Blitz informa sobre a proibição de carroças no Centro de Canoas

Município: Canoas

Como alternativa, recicladores receberam bicicletas ecológicas, batizadas de Bikeco CRÉDITO: VINICIUS THORMANN/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Como alternativa, recicladores receberam bicicletas ecológicas, batizadas de Bikeco CRÉDITO: VINICIUS THORMANN/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Com o objetivo de informar os canoenses sobre o Programa Canoas Sem Carroças e mobilizar a população como agentes multiplicadores de boas práticas, a prefeitura realizou, no dia 28 de junho, uma blitz educativa na avenida Victor Barreto. Na ocasião, os condutores receberam material informativo sobre a proibição da circulação de carroças no Centro da cidade, no trecho delimitado entre a rua Regente Feijó a Norte, avenida Getúlio Vargas a Leste, avenida Inconfidência ao Sul e avenida Victor Barreto a Oeste. Além disso, receberam informações sobre o Bikeco, nome dado às bicicletas ecológicas oferecidas como uma alternativa aos recicladores do Centro.
O coordenador do Programa Canoas Sem Carroças, Alex Szekir, explica que, neste primeiro momento, as ações serão educativas, comunicando a população e os carroceiros sobre as novas regras. “A blitz visa utilizar a população como agentes multiplicadores do projeto, para que essa iniciativa se espalhe para toda a sociedade. Ainda realizaremos mais ações nesse sentido em outros pontos da cidade”, completa. Os condutores abordados na blitz aprovaram a iniciativa: “Acho a determinação da prefeitura espetacular, porque, além de melhorar o trânsito, os cavalos vão parar de ser maltratados”, afirma o técnico em agropecuária aposentado, Ivan da Maia.
A ação contou com a participação das secretarias do Meio Ambiente, de Desenvolvimento Social, de Serviços Urbanos, de Transportes e Mobilidade, e de Desenvolvimento Econômico; e da Fundação Municipal de Saúde de Canoas. Segundo o secretário de Transportes, Ademir Zanetti, a ação é uma extensão das atividades educacionais desenvolvidas pela Unidade de Educação no Trânsito, que tem o intuito de fornecer informação e conhecimento à população. Zanetti ainda lembra que o Centro já recebeu as placas de sinalização que demarcam o perímetro em que a circulação de carroças está proibida.
O Programa Canoas Sem Carroças se constitui em uma política pública abrangente que prevê uma série de ações que vão além da simples proibição da circulação dos Veículos de Tração Animal (VTA). Entre elas está o cadastramento social de carroceiros, ações de qualificação e de inserção no mercado de trabalho dos condutores de veículos de tração animal, adequação e qualificação da coleta seletiva de resíduos sólidos na região onde está sendo implantado o programa, melhorias na mobilidade urbana e defesa animal.

Integrantes do Gerações participam de oficina na Feira do Livro de Canoas

Município: Canoas

Ministrada pela patrona Luisa Geisler, atividade desenvolveu a escrita criativa CRÉDITO: VINICIUS THORMANN/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Ministrada pela patrona Luisa Geisler, atividade desenvolveu a escrita criativa CRÉDITO: VINICIUS THORMANN/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A última segunda-feira, dia 25, foi movimentada na Feira do Livro de Canoas. A data foi marcada pela participação dos integrantes do Programa Gerações, projeto inédito da prefeitura que tem o objetivo de reinventar as formas de envelhecer, oportunizando capacitações para idosos e estágio em órgãos da prefeitura. Na ocasião, eles estiveram na Praça da Bandeira para uma aula diferente. Os idosos foram convidados para uma oficina de criação literária ministrada pela patrona da 34ª edição da feira, Luisa Geisler. O
workshop, intitulado Escrever eu mesmo, teve o objetivo de inserir os participantes no universo da escrita, mesmo que o ato de escrever não faça parte da rotina deles. A atividade foi transmitida ao vivo na página da prefeitura no Facebook.
“Estamos oportunizando a eles um espaço de criação, sem formalidades e sem padrões. O importante é fazer com que todos saibam utilizar a produção textual como uma ferramenta de crescimento pessoal, soltando as amarras da escrita”, destaca Luisa. Para José Ribeiro, de 66 anos, este é mais um momento de crescimento oferecido pelo Gerações. “Graças a este programa, estamos vivenciando coisas que jamais imaginei. Essa é a primeira vez que participo de uma oficina dessas em toda a minha vida, o Gerações está nos inserindo no convívio da sociedade”, ressalta Ribeiro.
Literatura infantil também esteve em destaque
Ainda dentro da programação da feira, o auditório Thedy Corrêa recebeu dois escritores da literatura infantil. Um deles foi Fê, ilustrador e escritor de livros infantis. No encontro com estudantes canoenses, ele falou sobre as suas obras Brinconto e Cabe. Já o escritor Manuel Filho iniciou a conversa perguntando aos alunos se eles já haviam enviado alguma carta. No início, a resposta foi negativa, mas, aos poucos, foram aparecendo alguns que já haviam trabalhado com cartas em atividades na escola.
Em tempos de tecnologia, no livro Meus segredos não cabem em um diário, o autor traz a temática das cartas. Quando a avó de Laís, personagem principal do livro, ficou afônica, sem poder conversar por telefone, ela se viu obrigada a escrever cartas para que elas pudessem se comunicar, visto que a avó não lidava bem com as redes sociais, e-mail e mensagens de celular. Nas trocas de cartas, Laís descobre como seus avós se conheceram e outras belas histórias do passado. A história de Laís chamou a atenção dos presentes da conversa, que saíram do encontro com o desejo de enviar cartas a conhecidos distantes.

Villa Mimosa recebeu exposição de artes Não abafa o caso em Canoas

Município: Canoas

Mostra itinerante visa refletir sobre a violência sofrida pelas mulheres CRÉDITO: DERLI COLOMO JÚNIOR/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Mostra itinerante visa refletir sobre a violência sofrida pelas mulheres CRÉDITO: DERLI COLOMO JÚNIOR/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Fotos de rostos femininos pintados com tinta colorida: essa é proposta da exposição Não abafa o caso para refletir sobre a violência contra a mulher, recebida pela Casa das Artes Villa Mimosa de 25 a 29 de abril. O objetivo dos painéis é mostrar a superação e o empoderamento das vítimas, sem esquecer, no entanto, que as marcas da violência permanecem durante toda a vida da mulher.
A exposição faz parte da campanha do governo do Estado do Rio Grande do Sul Não abafa o caso, que consiste na luta pela defesa dos direitos da mulher e de seu direito básico de ser respeitada como ser humano em sua integridade física, moral e psicológica. Além dos painéis, a mostra ainda disponibiliza uma cartilha que explica os diferentes tipos de violência que uma mulher pode sofrer, bem como telefones úteis para denúncias ou acolhimento às vítimas.
A abertura oficial da exposição contou com a participação da diretora do departamento de Políticas para as Mulheres do Governo do Estado, Salma Farias Valencio; da secretária de Desenvolvimento Social de Canoas, Luísa Camargo; da diretora de Políticas para as Mulheres, Ana Moraes; da controladora-geral do Município, Mari Mantelli; e da vice-presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (Comdim), Fabiane Lara.
De acordo com Salma, a exposição é itinerante e deve passar por diversos municípios do Rio Grande do Sul. Ela ainda explica que a proposta dessa manifestação artística é diferenciada. “A nossa ideia não é a de mostrar os hematomas e a dor da mulher. Em vez disso, mostramos a sua superação e a sua força, externadas pelo olhar das mulheres fotografadas. A proposta estética, com a tinta colorida, é de expôr as marcas que ficam escondidas e não são aparentes, mas que todas nós carregamos por algum motivo. Assim, é possível fazer uma provocação na sociedade para que a gente não abafe os casos de violência contra a mulher”, esclarece Salma.
Na visão da diretora de Políticas para as Mulheres de Canoas, Ana Moraes, a exposição tem o objetivo de fomentar o pensamento crítico das pessoas em relação à violência contra mulheres. “Fico extremamente honrada em poder abrir as portas do nosso município para receber esta importante campanha que retrata as marcas deixadas pela violência nas mulheres. É indispensável que tenhamos diferentes ferramentas, como a arte, para lutar contra a violência e fazer a população refletir sobre as consequências de atos abusivos na vida de uma mulher”, ressalta Ana.

UPA do Idoso é inaugurada na avenida Guilherme Schell, em Canoas

Município: Canoas

Equipamento é único em todo o País para atendimento à terceira idade CRÉDITO: VINICIUS THORMANN/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Equipamento é único em todo o País para atendimento à terceira idade CRÉDITO: VINICIUS THORMANN/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A prefeitura inaugurou, na última terça-feira, dia 10, a nova Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Idoso, que agora está na avenida Guilherme Schell, nº 6.184, no Centro. Nenhum outro município brasileiro possui um equipamento deste tipo, voltado para a terceira idade. No local, também funciona o Centro de Referência do Idoso (CRI). A antiga sede, no bairro Rio Branco, vai abrigar uma Clínica de Saúde da Família.
Uma das primeiras pacientes a ser atendida na nova UPA do Idoso, a aposentada Teresinha Chagas Schmidt, moradora do bairro Mathias Velho, ficou impressionada com o novo espaço. “A equipe me acolheu muito bem, fui atendida rapidamente. Além de tudo, aqui é mais perto do que no local anterior”, avalia. A vice-prefeita Gisele Uequed destaca que a mudança para o Centro era uma prioridade de governo na área da Saúde. “Hoje, concretiza-se um desejo manifestado pela secretária Rosa desde o primeiro dia, de transferir a UPA do bairro Rio Branco para um local que toda a população possa acessar com maior facilidade. A saúde do idoso é uma política que se trabalha diariamente e Canoas é uma referência na área”, declara a vice-prefeita.
Na avaliação da secretária municipal da Saúde Rosa Groenwald, a nova sede da UPA oferece aos idosos e aos trabalhadores melhores condições. “É um momento importante na história de Canoas. Estamos mostrando como se faz gestão em saúde ao instalar este equipamento no Centro e ao transformar a antiga UPA na Clínica de Saúde da Família”, afirma a secretária.
O investimento realizado pela prefeitura na nova sede foi de R$ 180 mil entre reformas, adequações e mobiliário. São 21 profissionais que trabalham nas especialidades de Geriatria, Clínica, Assistência Social, Psicologia, Nutrição e Enfermagem. A UPA oferece serviços médicos e de enfermagem e a expectativa é de atender até 2,5 mil pessoas por mês.
O CRI também teve a capacidade de atendimento aumentada. O centro recebe os pacientes encaminhados pelas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) quando estes precisam de atenção específica. “O usuário chega aqui e passa por uma equipe multiprofissional, que verifica toda a situação do paciente, não apenas o problema específico. Cuidamos da parte física, psicológica e social para ter um acompanhamento completo”, explica coordenadora da Política de Saúde do Idoso no município, Fernanda Von Heimburg.
Segundo Fernanda, tanto a UPA como o Centro de Referência possuem como diferencial a preparação dos profissionais para atenderem as demandas específicas da terceira idade. “A equipe está preparada para aquele paciente que tem mais dificuldade em explicar o que está sentido, avaliar uma reação contrária a um medicamento, ser mais paciente no momento do diagnóstico, acolher o idoso com mais carinho”, acrescenta.
O local que abrigava a UPA do Idoso no bairro Rio Branco e que será transformado em uma Clínica de Saúde da Família possui aproximadamente 300 metros quadrados. O espaço vai abrigar quatro Equipes de Saúde da Família (ESF) e duas equipes de Saúde Bucal. Além disso, o local terá ambulatório, sala de vacina, sala de curativos, consultório médico e de enfermagem. A clínica está em processo de elaboração do projeto para licitação antes do início da obra.

Escolas de Canoas têm aproximado a literatura da sala de aula

Município: Canoas

Professores que atuam nas bibliotecas passaram por capacitação que durou dois meses CRÉDITO: VINICIUS THORMANN/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Professores que atuam nas bibliotecas passaram por capacitação que durou dois meses CRÉDITO: VINICIUS THORMANN/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Para milhares de crianças, o livro didático é o primeiro contato com o universo da leitura, e, por muito tempo, ele segue oferecendo suporte para o aprendizado dos estudantes. Nesse período da vida, em que conhecimentos, experiências e aquisição de novos hábitos ocorrem, a leitura é um canal importante para transmitir significados do mundo a ser descoberto. O estímulo, em geral, ocorre na escola, onde professores têm a missão de inserir a literatura no cotidiano dos jovens. A tarefa não é fácil. No mundo onde distrações como jogos, aplicativos de conversa e redes sociais estão a um clique de distância, abrir um livro e se concentrar na leitura é quase um desafio. Para mudar esse panorama e despertar o gosto pelo prazer de ler desde cedo, a professora Isair de Araújo, da Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Duque de Caxias, tornou o contato com os livros uma rotina comum aos pequenos estudantes.
Com um acervo de 5 mil títulos, a biblioteca da escola Duque de Caxias, no bairro Nossa Senhora das Graças, ficava muito distante dos alunos. Não por condições físicas, mas por interesse. Sem estímulo a frequentar o espaço, os jovens desconheciam a riqueza de histórias que ficavam encerradas entre quatro paredes. Para virar o jogo, desde o ano passado, a professora Isair fez mudanças na estrutura, organizou e decorou a sala, deixando a biblioteca convidativa às crianças. Junto disso, os professores da instituição incluíram livros e jornais no processo de ensino. O resultado não poderia ser melhor: casa cheia.
Na manhã da última segunda-feira, dia 2, os alunos do 7º ano liam e recortavam pedaços de jornais para um trabalho de português. No outro canto da biblioteca, os pequenos do 1º ano, que ainda não sabem ler, escolhiam as histórias que levariam para casa. A capa mais atraente é sempre aquela que vence. Gustavo, de seis anos, escolheu um livro interativo, no qual as figuras saltam às páginas. A história, que retrata a vida de insetos, será contada pelos pais, garante o pequeno. Já a Ellen Torres, que estava fazendo o trabalho de português, afirma que ler é uma forma de preparar corpo e mente. “A leitura é uma maneira de desenvolver a criatividade, isso é muito importante. Um livro é uma forma de navegar na história, de imaginar”, afirma. A professora Isair não esconde o orgulho de seus pequenos leitores. “Na biblioteca, os estudantes podem construir e reconstruir histórias. É um mundo diferente, e eu fico feliz em estar perto deles neste momento.”
Para fortalecer e estreitar os laços entre professores e biblioteca, a secretaria municipal da Educação (SME) forneceu capacitação aos profissionais que atuam nestes espaços. Entre os meses de novembro e dezembro, os servidores passaram por treinamentos para desenvolver projetos, organizar acervos e desenvolver atividades que estejam relacionadas a livros e jornais. Com 40 horas, a capacitação teve como objetivo tornar a biblioteca um espaço vivo das instituições de ensino. Participaram do curso mais de 30 profissionais que, a partir de agora, irão levar até o núcleo escolar novas ideias e concepções sobre a relação entre sala de aula e biblioteca.
A secretária da Educação Neka Escobar destaca que a capacitação é uma forma de valorizar os professores e reforçar o ensino. “Além de investir na estrutura das escolas e ampliar o acesso à educação, nós também temos como prioridade de governo fazer com que o ensino seja cada vez melhor. Aproximar os estudantes da leitura é uma forma de fortalecer a educação. Investir no ensino é investir no futuro”, afirma.