Propriedade no interior de Taquara investe em agroindústria familiar

Município: Taquara

Capril tem cerca de 125 animais e oferece uma produção média de 300 litros de leite por dia CRÉDITO: MAGDA RABIE/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Capril tem cerca de 125 animais e oferece uma produção média de 300 litros de leite por dia CRÉDITO: MAGDA RABIE/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A Cabanha Rancho das Cabras, localizada no distrito de Fazenda Fialho, no interior do município, possui um capril formado por cerca de 125 animais e oferece uma produção média de 300 litros de leite por dia. Há 12 anos, os proprietários Eduardo Valdinei dos Santos Almeida e Cláudia Andrea Ulrich Almeida vivem da propriedade, e, para aumentar o rendimento familiar e fazer prosperar os negócios, iniciaram o processo de construção de uma agroindústria de laticínios de leite de cabra que terá um espaço gourmet com visitação. Segundo Almeida, essa pode ser a primeira no Estado. “Acredito que vá dá certo, já deu certo. No Rio Grande do Sul, não há conhecimento de nenhum beneficiamento assim na agroindústria familiar, só tem quem processa o leite UHT, não há indústria própria”, declara.
O secretário de Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Pecuária, Dircinei Antonelo, e o diretor de Agricultura, Adair Flesch, visitaram a propriedade, no fim de novembro. “Eles têm uma longa caminhada, estavam tentado implantar este projeto há muitos anos, e quase desistiram. A prefeitura está os auxiliando, tanto na questão do licenciamento ambiental, como na documentação para o financiamento junto ao banco, para, enfim, concretizarem o sonho da agroindústria. É um empreendimento muito importante ao município até pelo incentivo a outros produtores a investirem na agroindústria familiar”, comenta Antonelo.
No começo da produção, o leite era comercializado para uma empresa no Rio de Janeiro, mas, há dois anos, essa mesma empresa parou de comprar os produtos do Sul. Hoje, o leite produzido é vendido na porteira da propriedade e na Feira da Agricultura Familiar realizada na Rua Coberta da cidade. O espaço da ordenha é todo automatizado, com higienização do local, limpeza dos equipamentos e o cuidado adequado com os animais. Após a finalização do laticínio, prevista para final de janeiro, passará pelo Serviço de Inspeção Municipal (SIM) para, então, iniciar o processo de fábrica de derivados de leite de cabra, onde a pretensão é produzir queijos, achocolatados, iogurte, bebida láctea, requeijão, tudo embalado, pronto pra vender.
“Ou a gente parava com tudo e voltava para a cidade, ou começava a caminhar com as próprias pernas, pois vivemos da propriedade. Já tivemos que nos desfazer de alguns animais para manter o nosso sustento e dos animais, mas resolvemos continuar. Conseguimos o incentivo da Emater, depois da prefeitura. E faz um ano que estamos tentando construir o nosso laticínio. Queremos nos legalizar e aumentar as nossas vendas, quem sabe conseguir um espaço na merenda escolar. Com a obra pronta, teremos o SIM e vamos poder participar de outras feiras em que a Emater estiver envolvida. Também vamos ser identificados com o selo Sabor Gaúcho que oferece maior credibilidade aos nossos produtos”, destaca Cláudia Andrea.
Após a conclusão da obra e a legalização do SIM, o próximo passo será a adequação ao Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar, Artesanal e de Pequeno Porte (Susaf-RS) . A adesão ao Susaf possibilita aos estabelecimentos registrados no SIM, comercializar seus produtos não somente no município, mas também nos demais municípios do Rio Grande do Sul. A cidade ainda não possui adequação ao Susaf, mas a secretaria já está em tratativas para conquistar mais este benefício aos produtores da Agricultura Familiar. “Se conseguirmos nos adequar ao Susaf será um triunfo aos nossos produtores, estamos trabalhando muito para que isso seja uma realidade em breve”, afirma o secretário Antonelo.
Gestão financeira para escola é tema de curso para diretores do município
Foram três meses de novos conhecimentos e aprendizagens na área de Gestão Financeira e, agora, 38 diretores das escolas municipais estão mais aptos a dirigirem seus educandários, no que diz respeito ao emprego de recursos e à prestação de contas de seus investimentos, graças à parceria feita entre a prefeitura, através da secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esportes (Smece), e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). O curso Gestão Financeira para Diretores de Escola foi desenvolvido com carga horária de 24 horas, em duas turmas. “Foi um projeto personalizado para o município, através da secretaria de Educação. Houve várias reuniões de alinhamento, nas quais estudou-se a ferramenta utilizada para gestão escolar nas escolas de Taquara. Todo o curso foi desenvolvido para atender uma necessidade específica das diretoras e da secretaria”, explica a diretora do Senac/Taquara, Keyla Copes Rodrigues, explicando que a ideia é que o Senac seja próximo da comunidade.
O curso é ministrado pelo engenheiro de controle e automação e consultor Mauro Feldermayer Castellan. “Tratamos a gestão financeira para a escola, o ciclo dos recursos dentro da instituição de ensino, os recursos que entram e saem, como fazer a gestão deles, como prestar contas e fazer o orçamento para o próximo ano e as principais fontes de recursos. Isso tudo é muito do dia a dia deles, estamos polindo alguns conceitos e trazendo métodos para melhorar o desenvolvimento deste trabalho diário”, relata Mauro. O secretário da Smece, Antônio Edmar Teixeira de Holanda, destaca a importância desta capacitação. “A secretaria se preocupa com a gestão de nossas escolas. Aprender a trabalhar os recursos disponíveis é essencial para o melhoramento delas, para o correto prestar de contas destes recursos que vêm não somente das promoções dos educandários, mas de órgãos estaduais e federais. Foi muito gratificante esta parceria, e queremos ajustar outras para o futuro”, observa o secretário, lembrando que outros municípios perceberam a relevância desta iniciativa. “Recebemos ligações de três municípios interessados em saber como se deu essa parceria”, comenta.
Para a diretora da Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Dona Leopoldina, Solange Teresinha da Silva, o curso auxiliou a tornar os processos realizados mais práticos. “O curso foi muito bom, fazíamos tudo isso, mas de uma maneira diferente que nos dava mais trabalho, com as planilhas que o Mauro apresentou, ficou bem mais fácil de fazer. Ele nos ensinou a calcular os juros, o que nos dava um trabalho enorme. Ficou muito mais fácil depois do curso”, comenta. Ainda, segundo a diretora da Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) Alice Maciel, Carla Giovana dos Santos Schleich, os ensinamentos aumentaram a segurança na hora de se trabalhar com dinheiro. “A gestão escolar é bem complicada, sempre ficamos inseguros, e a questão de poder facilitar deixa-nos muito mais confiantes de que está trabalhando corretamente”, destaca.
Talita Morbach, diretora da Emef Calisto Eolálio Letti, comentou sobre o aprendizado de saber onde e como gastar o dinheiro: “Não foi só a questão das planilhas e como organizar valores, mas como aplicar, escolher, sempre priorizando a quantidade de alunos”. Ainda, para o diretor da Emef Tomé de Souza, Edson Passos, o que também fez a diferença foi a utilização de ferramentas nas tomadas de decisão. “Alguns termos bastante técnicos, aliados à teoria e à nossa prática diária, farão muita diferença no nosso trabalho, proporcionando mais firmeza, mais facilidade”, conclui.

 

Estande Coletivo se consolida como projeto de sucesso em Novo Hamburgo

Município: Novo Hamburgo

Na feira Zero Grau, os empresários expuseram seus produtos para um grande público CRÉDITO: VANESSA MONNI/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Na feira Zero Grau, os empresários expuseram seus produtos para um grande público CRÉDITO: VANESSA MONNI/DIVULGAÇÃO/CIDADES

O Estande Coletivo – Novo Hamburgo Capital Nacional do Calçado é sinônimo de sucesso e boas vendas. Parte desse sucesso pôde ser conferido durante a edição 2016 da Zero Grau – Feira de Calçados e Acessórios. O evento aconteceu em novembro, no Serra Park, em Gramado, com produtos voltados para o lançamento de coleções outono/inverno 2017. O espaço para empreendedores da cidade é uma realização da prefeitura, com articulação da secretaria de Desenvolvimento Econômico, Tecnologia, Trabalho e Turismo (Sedetur). “Quando conversamos com os empresários que participam do projeto, percebemos que estamos no caminho certo sobre a economia do nosso município”, destaca o prefeito Luis Lauermann. “É uma grande vitrine, onde os produtos podem ser vistos por um público composto por clientes de vários lugares do mundo”, aponta o titular da Sedetur, Gustavo Rossi.
Na edição deste ano, 26 empresas foram contempladas, via edital, para participar da Zero Grau. Todas elas receberam um espaço com identificação da marca para expor seus produtos. Entre eles, o empresário Alceu Marmitt, que está expondo na feira com a sua marca de acessórios, cintos e bolsas, a Brasilis. “Se não fosse o estande e a prefeitura de Novo Hamburgo, não estaríamos aqui hoje”, conta Marmitt. O empresário também destaca que o espaço destinado aos empreendedores hamburguenses alavancou os números tanto em vendas quanto em contatos. A empresária Margareth Becker afirma que o Estande Coletivo é muito mais que um gerador de negócios. O projeto também aproxima os empresários da cidade. “O espaço tem um nome consolidado, possui muita credibilidade nas feiras. Além disso, criamos um vínculo de amizade aqui”, conta a proprietária da Catri Bolsas, que participa do espaço desde a primeira edição do evento.
Por ter um grande público circulando nos corredores da feira, as chances de fechar bons negócios são grandes. A empresária Jane Kunst, que participou pela primeira vez do Estande Coletivo com a sua marca de calçados infantis, Spoon Kids, reforça esse aspecto. “Estamos há pouco menos de um ano no mercado e estreando em feiras. Já prospectamos boas vendas e fizemos contatos”, ressalta Jane. O Estande Coletivo de Novo Hamburgo foi criado em 2010. Desde então marca presença nas principais feiras coureiro-calçadistas do País, como a Feira Internacional de Couros, Produtos Químicos, Componentes, Equipamentos e Máquinas para Calçados e Curtumes (Fimec); a Feira Internacional da Moda em Calçados e Acessórios (Francal); a Zero Grau; e o Salão Internacional do Couro e do Calçado (Sicc). O principal objetivo é proporcionar aos pequenos e microempresários de Novo Hamburgo o acesso e o contato com possíveis clientes, além de prospectar vendas, girando a economia do município e o crescimento de empregos diretos e indiretos.
Universidade Feevale promove o 6º Concerto de Natal
O Concerto de Natal – Canções do Mundo, realizado pela pró-reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários da Universidade Feevale (Proacom), chega à 6ª edição para proporcionar momentos de encanto e emoção por meio da música. O evento ocorre no domingo, dia 11 de dezembro, às 20h, no Teatro Feevale, com a participação da Orquestra de Sopros de Novo Hamburgo (OSNH) e da Malma Companhia de Dança, de Campo Bom, dirigida por Alex Lassakoski. O evento tem como maestro principal Lincoln da Gama Lobo e, como maestro convidado, Louis Marcelo Illenseer.
Nesta edição, 140 cantores da comunidade de Novo Hamburgo, integrantes do projeto de extensão Movimento Coral Feevale, apresentarão um repertório variado de canções natalinas. A primeira parte do programa será interpretada pela OSNH com quatro medleys alusivos ao Natal: Angels sing; On with the snow!; A fireside Christmas; e Christmas on Broadway. Dando continuidade à programação, entram os coros Unicanto e Sinfônico Comunitário Feevale para executarem, junto à orquestra, A concert celebration; Tu scendi dalle stelle; White Christmas; e Hallelujah. Já as canções que convidam o público a cantar e relembrar melodias são executadas por todos os coros e orquestra: Oh, du fröhliche; Glória; Noite feliz; e Cantata de Natal.
Os ingressos estão disponíveis na bilheteria do Teatro Feevale, na Rua Coberta do Campus II, e no Bourbon Shopping. Serão disponibilizados até dois ingressos por pessoa, mediante a doação de
1 kg de alimento não perecível por ingresso, que deverá ser entregue no dia do concerto. A realização do 6º Concerto de Natal é da Universidade Feevale, por meio da Proacom, da OSNH e da Opus Promoções. A coordenação-geral está a cargo do Projeto Movimento Coral Feevale, representado pelos grupos Coro Unicanto, Coro Sinfônico Comunitário, Coro Canto e Vida e Laboratório Coral. As doações serão destinadas ao Banco de Alimentos.

 

Proposta do Programa Estadual para a Cultura da Erva-Mate é apresentada em Machadinho

Município: Machadinho

Representantes da cadeira produtiva do polo ervateiro do Nordeste gaúcho participaram do encontro  CRÉDITO: EMATER-RS/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Representantes da cadeira produtiva do polo ervateiro do Nordeste gaúcho participaram do encontro CRÉDITO: EMATER-RS/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A apresentação da proposta da Emater/RS-Ascar e a coleta de subsídios nos polos ervateiros para a construção de um Programa Estadual para o Desenvolvimento da Cultura da Erva-Mate foram focos de reunião na Câmara de Vereadores do município de Machadinho. Participaram 55 representantes da cadeia produtiva, como viveiristas, produtores, industriais, técnicos, pesquisadores, lideranças e representantes de instituições públicas e privadas ligadas ao setor no polo ervateiro do Nordeste gaúcho.
Na oportunidade, após apresentação da proposta da Emater/RS-Ascar para o programa, foi aberto espaço para perguntas. Depois, os participantes foram divididos em grupos para a realização da matriz ‘Fofa’, que detecta Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças. Também foram abordados quatro temas como eixos estruturantes: boas práticas de produção agrícola, boas práticas de fabricação, certificação e aspectos gerais da cadeia produtiva ervateira.
O encontro foi um esforço conjunto entre o governo do Rio Grande do Sul, por meio das secretarias da Agricultura, Pecuária e Irrigação (Seapi) e de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR) e Emater/RS-Ascar, para a elaboração do programa, que contempla as necessidades da cadeia produtiva em cada um dos cinco polos de produção da erva-mate no Estado, que são Vale do Taquari, Alto Taquari, Nordeste Gaúcho, Alto Uruguai e Planalto Missões.
De acordo com o engenheiro agrônomo e assistente técnico regional da Emater/RS-Ascar de Passo Fundo, Ilvandro Barreto de Melo, o encontro foi o primeiro de uma série que acontecerá nos demais polos ervateiros. Em Erechim ocorreu ontem, em Palmeira das Missões, em 30 de novembro, em Venâncio Aires (08/12) e em Ilópolis (09/12), na próxima semana.
Na avaliação de Ilvandro, a reunião expressou a necessidade de um esforço estadual, para viabilizar, estruturar e qualificar a cadeia produtiva ervateira. “Na primeira reunião, realizada em Machadinho, a aceitação da proposta foi unânime e a participação dos presentes, decisiva no apontamento cirúrgico das ameaças e oportunidades que podem influenciar o setor no respectivo polo produtivo”, disse o agrônomo. De positivo, destaca a supremacia dos pontos fortes em relação às fraquezas e das oportunidades em contraponto às ameaças, bastando para isso uma estruturação organizativa, corretiva e racional que pode ser desenvolvida pelo programa.
Na avaliação do assistente técnico estadual de erva-mate da Emater/RS-Ascar, Antônio Borba, na discussão ficou evidente o quanto o programa estadual poderá contribuir na melhoria do processo. Representando a Gerência de Classificação e Certificação da erva-mate, Eduardo Fernandes destacou o quanto a certificação poderá intensificar a melhoria da qualidade do produto erva-mate, já que o processo requer uma série de procedimentos e cuidados nas fases de produção agrícola e de fabricação.

 

Jovem de Teutônia vence concurso literário estadual

Município: Teutônia

Alessandra Wünsch, de 16 anos, foi destaque na categoria Verso  CRÉDITO: COLÉGIO TEUTÔNIA/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Alessandra Wünsch, de 16 anos, foi destaque na categoria Verso CRÉDITO: COLÉGIO TEUTÔNIA/DIVULGAÇÃO/CIDADES

“Foi uma grande experiência pessoal, especialmente de superação dos meus limites e dos meus medos.” Assim resume seus sentimentos a jovem teutoniense Alessandra Laís Wünsch, 16 anos, estudante do Programa Aprendiz Cooperativo do Campo, desenvolvido numa parceria entre o Colégio Teutônia, a Cooperativa Languiru e a Ocergs-Sescoop/RS. Ela venceu Concurso Literário para Aprendizes na categoria Verso, promovido pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Rio Grande do Sul (SRTE), juntamente com o Fórum Gaúcho de Aprendizagem Profissional (FOGAP). Os trabalhos selecionados deram origem ao livro “Aprendizagem em Prosa e Verso”, lançado em sessão de autógrafos no dia 13 de novembro, durante a 62ª Feira do Livro de Porto Alegre.
A obra literária é uma coletânea de versos e prosas escritas por jovens aprendizes de diferentes educandários gaúchos. O projeto visa à participação da juventude na criação de uma literatura urbana, com histórias de reflexão, que trazem lições de vida inspiradas no seu cotidiano.
Quatro aprendizes do Colégio Teutônia tiveram seus versos e prosas selecionados para a publicação. Além de Alessandra, os textos de Dienifer Morgana Closs dos Santos, Ketelyn Veloso de Parodes e Adriani de Souza Rodrigues também integram o livro.
“Escrever sobre aprendizagem, no início, me assustou. Eu já havia parado para refletir sobre isso, mas nunca fora algo muito profundo. Escolhi usar o verso como forma de expressão, pois já estava mais familiarizada, é comum eu tentar expor o que sinto em forma de poema”, comenta Alessandra, revelando que a produção e premiação lhe auxilia a superar a timidez.
“Lembro de ter procurado me expressar, e não de ter me preocupado em escrever algo para vencer o concurso. Acredito que isso tenha influenciado algum aspecto do próprio verso”, revela Alessandra.
A jovem esteve acompanhada dos pais, Ernani e Olésia Wünsch, e das professoras do Colégio Teutônia, Maria de Fátima Fuzer da Silva, Maitê Luize Schuhmann e Soeli Claudete Klein, na sessão de autógrafos de lançamento do livro.
Via Verso – (Alessandra Laís Wünsch)
Sempre percorri com pressa e de pés descalços
Uma rua esburacada
Um descaso que armou o meu destino
Meus pés criaram cascos e como um cavalo
Cavalguei até o sol que brilhava escasso
Um amigo.
Me vi cercada de vielas
Alegorias afáveis ao meu intelecto
Sonhos se impregnavam em meu ser
A presença constante de um amigo
Me fez crescer
Abraçou o meu transtorno
Criou um mirante para o meu abandono
E me tirou do orfanato de anônimos.
Me resgatou de um poço sem fundo
Me conferiu renovo
A lástima de um passado laureou
A sabedoria que me foi dada
O raciocínio me incentivou a andar sobre a rua alagada.
Dissuadiu a rua esburacada
Içou a minha esperteza amedrontada
Bifurcou as impossibilidades
E enfadou as possibilidades.
Meu melhor amigo não é um ser
É um substantivo
Saturou o meu sol interior
Um aprendiz me tornou.

 

Estabelecimentos do Copas recebem certificado de boas práticas de fabricação em Caxias do Sul

Município: Caxias do Sul

Curso de extensão inédito para 122 pessoas foi oferecido pela prefeitura, em parceria com a Uergs CRÉDITO: ANGELA NADIN/PREFEITURA MUNICIPAL DE CAXIAS DO SUL/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Curso de extensão inédito para 122 pessoas foi oferecido pela prefeitura, em parceria com a Uergs CRÉDITO: ANGELA NADIN/PREFEITURA MUNICIPAL DE CAXIAS DO SUL/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A Prefeitura de Caxias do Sul, por meio da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SMAPA), promoveu na última semana a entrega dos certificados aos participantes do curso gratuito de extensão em Boas Práticas de Fabricação, realizado em uma parceria com a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS).
No total, participaram do curso 122 pessoas (proprietários e colaboradores) de 33 estabelecimentos registrados no Serviço de Controle de Produtos Agropecuários (Copas), em um total de 56 horas de treinamento. As aulas foram ministradas, na sede da Ceasa Serra, pela coordenadora do curso de Ciência e Tecnologia Alimentar da UERGS, Fernanda Magalhães Stallivieri e demais professores e alunos do projeto de extensão. O curso abordou temas como cuidados no processamento de alimentos, doenças transmitidas pelos alimentos, manutenção e limpeza de equipamentos, higiene pessoal e das instalações.
A aluna Morgana de Lima Rosa falou em nome dos participantes. “Fico muito feliz de representar a turma que esteve por horas se dedicando a um assunto tão importante. Tratamos de segurança alimentar, do direito que a população tem de consumir um alimento que promova a saúde e não o contrário E é esse assunto, a contaminação alimentar, que buscamos evitar, e agora estamos no caminho correto com o auxílio da Secretaria e todos aqueles que fazem um trabalho tão bom que é acompanhar, inspecionar, estar conosco e nos dar a certeza de que estamos usando a devida segurança no alimento. Não adianta qualquer outra qualidade se não tivermos a higiene sanitária. Estamos dispostos a fazer qualquer treinamento que nos é oferecido para melhorar sempre”, disse a proprietária de um comércio de pescados do bairro Pio X.
O titular da SMAPA, Araí Horn, ressaltou a importância das parcerias. “Tivemos muito apoio nesta caminhada destes quatro anos de governo. Lá no início era essa a minha preocupação e acredito que conseguimos estreitar as relações com instituições, entidades, associações da área. Fomos fazendo estas parcerias para que o nosso trabalho, o nosso esforço fosse somado e desse resultados melhores. Esse era o objetivo e alcançamos isso”, afirmou.