Edição do Projeto Tapete Mágico tem início em Caxias do Sul

Município: Caxias do Sul

Abertura ocorreu no dia 18 de abril, quando é celebrado o Dia Nacional do Livro Infantil CRÉDITO: DANIEL BIANCHI/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Abertura ocorreu no dia 18 de abril, quando é celebrado o Dia Nacional do Livro Infantil CRÉDITO: DANIEL BIANCHI/DIVULGAÇÃO/CIDADES

“Com o tapete, eu vou…contar histórias, eu vou…”. Foi neste clima que começou a 17ª edição do Tapete Mágico, promovido pela secretaria da Cultura, por meio do departamento do Livro e da Leitura/Programa Permanente de Estímulo à Leitura (Ppel). E a abertura não poderia ter ocorrido em um dia mais especial: na última terça-feira, dia 18 de abril, quando foi comemorado o Dia Nacional do Livro Infantil. A ideia do projeto é justamente incentivar o hábito da leitura nas crianças e, neste ano, o tema é A alegria é o melhor remédio.
A solenidade de abertura foi realizada no palco do Teatro Municipal Pedro Parenti. A secretária da Cultura Adriana Antunes abriu o projeto desejando boas leituras a todos. “Eu tenho certeza que vão ser momentos muito especiais. Com o Tapete Mágico, conseguimos viajar para diferentes lugares dentro da nossa imaginação. Vamos embarcar nessa, então?”, convidou Adriana.
A primeira sessão do Tapete Mágico começou logo após às 9h, com o Grupo Vivandeiros da Alegria, que participa desta edição. Com muita animação, o projeto provoca nas crianças a relação lúdica com os livros através da linguagem do teatro e da música, sempre levando histórias de livros infantis contadas de maneira diferente. “Em 2001, o Tapete Mágico iniciou com um grupo de funcionários do departamento, sempre tentando aproximar essa forma lúdica dos livros com as crianças. Hoje, o projeto cresceu e atrai cada vez mais turmas para cá, que se encantam com as histórias”, explica Maria Cristina Pisoni, diretora do departamento do Livro e da Leitura/Ppel.
Neste ano, o Tapete Mágico recebeu mais de 7 mil inscritos de 55 escolas estaduais, municipais e particulares. O projeto, que ocorre no Teatro Municipal Pedro Parenti, segue até esta quinta-feira, dia 27 de abril, com três sessões diárias, sempre às 9h, 14h e 15h30min, para grupos previamente agendados. Também está sendo planejada uma sessão aberta à comunidade.

 

Feira da Loucura por Sapatos recebe mais de 99 mil pessoas em Novo Hamburgo

Município: Novo Hamburgo

Número de visitantes foi o maior de todas as edições realizadas em abril CRÉDITO: ALISSON BRUM/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Número de visitantes foi o maior de todas as edições realizadas em abril CRÉDITO: ALISSON BRUM/DIVULGAÇÃO/CIDADES

A Feira da Loucura por Sapatos, que se encerrou no último domingo, dia 16, recebeu, em 11 dias, mais de 99 mil pessoas, número que é 20% superior em relação à feira de abril de 2016. O público conferiu as promoções e os lançamentos de outono-inverno em sapatos, bolsas, roupas e acessórios. “Nossa meta era superar todas as marcas já conquistadas nas edições de abril, e conseguimos isso devido ao trabalho em equipe e a uma gestão que pensou em cada detalhe para receber o visitante da melhor forma”, destacou o diretor-presidente da Feira Nacional do Calçado (Fenac), Márcio Jung.
Pelos corredores da feira, a satisfação do público foi vista pela quantidade de sacolas. Fabiana Brum, 45, comenta que sempre visita o evento em busca de novidades e que, neste ano, encontrou muita variedade. “Sempre venho em busca de produtos com estilos diversificados, que não encontro nas lojas. Aqui, encontrei tudo por valores ótimos”, contou.
Os lojistas também celebraram o incremento de público e de vendas. Leandro Jancenowski, gerente da Miose, que comercializa bolsas e roupas no evento, celebrou o aumento nas vendas de uma edição para outra. “A feira está muito boa e as vendas foram 25% maior do que nossa expectativa”, destaca o comerciante. Guilherme Berwig, da Madalena Calçados, destaca os bons resultados do evento para o seu negócio. “O domingo passado foi o melhor domingo em vendas de todas as feiras que já participei”, completou.
Além de ser um centro de compras, a Feira da Loucura por Sapatos é um evento para toda a família. Assim, a praça de alimentação, o brinquedo inflável e o “maridódromo” permaneceram cheios no feriadão de Páscoa.
Festival de Cervejas Artesanais atrai apreciadores da bebida
Junto com a Feira da Loucura por Sapatos, o 6º Festival de Cervejas Artesanais também chegou ao fim no último domingo e se consolida como um evento confirmado no calendário de quem aprecia a bebida. Foram mais de 80 rótulos nacionais e importados apresentados nesta edição e diversos estilos da bebida. Quem passou pelo evento pode apreciar cervejas artesanais da torneira ou levar em garrafas para casa. O evento contou com happy hour com música ao vivo todos os dias em um ambiente descontraído, junto com dois food trucks de hambúrguer e pizza para harmonizar com as cervejas.
O público, que curtiu cada momento do festival, confirmou a qualidade do evento. Para Kamila Bervian, de 26 anos, o festival melhorou de uma edição para a outra. “É a segunda vez que venho aqui. Venho porque gosto muito de degustar as cervejas da Fat Bull. Este ano, o festival está ainda melhor, pois está mais organizado e com mais opções de cerveja”, destacou.

 

Crianças de Sapucaia do Sul aprendem boxe em aulas gratuitas na Praça da Juventude

Município: Sapucaia do Sul

Aulas acontecem nas segundas e quintas-feiras, para crianças e jovens de 11 a 15 anos CRÉDITO: DANIELA ROCHA LIMA/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Aulas acontecem nas segundas e quintas-feiras, para crianças e jovens de 11 a 15 anos CRÉDITO: DANIELA ROCHA LIMA/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Mais do que saber lutar, aprender a ter disciplina e respeitar o próximo. Essas são as lições que o professor de boxe, Gabriel da Silva Silveira, tem ensinado aos seus alunos durante as aulas gratuitas que acontecem na Praça da Juventude. A iniciativa é da prefeitura, através da secretaria municipal de Esporte e Lazer. As aulas acontecem nas segundas e quintas-feiras à tarde, para crianças e jovens com idades entre 11 e 15 anos. “Meu principal objetivo com eles é ensinar a disciplina, por meio do boxe. Depois, claro, vem a parte técnica”, disse o professor.
Isaac Soares Pocai, de 11 anos, que frequenta as aulas junto com o seu irmão mais velho, disse que o boxe é um ótimo esporte. “É bem puxado, e é bom aprender a lutar. Mas eu não faço boxe para brigar na rua”, destacou. O colega Cassius Maciel, também de 11 anos, que mora perto da Praça da Juventude, contou que também faz capoeira, mas que queria aprender outra luta. “Fiquei sabendo que tinha boxe aqui e resolvi participar. Estou gostando bastante”, comentou.
Ainda há vagas para quem quiser ingressar na turma de boxe. As inscrições devem ser feitas pelo responsável da criança ou adolescente, de segunda a sexta-feira, das 8h às 11h e das 13h às 17h. É necessária a apresentação de cópia de documento de identidade ou certidão de nascimento, atestado escolar e comprovante de residência. Além de boxe, a Praça da Juventude também conta com aulas gratuitas de taekwondo, nas terças e quintas-feiras pela manhã, para crianças de seis a 11 anos. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (0xx51) 3450-4066.

 

Visita à Via Orgânica de Garibaldi vai ocorrer no próximo dia 6 de maio

Município: Garibaldi

Roteiro é aberto à comunidade, com vagas limitadas, e tem custo de R$ 15,00 CRÉDITO: SLOVINSCKI FOTOGRAFIA/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Roteiro é aberto à comunidade, com vagas limitadas, e tem custo de R$ 15,00 CRÉDITO: SLOVINSCKI FOTOGRAFIA/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Com o objetivo de conhecer e promover a Via Orgânica, uma das primeiras rotas de turismo rural do Brasil em propriedades orgânicas certificadas, um famtour (do inglês, familiarization tours) será realizado no município no próximo dia 6 de maio. A proposta deseja familiarizar e sensibilizar ainda mais o público em relação ao produto turístico. Toda a comunidade está convidada a participar, mas as vagas são limitadas. A visita ocorre a partir das 7h30min, com saída em frente à prefeitura. A taxa de visita dos estabelecimentos será de R$ 15,00.
A Via Orgânica alia o alimento à saúde e à sustentabilidade ambiental, social e cultural. A visita proporciona a descoberta de se estar à mesa e os encantos da produção agroecológica e artesanal em belas paisagens, além do resgate de antigas formas de cultivo aprimoradas pelas novas tecnologias, contato direto com a simplicidade e a experiência de quem produz e prepara o alimento.
A primeira parada do roteiro do famtour se inicia às 8h no Sítio Crescer. O local Possui Hostel (hospedagem compartilhada), em uma construção sustentável. Produz hortaliças e frutas orgânicas, que podem ser adquiridas. Oferece espaço para eventos, sitiotur entre cascatas com educação ambiental e espaços para espiritualidade, rodeados por jardins. Recebe retiros e serve refeições caseiras mediante agendamento. O valor é de R$ 10,00.
Às 9h, a visita será ao Valle Rustico, onde, com conceitos de enogastronomia e ecogastronomia trabalhados pelo chef Rodrigo Bellora, a refeição é preparada para se apreciar em etapas, que atingem seu ápice quando harmonizados com sugestões de vinhos e espumantes. O visitante tem a oportunidade de conhecer a horta orgânica, de onde a maioria dos ingredientes é retirada. Além de ser restaurante, atua com projeto Horta (entrega de cestas com produtos orgânicos em casa), food truck e oficinas gastronômicas. Não há custo para visitação.
Em seguida, às 10h, a visita segue na Família Mariani. No espaço, compartilhando conhecimentos de agroecologia, a família mostra as videiras centenárias, a produção orgânica e a agroindústria. No antigo casarão, com ambientes transformados em museu, contam-se histórias da família. O visitante pode realizar passeio de trator, com vista panorâmica, e colher frutas e temperos da época. No local, são comercializados produtos orgânicos, produzidos pelos cooperados da Cooperativa de Produtores Ecologistas de Garibaldi (Coopeg). O valor da visita é de R$ 5,00.
O último ponto a ser visitado, às 11h, é a Econatura: A ecofábrica, construída predominantemente com materiais de reuso, utiliza processos que buscam minimizar o impacto ambiental. O espaço Ecopipa é utilizado como área para degustação. Produz suco de uva, vinagres de vinho tinto, balsâmico e balsâmico envelhecido, óleo de semente de uva, farinha da semente e da casca de uva, todos orgânicos. Não há custo para visita.
Mais informações sobre a Via Orgânica estão disponíveis no sitewww.turismogaribaldi.com.br/rotas-atrativos/via-organica. A organização do famtour é da prefeitura, por meio da secretaria municipal de Turismo e Cultura. A confirmação de presença deve ser feita até o dia 3 de maio, quarta-feira. Outros detalhes podem ser obtidas pelo telefone (0xx54) 3462-8235 ou pelo e-mail turismo@garibaldi.rs.gov.br.

 

Hortas e composteiras auxiliam no aprendizado de educação ambiental em Canoas

Município: Canoas

Alunos assistem a palestras e consomem alimentos plantados na própria escola CRÉDITO: VINICIUS THORMANN/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Alunos assistem a palestras e consomem alimentos plantados na própria escola CRÉDITO: VINICIUS THORMANN/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Alunos da rede municipal de ensino recebem educação ambiental diariamente por meio das hortas escolares e do uso de composteiras nas escolas. A composteira é uma espécia de caixa de madeira, onde são depositados restos de alimentos, como cascas de frutas e verduras e cascas de ovo vindos da própria cozinha da escola. Em cerca de seis meses, esse material se transforma em adubo orgânico, que é utilizado nas hortas. “A compostagem é uma forma de aproveitamento de resíduos orgânicos, cujo resultado é a formação do adubo rico em nutrientes. Esse adubo é usado nas hortas, que são uma maneira de oferecer às crianças a experiência de observar a transformação de semente e mudas em alimentos saudáveis”, explica a diretora de Educação Ambiental da secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Smas), Mari Celeste Cancelli dos Santos.
Atualmente, 21 escolas municipais possuem horta ativada, 26 escolas têm composteiras ativas e 23 estão em processo de ativação da compostagem. A adesão ao programa de educação ambiental não é obrigatória. Na Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) Cara Melada, no bairro Guajuviras, as crianças plantam, colhem e consomem couve, repolho, alface, chás e temperos. “Eles mesmos colhem e fazem a salada. Eles gostam muito”, conta a secretária da escola, Roseli Xavier. A escola possui 189 alunos entre seis meses e seis anos de idade.
Além de promover a educação ambiental, a composteira também possibilita economia à escola, que passou a poupar cerca de R$ 60,00 mensais com a redução do uso de sacos de lixo. “Entre 60% e 65% do lixo produzido aqui na escola é reaproveitável. Isso não é lixo, é matéria-prima, que vira um importante composto que é usado na horta. As crianças podem comer verduras totalmente orgânicas. A ideia é que elas aprendam e levem esse conhecimento para casa”, relata o assessor da diretoria de Educação Ambiental Derli Petry, que, além de fazer as composteiras e auxiliar as escolas na manutenção das hortas, faz palestras para os alunos.
Derli destaca a importância do cuidado que se deve ter com a composteira para evitar mau cheiro e proliferação de ratos. “Eu oriento o pessoal que trabalha na cozinha das escolas que optam por ter a composteira. O trabalho só dá certo se a cozinha pegar junto. Podem ser colocados na composteira cascas de frutas e verduras, borra de café, erva de chimarrão, casca de ovo, folhas, mas não pode restos de comida, nada que tenha tempero”, explica.
Em parceria com a diretoria de Parques e Praças, a diretoria de Educação Ambiental vai iniciar o plantio de árvores nas escolas para garantir as brincadeiras na sombra aos alunos. Serão plantadas árvores nativas e frutíferas, como laranjeiras, jabuticabeiras e bergamoteiras, vindas do viveiro do parque Getúlio Vargas (Capão do Corvo), local onde também há seis composteiras.