Praça Flores da Cunha recebe casinhas de cerâmica em Arroio do Meio

Município: Arroio do Meio

Peças foram instaladas na árvore central, para embelezar o espaço e atrair pássaros CRÉDITO: MAICA VIVIANE GEBING/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Peças foram instaladas na árvore central, para embelezar o espaço e atrair pássaros CRÉDITO: MAICA VIVIANE GEBING/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Prestigiando a chegada da primavera, a administração municipal, através do Projeto Vivências na Casa do Museu, instalou mais de 20 casinhas de cerâmica de passarinhos na árvore central da Praça Flores da Cunha. A instalação ocorreu na tarde do dia 26 de setembro, na presença de representantes da administração municipal, alunas que participam do projeto desenvolvido na Casa do Museu, usuários da praça e grupo de Saúde Mental do Hospital São José, ao som do tecladista Eduardo Reis Cézar.
Na ocasião, a vice-prefeita Eluise Hammes reforçou que o projeto tem o objetivo da ação social, de se expandir para espaços públicos com peças de cerâmica confeccionadas nas oficinas gratuitas desenvolvidas no município. Lembrou que, desde o início do ano, os alunos se envolveram na produção de artigos para a decoração de Páscoa da Praça, vasinhos que serão utilizados em áreas públicas para o projeto Abrace um Jardim, corações para a CulturArte/Feira do Livro, entre outras peças de cerâmica que levam o nome de Arroio do Meio.
A ceramista Cláudia Jung explica que o projeto envolve mais de 30 alunos, que participam semanalmente de grupos de convivência da Assistência Social e comunidade em geral. “No entanto,mais de 100 pessoas da comunidade se envolveram na confecção das decorações de Páscoa, Projeto Abrace um Jardim, entre outras ações do município”, detalha.
As alunas Iraci Gottens, Ledi Hammes e Glaci Gottens, do bairro Medianeira, e Estela Deves, do Aimoré, afirmam a paixão pelas oficinas de cerâmica. “A gente se distrai, sai de casa, conhece outras pessoas”, comenta Estela, que já participa das oficinas de cerâmica na Casa do Museu desde 2012, período em que produziu diversos artigos de decoração e utilitários para fins pessoais, assim como auxiliou na produção de lembranças e decorações para o município. “No ano passado, enfeitei meu pinheiro de Natal com artigos produzidos nas oficinas”, conta Glaci. “A cerâmica é uma terapia”, incentiva Iraci. “É uma alegria ver os artigos que produzimos enfeitando a nossa praça”, orgulham-se as alunas.