última quarta-feira CRÉDITO: ADRIANO CHAVES/DIVULGAÇÃO/CIDADES

O prefeito Daniel Guerra celebrou o aniversário de um ano da Unidade de Pronto Atendimento 24 Horas (UPA 24H) com os usuários e trabalhadores do serviço. No último dia 19, ele visitou o espaço para conferir o atendimento prestado à população e parabenizar a equipe de trabalho. O chefe do Executivo, acompanhado do secretário municipal da Saúde, Geraldo da Rocha Freitas Júnior, foi recebido por representantes do Instituto de Gestão e Humanização (IGH), que administra o local por meio de gestão compartilhada com o município.
Guerra ouviu da comunidade relatos de aprovação do serviço. Geraldo Canali, de 70 anos, morador do bairro Cruzeiro, conta que já utilizou a UPA duas vezes. “Venho hoje pela segunda vez e, novamente, estou sendo bem tratado. Na primeira vez, saí com o problema resolvido, hoje deve ser igual”, disse. Jessé Josias Souza, de 29 anos, é morador do Parque Oásis e destacou a agilidade do serviço. “Sempre que precisei da UPA, o atendimento foi rápido, melhor do que quando eu tinha plano privado de saúde e precisava ir ao plantão. A consulta é bem resolutiva. Da última vez, já fiz exame de raio x aqui mesmo e saí medicado”, afirmou.
O prefeito também passou pelos setores de atendimento interno. Conversou com pacientes e profissionais nas salas de aplicação de medicamentos e observação, na farmácia e demais dependências da unidade. “O que vimos hoje supera a expectativa que tínhamos no momento da inauguração da UPA, há um ano. O serviço funciona em tempo integral, sem nunca ter registrado falta de profissionais nos plantões. Chega a cerca de 300 atendimentos diários, com mais de 80% dos usuários satisfeitos. Tudo isso confirma a decisão acertada que tomamos ao implementar a gestão compartilhada para viabilizar a abertura deste serviço”, avaliou.
Às 15h20min, um ato de comemoração foi realizado no estacionamento localizado nos fundos da UPA 24H, com a participação de secretários municipais, servidores da saúde e profissionais da unidade. O superintendente do IGH, Paulo Bittencourt, disse que a UPA de Caxias do Sul orgulha o instituto. “Atuamos em cinco estados brasileiros, com cerca de 40 contratos. Posso garantir que a UPA daqui está entre as melhores do País”, afirmou.
Comprometido com a qualificação contínua da saúde pública, Daniel Guerra pediu empenho da equipe de servidores e profissionais do IGH para melhorar ainda mais a assistência prestada à população. “Desejo que possamos comemorar, no próximo ano, um índice ainda mais alto de satisfação dos pacientes aqui atendidos”, concluiu.

Reformulação da Feira Sem Fronteiras estreia em outubro em Caxias do Sul

Município: Caxias do Sul

Evento será integrado à feira ecológica e expositores terão mais autonomia CRÉDITO: MATEUS ARGENTA/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Evento será integrado à feira ecológica e expositores terão mais autonomia CRÉDITO: MATEUS ARGENTA/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Uma reunião entre expositores e representantes de secretarias municipais definiu o novo formato da Feira Sem Fronteiras, que passará a funcionar aos sábados. A estreia será no dia 6 de outubro, das 8h às 16h, na Praça das Feiras. A decisão foi tomada em conjunto com os participantes, de forma a tornar a reformulação democrática. A partir de agora, o evento será integrado à feira ecológica, que ocorre no mesmo local, e será das 7h às 11h, todas as semanas. A ideia é que o novo formato receba outro nome, ainda a ser definido pelos expositores.
Conforme a secretária de Urbanismo, Mirangela Rossi, a intenção da prefeitura é despertar a autonomia dos feirantes, que vendem produtos artesanais e alimentícios. “A expectativa é que eles se entusiasmem e evoluam como empreendedores. A prefeitura tem dado inúmeras palestras e formações gratuitas nesse sentido. Queremos que eles andem com as próprias pernas e que conquistem seu espaço no mercado”, aponta.
A reunião foi motivada para buscar soluções quanto à queda tanto no número de expositores quanto de visitantes. A partir de agora, os feirantes deverão providenciar as estruturas necessárias para as bancas. “A prefeitura emprestava gazebos, tinha custos com som, recolhimento de resíduos, equipe de manutenção, trânsito e segurança. Tornou-se inviável manter essa logística, com valores e sempre dependendo do tempo. A feira ecológica já tem estrutura e público fiel. Aliar essas duas iniciativas é uma chance de conquistar mais espaço para o comércio dos nossos expositores”, salienta Mirangela.
Por meio de votação, ficou definido que os comerciantes devem se organizar entre 7h e 7h45min, por ordem de chegada, ao longo da praça. Entre 7h45min e 8h, deverão se instalar os que vendem produtos alimentícios. A venda será fixa até as 16h. A meta da prefeitura é que pelo menos 40 bancas ofereçam seus produtos a cada sábado. As definições também poderão ser repensadas pelo grupo, conforme o andamento das edições. “É muito bom que tenhamos nos organizado. Era preciso definir uma ordem diferente. Agora, acredito que vá melhorar o fluxo de clientes”, comemorou Carlos Martins, de 78 anos, expositor da feira.
A Feira Sem Fronteiras foi inaugurada em maio de 2017 e era realizada sempre no segundo domingo do mês, na Praça das Feiras. Na primeira edição, 180 expositores participaram, movimentando R$ 60 mil. A iniciativa é da secretaria municipal do Urbanismo (SMU) e do gabinete da primeira-dama, com apoio da secretaria municipal da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, secretaria municipal do Meio Ambiente, secretaria municipal do Turismo e secretaria municipal da Cultura.
Novos expositores podem se inscrever na SMU. Para isso, é preciso comparecer entre 10h e 16h no terceiro andar da prefeitura e apresentar documento de identidade e CPF. Carteira de Artesão ou registro de Microempreendedor Individual (MEI) aceleram o processo de autorização da pasta.

Campanha visa à redução e ao controle de pombos em Caxias do Sul

Município: Caxias do Sul

Intervenção na Praça Dante Alighieri reuniu cerca de 2 mil pessoas CRÉDITO: MATEUS ARGENTA/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Intervenção na Praça Dante Alighieri reuniu cerca de 2 mil pessoas CRÉDITO: MATEUS ARGENTA/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A secretaria do Meio Ambiente (Semma) lançou, na última terça-feira, a Campanha Não Alimente os Pombos, que integra a primeira fase do plano de ação para redução e controle de pombos na cidade. O lançamento aconteceu em meio à uma intervenção na Praça Dante Alighieri, uma das atividades da Semana Municipal do Meio Ambiente, que teve como tema Bem-Estar Animal: você também é responsável.
A campanha consiste em ações educativas e de conscientização, com o objetivo de trabalhar a importância de não alimentar as aves, beneficiando a comunidade e os animais. “Os pombos não estão em seu habitat natural. Isso cria uma situação que não é favorável para a população, que pode contrair doenças, e também para os pássaros, que estão obesos, com uma expectativa de vida menor do que o normal, além de terem dificuldades para voar e alterações metabólicas”, explica Marcelly de Souza Paes, veterinária e diretora do departamento de Proteção e Bem-Estar Animal da Semma.
Ao deixar de alimentar os pombos, eles irão instintivamente procurar seu alimento fora da área urbana, ocasionando uma diminuição natural do número de animais no Centro. Outra consequência da alimentação excessiva das aves é o aumento do acasalamento. “Os pombos se reproduzem cerca de sete vezes ao ano, quando o esperado seria duas”, explica a veterinária.
As ações de lançamento da campanha incluíram instalação de placas na Praça Dante Alighieri, alertando contra a alimentação dos pombos, e a distribuição de material informativo aos passantes. A próxima etapa do plano é a intensificação da fiscalização e aplicação de multas para quem alimentar os animais. A Lei Municipal nº 7.654/2013 prevê advertência e multa no valor de 10 Valores de Referência Municipal (VRMs – R$ 32,18). Já em caso de reincidência, a multa é de 20 VRMs. Denúncias podem ser feitas no Alô, Caxias, pelo telefone 156. Também serão feitas coletas e análises de fezes das aves, a fim de identificar quais doenças elas podem transmitir ao ser humano.
Evento contou com ações gratuitas para crianças e adultos
Além do lançamento da campanha, a intervenção na praça contou com diversas ações gratuitas para a comunidade, como oficinas sobre montagem de hortas, por meio do Projeto Plantar e Colher; Patrulha Ambiental; apresentação de adestramento; distribuição de água e ações de educação ambiental do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae); recolhimento de resíduos eletrônicos; cama elástica e xadrez gigante e participação da vigilância ambiental da secretaria municipal da Saúde (SMS), com orientações sobre a proliferação do mosquito da dengue. Cerca de 2 mil pessoas participaram das atividades.
A técnica de enfermagem Maria Gomes Costa, de 58 anos, gostou da oficina Plantar e colher. “Achei muito bom, saí com uma muda de coentro que vou plantar em casa. É um ótimo incentivo para as pessoas terem plantas, fazerem hortas, e cuidarem mais da natureza”, manifestou. As crianças também aprovaram o evento. A pequena Maria Eduarda, de três anos, saiu com um sorriso no rosto e uma flor para plantar em casa. “Ela gostou muito, adora flores e plantas. Achei o evento muito criativo”, disse a prima da menina, Karoline Falcão, estudante de 16 anos.
A autônoma Flávia Bernich aproveitou a ação com a filha Nicole, de quatro anos. “Eu adorei o evento! Estávamos indo para casa e passamos por aqui, resolvemos parar, e achei muito bom, diferente. A minha filha também adorou, não consigo levar ela embora. Estamos há mais de uma hora aqui e ela não cansa de brincar”, contou. A titular da Semma, Patrícia Rasia, expressou satisfação com o evento e com a Semana do Meio Ambiente. “A abertura foi uma festa linda e estamos muito felizes com essa ação de hoje. Já entregamos mais de 600 mudas de flores”, destacou.

Universidade de Caxias do Sul inaugura Centro de Inovação e de Tecnologias Educacionais

Município: Caxias do Sul

Espaço ambientará processos de inovação e de qualificação das atividades acadêmicas CRÉDITO: CLAUDIA VELHO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Espaço ambientará processos de inovação e de qualificação das atividades acadêmicas CRÉDITO: CLAUDIA VELHO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A Universidade de Caxias do Sul (UCS) inaugurou, na última quarta-feira, as novas instalações do Bloco I do campus-sede, reestruturado como Centro de Inovação e de Tecnologias Educacionais (Cinted). Visando a novas perspectivas para a produção e disseminação de conhecimento, inovação e qualificação constante dos processos de ensinar e aprender na UCS, o Cinted oferece aporte ao desenvolvimento e implementação de estudos, práticas, produções científicas e modelos didático-pedagógicos inovadores. Contribui, assim, na formulação de políticas e diretrizes de planejamento educacional a partir de um trabalho interdisciplinar com a participação de representantes de diversas áreas do conhecimento da universidade, em um colegiado que atua sob os pressupostos inovação, excelência e sustentabilidade.
O espaço abriga a estrutura destinada ao ensino a distância, sedia ações de acolhimento e de formação de docentes, de estudo e pesquisa, o desenvolvimento de projetos, o design de cursos e a mediação no uso de recursos tecnológicos. Compõem o centro, ainda, um núcleo de atendimento ao estudante e ambientes voltados a processos de aprendizagem diferenciados. “A estrutura reflete as diretrizes da instituição ligadas à excelência acadêmica e inovação, concentrando processos de qualificação das atividades e de reflexão sobre a docência”, explica a coordenadora do Cinted, Flávia Fernanda Costa.
Na solenidade de inauguração, Flávia demonstrou a satisfação pelo trabalho desenvolvido, bem como pela dedicação, compromisso e engajamento das equipes de trabalho que compõem o Cinted. Ela destacou, também, o protagonismo da UCS diante de um contexto desafiador, na criação de um espaço destinado a reflexões e ao desenvolvimento de ações para qualificar processos acadêmicos em um modelo de gestão pautado pelo diálogo, trabalho coletivo e colaborativo. “Os desafios impostos pela contemporaneidade nos instigam a identificar novas oportunidades para adequar processos e dar respostas às diversidades que surgem no cotidiano acadêmico”, pontuou, lembrando ainda que, como unidade de negócios, o Cinted se propõe a disseminar os conhecimentos produzidos com as comunidades de abrangência da UCS.
Recordando o histórico de iniciativas relacionadas, a pró-reitora Acadêmica da UCS Nilda Stecanela falou sobre o conjunto de experiências e projetos desenvolvidos na instituição há 25 anos, que resultaram em várias subunidades andando juntas, à exemplo da coordenação pedagógica e do núcleo de educação a distância. “O Cinted vem em uma nova proposta bastante inovadora no sentido de articular de modo radial todas as subunidades que compunham o nosso movimento de produção de tecnologias educacionais, mas, também, de inovação. Isso, tanto no sentido de produção para qualificar processos internos, quanto por oportunizar o desafio de produzir tecnologias educacionais para outras instituições e níveis de ensino”, afirmou, acrescentando a intenção de contribuir para a formação profissional e o projeto de vida da comunidade acadêmica e da população.
O reitor da UCS Evaldo Antonio Kuiava pontuou a importância da criação do espaço para praticar o que se busca e defende no dia a dia da formação dos alunos, a linha de pensamento conjunta com a Fundação Universidade de Caxias do Sul – “não apenas como projeto de universidade que tem sua missão no desenvolvimento da região, mas com o que estamos pensando e propondo no processo interno da construção do que somos enquanto universidade. O CINTED também é um processo em que nos voltamos para nós mesmos, um espaço para o professor se desenvolver junto com os alunos e para cumprirmos melhor nossa missão”, definiu, destacando o conceito de ação presente na palavra “inovação”, e a tecnologia, que não se traduz apenas por laboratórios, mas pelo saber fazer diferenciado, amparado pelo universo tecnológico.
O Cinted também abriga processos de aprendizagem diferenciados em quatro salas de aula com nova configuração que, integradas em pares, formam amplos espaços de favorecimento à interdisciplinaridade e ao trabalho coletivo, proporcionando interação entre conhecimentos em aulas para grandes turmas ou compartilhadas por diferentes professores e disciplinas. Os ambientes atendem à programação acadêmica da universidade recebendo aulas com dinâmicas didático-pedagógicas diferenciadas baseadas nas metodologias ativas.

Edição do Projeto Uma Noite no Arquivo atrai 150 pessoas em Caxias do Sul

Município: Caxias do Sul

Apresentações musicais e visitas guiadas integraram a atividade CRÉDITO: CAROLINE SANTI PEGORARO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Apresentações musicais e visitas guiadas integraram a atividade CRÉDITO: CAROLINE SANTI PEGORARO/DIVULGAÇÃO/CIDADES

O Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami recebeu cerca de 150 pessoas no último sábado, dia 1. A terceira edição do Projeto Uma Noite no Arquivo contou com apresentações do coro cênico Encanta, da banda Rota Lunar e do Vocal Sem Batuta. Visitas guiadas e projeção de filmes antigos originais em película também incrementaram a programação.
Nas visitas guiadas, servidores do arquivo apresentaram aos visitantes as particularidades e curiosidades da documentação e rotina de trabalho de cada unidade da instituição. Para a diretora do espaço, Neisi Coelho Zorzi, o evento possibilitou que as pessoas conhecessem mais sobre o acervo do arquivo histórico. “Atividades assim também despertam nos visitantes a curiosidade de voltar ao espaço, aproximando, assim, a comunidade do arquivo”, disse.
A acadêmica de História Geovana Erlo acompanhou todas as atividades. Para ela, eventos como Uma Noite no Arquivo valorizam o patrimônio cultural da cidade, do Estado e do País. “A comunidade presente em um espaço de memória significa que o conhecimento histórico não está restrito à academia. Isso é fundamental para nossa percepção como sujeitos históricos, que também produzem e reconhecem histórias”, defendeu.
O Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami preserva o acervo documental de origem pública, recolhidos de órgãos da administração municipal, e de origem privada – documentos de instituições e famílias recebidos por meio de doações e/ou aquisição. Além do trabalho de descrição, guarda e preservação, o arquivo desenvolve pesquisas e publicações com o objetivo de divulgar o conteúdo de seu acervo e contribuir para o conhecimento da história do município.
As ações desenvolvidas desde 1976 contribuíram significativamente para que a instituição se tornasse referência nacional e internacional em matéria de preservação e acesso às fontes de pesquisa, principalmente em relação aos temas referentes à imigração e ao povoamento da Região Nordeste do Rio Grande do Sul. O arquivo histórico é aberto ao público em geral com horário de funcionamento das 10h às 16h. Horário alternativo para pesquisa também pode ser solicitado, mediante agendamento.